De­mi­ti­do do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Pes­qui­sas Es­pa­ci­ais (In­pe) após a di­vul­ga­ção dos pri­mei­ros aler­tas so­bre o au­men­to do des­ma­ta­men­to na Amazô­nia, o fí­si­co Ri­car­do Gal­vão dis­se que o cres­ci­men­to de 30% da área des­ma­ta­da, con­fir­ma­do nes­ta segunda-​feira (18) pe­lo go­ver­no fe­de­ral, com­pro­va os aler­tas emi­ti­dos em agos­to e in­di­ca que o Bra­sil não vai con­se­guir cum­prir a Po­lí­ti­ca Na­ci­o­nal so­bre Mu­dan­ça do Cli­ma. Ins­ti­tuí­da pe­la Lei 12.187 de 2009, es­sa po­lí­ti­ca es­ta­be­le­ce me­tas de cres­ci­men­to econô­mi­co sus­ten­tá­vel co­mo a re­du­ção do des­ma­ta­men­to.

Reprodução/​Congresso em Fo­co


Desmatamento na Amazônia

“O Bra­sil tem o com­pro­mis­so, pe­la Lei 12.187, de até o ano de 2020 não ter um des­ma­ta­men­to aci­ma de 3,9 mil quilô­me­tros qua­dra­dos. Mas es­se ín­di­ce es­tá su­bin­do há três anos e ago­ra che­gou a qua­se 10 mil quilô­me­tros qua­dra­dos. É com­ple­ta­men­te fo­ra do com­pro­mis­so do go­ver­no bra­si­lei­ro”, ex­pli­cou o ex-​diretor do In­pe, Ri­car­do Gal­vão, fa­zen­do re­fe­rên­cia aos da­dos atu­a­li­za­dos do In­pe que fo­ram di­vul­ga­dos nes­ta segunda-​feira pe­los mi­nis­tros do Meio Am­bi­en­te, Ri­car­do Sal­les, e da Ci­ên­cia e Tec­no­lo­gia, Mar­cos Pon­tes.

Se­gun­do o ba­lan­ço do go­ver­no fe­de­ral, a área des­ma­ta­da na Amazô­nia cres­ceu 29,5% en­tre agos­to do ano pas­sa­do e ju­lho des­te ano, al­can­çan­do um to­tal de 9.762 quilô­me­tros qua­dra­dos. O au­men­to é o mai­or da dé­ca­da. Po­rém, es­tá um pou­co abai­xo dos aler­tas emi­ti­dos pe­lo In­pe em agos­to, que apon­ta­ram um cres­ci­men­to de qua­se 40% do des­ma­ta­men­to e le­va­ram à de­mis­são de Gal­vão. A mu­dan­ça no per­cen­tu­al tem uma ex­pli­ca­ção: em agos­to fo­ram di­vul­ga­dos os da­dos do Sis­te­ma de De­tec­ção de Des­ma­ta­men­to em Tem­po Re­al (De­ter) do In­pe, que emi­te aler­tas diá­ri­os so­bre o des­ma­ta­men­to. Ago­ra, con­tu­do, fo­ram di­vul­ga­dos os da­dos ofi­ci­ais do Pro­je­to de Mo­ni­to­ra­men­to do Des­ma­ta­men­to na Amazô­nia Le­gal por Sa­té­li­te (Pro­des), que con­si­de­ra da­dos de sa­té­li­tes mais pre­ci­sos e faz uma ava­li­a­ção con­jun­ta do ano.

Por sua re­la­ção com o In­pe, Gal­vão pre­fe­riu não co­men­tar es­ses da­dos es­pe­cí­fi­cos. Ele só dis­se que con­si­de­rou lou­vá­vel a de­ci­são do go­ver­no fe­de­ral de di­vul­gar to­das as in­for­ma­ções co­lhi­das pe­lo Pro­des, já que, no au­ge das dis­cus­sões so­bre o au­men­to do des­ma­ta­men­to na Amazô­nia, mui­tos pes­qui­sa­do­res ti­ve­ram o re­ceio de que al­guns da­dos pre­ju­di­ci­ais so­bre o des­ma­ta­men­to pu­des­sem ser omi­ti­dos pe­lo Exe­cu­ti­vo. “Gos­ta­ria de re­al­çar e va­lo­ri­zar o fa­to de o Mi­nis­té­rio da Ci­ên­cia e Tec­no­lo­gia cum­prir seu pa­pel e di­vul­gar os da­dos co­mo eles fo­ram pro­du­zi­dos. Não hou­ve ne­nhum es­for­ço pa­ra es­con­der na­da”, ava­li­ou Gal­vão.

O ex-​presidente do In­pe ex­pli­cou que o au­men­to do des­ma­ta­men­to, com­pro­va­do nes­ta segunda-​feira, traz uma sé­rie de pre­juí­zos pa­ra o meio am­bi­en­te e tam­bém pa­ra a eco­no­mia bra­si­lei­ra. A re­du­ção da área da flo­res­ta amazô­ni­ca po­de ter im­pac­tos, por exem­plo, no ní­vel de chu­vas e dos re­ser­va­tó­ri­os de água do país. As quei­ma­das ain­da au­men­tam a emis­são dos ga­ses de efei­to es­tu­da e, co­mo são fre­quen­te­men­te as­so­ci­a­das ao au­men­to das plan­ta­ções agrí­co­las, po­dem de­sen­ca­de­ar pu­ni­ções de mer­ca­dos es­tran­gei­ros. Os par­cei­ros co­mer­ci­ais do Bra­sil po­dem, por exem­plo, re­du­zir a im­por­ta­ção de pro­du­tos agrí­co­las bra­si­lei­ros em res­pos­ta ao au­men­to do des­ma­ta­men­to.

“As ex­por­ta­ções po­dem ser afe­ta­das por­que a com­pe­ti­ção é gran­de e vão co­me­çar a usar es­sa ima­gem de que o Bra­sil es­tá des­ma­tan­do pa­ra pro­du­zir agri­cul­tu­ra. Mas não é só is­so. Vá­ri­as ações do go­ver­no mos­tram des­res­pei­to ao meio am­bi­en­te, co­mo o fim do de­cre­to que proi­bia a plan­tão da ca­na de açú­car na flo­res­ta amazô­ni­ca e no cer­ra­do e a dis­cus­são de aca­bar com a mo­ra­tó­ria da so­ja”, ava­li­ou Ri­car­do Gal­vão. Ele lem­brou, con­tu­do, que, co­mo dis­se o pró­prio Ri­car­do Sal­les nes­ta segunda-​feira, a mai­or par­te das áre­as que vêm sen­do des­ma­ta­das na Amazô­nia não es­tão li­ga­das à agri­cul­tu­ra, mas ao exer­cí­cio de ati­vi­da­des econô­mi­cas ile­gais co­mo a mi­ne­ra­ção e a gri­la­gem de ter­ra. O Pa­rá, es­ta­do que foi pal­co do Dia do Fo­go e ago­ra re­gis­trou a mai­or área des­ma­ta­da do Bra­sil, por exem­plo, tem uma das mai­o­res áre­as de mi­ne­ra­ção ile­gal do país.

Além da re­du­ção das ex­por­ta­ções, o Bra­sil ain­da po­de vi­ven­ci­ar uma guer­ra ju­rí­di­ca in­ter­na ca­so re­al­men­te des­cum­pra a Po­lí­ti­ca Na­ci­o­nal so­bre Mu­dan­ça do Cli­ma, co­mo su­ge­riu Gal­vão. É que es­sa po­lí­ti­ca, além de bus­car o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel do país, vi­sa o cum­pri­men­to dos com­pro­mis­sos am­bi­en­tais fir­ma­dos com a Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU), co­mo o Pro­to­co­lo de Qui­o­to. “Co­mo é uma lei bra­si­lei­ra, ou­tros paí­ses não po­dem in­ter­fe­rir. Mas o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co po­de ime­di­a­ta­men­te obri­gar o go­ver­no fe­de­ral a to­mar as ações ne­ces­sá­ri­as pa­ra fre­ar o des­ma­ta­men­to. Co­mo a AGU po­de res­pon­der, en­tão po­de ser uma ba­ta­lha ju­di­ci­al for­te”, con­tou Gal­vão, di­zen­do que o te­ma tam­bém es­tá na mi­ra da Co­mis­são de Mu­dan­ças Cli­má­ti­cas do Con­gres­so.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,