Governo corre contra o tempo para salvar novo Mais Médicos

segunda-feira, 18 de novembro de 2019 14:59 Notícias

O Con­gres­so Na­ci­o­nal tem ape­nas dez di­as pa­ra vo­tar a me­di­da pro­vi­só­ria (MP 890/​19) que cria o pro­gra­ma Mé­di­cos pe­lo Bra­sil, que subs­ti­tui o Mais Mé­di­cos, em vi­gor des­de 2013. A MP pre­ci­sa pas­sar pe­la Câ­ma­ra, on­de aguar­da vo­ta­ção em ple­ná­rio, e pe­lo Se­na­do até o pró­xi­mo dia 28. Do con­trá­rio, a me­di­da pro­vi­só­ria que pre­ten­de le­var pro­fis­si­o­nais de saú­de às re­giões mais re­mo­tas do país per­de­rá va­li­da­de.

Fa­bio Ro­dri­gues Pozzebom/​Agência Bra­sil


Será votada a Medida Provisória 890/19 cria o Médicos pelo Brasil, programa substituto do Mais Médicos

O ca­len­dá­rio aper­ta­do pre­o­cu­pa o Pa­lá­cio do Pla­nal­to. O lí­der do go­ver­no na Câ­ma­ra, Ma­jor Vi­tor Hu­go (PSL-​GO), adi­an­tou ao Con­gres­so em Fo­co, que vai pe­dir aos pre­si­den­tes da Ca­sa, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), e do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-​AP), que pri­o­ri­zem a vo­ta­ção da MP 890. “O pra­zo é mui­to cur­to. Mas é pos­sí­vel apro­var o quan­to an­tes na Câ­ma­ra e ne­go­ci­ar com o pre­si­den­te do Se­na­do”, dis­se o de­pu­ta­do.

Os se­na­do­res, po­rém, têm re­sis­ti­do a vo­tar MPs en­vi­a­das em ci­ma da ho­ra. Al­gu­mas já per­de­ram a va­li­da­de por cau­sa dis­so. Ca­so o Mé­di­cos pe­lo Bra­sil caia, con­ti­nu­a­rão a va­ler as re­gras do Mais Mé­di­cos.

A pro­pos­ta es­tá pron­ta pa­ra vo­ta­ção em ple­ná­rio há qua­se um mês após ter si­do apro­va­da com mu­dan­ças por uma co­mis­são es­pe­ci­al. As al­te­ra­ções fei­tas pe­lo re­la­tor, se­na­dor Con­fú­cio Mou­ra (MDB-​RO), de­sa­gra­dam a en­ti­da­des mé­di­cas, que apoi­am a ver­são ori­gi­nal da MP.

“Dei­xar a me­di­da pro­vi­só­ria ca­du­car se­rá mui­to ruim, so­bre­tu­do, pa­ra a po­pu­la­ção”, ava­lia o de­pu­ta­do Dr. Za­cha­ri­as Ca­lil (DEM-​GO), que de­fen­de a apro­va­ção do tex­to no for­ma­to es­ta­be­le­ci­do pe­lo go­ver­no.

Res­pon­sá­vel pe­la cri­a­ção do Mais Mé­di­co, o de­pu­ta­do e ex-​ministro da Saú­de Ale­xan­dre Pa­di­lha (PT-​SP) de­fen­de o re­la­tó­rio apro­va­do pe­la co­mis­são es­pe­ci­al. “Sem­pre se­rei fa­vo­rá­vel a qual­quer ini­ci­a­ti­va que le­ve mais mé­di­cos pa­ra a po­pu­la­ção. Fi­ze­mos uma sé­rie de mu­dan­ças no tex­to ori­gi­nal do go­ver­no que aten­dem a po­pu­la­ção”, afir­ma o pe­tis­ta.

Ho­je, das 18 mil va­gas pre­vis­tas pe­lo Mais Mé­di­cos, mais de 3 mil es­tão de­so­cu­pa­das. Atu­am no pro­gra­ma 5 mil pro­fis­si­o­nais for­ma­dos no ex­te­ri­or sem di­plo­ma re­va­li­da­do. Há ape­nas 10 mil mé­di­cos com re­gis­tro no Con­se­lho Re­gi­o­nal de Me­di­ci­na. “Es­sas 3 mil va­gas oci­o­sas re­pre­sen­tam 10 mi­lhões de pes­so­as de­sas­sis­ti­das”, pro­je­ta Pa­di­lha.

O ex-​ministro de­fen­de as mu­dan­ças fei­tas pe­lo re­la­tor. “A pro­pos­ta ori­gi­nal se res­trin­gia a mu­ni­cí­pi­os de área re­mo­ta, ru­ral, dei­xan­do de la­do pe­ri­fe­ri­as e áre­as ca­ren­tes de re­giões me­tro­po­li­ta­nas. In­cluí­mos obri­ga­ção de que o go­ver­no re­a­li­ze o Re­va­li­da [exa­me de re­va­li­da­ção de di­plo­ma de pro­fis­si­o­nais for­ma­dos no ex­te­ri­or] ao me­nos du­as ve­zes por ano”, ex­pli­ca. O go­ver­no fe­de­ral não re­a­li­za o Re­va­li­da há três anos.

“Tam­bém apoi­a­mos a au­to­ri­za­ção pa­ra que es­ta­dos e con­sór­ci­os pú­bli­cos, ca­so o go­ver­no não ga­ran­ta a quan­ti­da­de de mé­di­cos de que pre­ci­sam, pos­sam tra­zer mé­di­cos pe­las re­gras do mais mé­di­cos, in­clu­si­ve sem CRM, pe­lo pe­río­do de três anos”, con­ta Ale­xan­dre Pa­di­lha.

O de­pu­ta­do opo­si­ci­o­nis­ta diz es­tra­nhar a de­mo­ra da ba­se go­ver­nis­ta em le­var adi­an­te a vo­ta­ção da MP. “Pa­re­ce até que o go­ver­no de­sis­tiu do pro­gra­ma de­le. Cor­re­mos na co­mis­são es­pe­ci­al. O tex­to foi apro­va­do há mais de um mês. Ago­ra, se cair, con­ti­nua o Mais Mé­di­cos”, ob­ser­va o pe­tis­ta, lem­bran­do que a me­di­da pro­vi­só­ria não re­vo­gou o pro­gra­ma cri­a­do no go­ver­no Dil­ma Rous­seff que en­fren­tou gran­de re­sis­tên­cia das en­ti­da­des de clas­se.

Dr. Za­cha­ri­as Ca­lil tam­bém diz não com­pre­en­der por que o tex­to não foi vo­ta­do até ho­je. A MP 890 era o úni­co item da pau­ta do ple­ná­rio na se­ma­na pas­sa­da, mas a ses­são aca­bou can­ce­la­da de­vi­do ao bai­xo quó­rum e à con­cen­tra­ção das aten­ções na vo­ta­ção da pro­pos­ta que res­ta­be­le­ce a pri­são em se­gun­da ins­tân­cia, na Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ).

Ba­si­ca­men­te são três os pon­tos de di­ver­gên­cia en­tre os mé­di­cos e o re­la­tó­rio de Con­fú­cio Mou­ra: a per­mis­são pa­ra que in­ter­cam­bis­tas cu­ba­nos atu­em no país sem re­gis­tro do Con­se­lho Fe­de­ral de Me­di­ci­na e sem o Re­va­li­da; a pos­si­bi­li­da­de de que es­se exa­me se­ja tam­bém re­a­li­za­do por ins­ti­tui­ções de en­si­no pri­va­das, e a au­to­ri­za­ção pa­ra que os go­ver­nos es­ta­du­ais cri­em con­sór­ci­os pa­ra a con­tra­ta­ção de por­ta­do­res de di­plo­mas ob­ti­dos no ex­te­ri­or não re­va­li­da­dos.

O PT pre­ten­de apre­sen­tar des­ta­ques à MP pa­ra pro­por a cri­a­ção da car­rei­ra mé­di­ca e res­ta­be­le­cer o exa­me na­ci­o­nal do en­si­no mé­di­co. “Que­re­mos que es­sa pro­va se­ja apli­ca­da a ca­da dois anos do cur­so pa­ra ava­li­ar a qua­li­da­de da es­co­la e fe­char aque­las que não ti­ve­rem bom de­sem­pe­nho”, jus­ti­fi­ca Pa­di­lha.

De acor­do com Za­cha­ri­as Ca­lil, a par­ti­ci­pa­ção de con­sór­ci­os na con­tra­ta­ção de pro­fis­si­o­nais é o pon­to que mais in­co­mo­da a ca­te­go­ria. “Com os con­sór­ci­os, mé­di­cos de fo­ra vão en­trar no Bra­sil sem o re­gis­tro no CRM. As fa­cul­da­des de Me­di­ci­na da Amé­ri­ca do Sul, por exem­plo, têm em mé­dia car­ga ho­rá­ria de au­la 10% in­fe­ri­or à nos­sa. Não é jus­to com os mé­di­cos bra­si­lei­ros e é um pe­ri­go pa­ra a so­ci­e­da­de”, cri­ti­cou.

O mi­nis­tro da Saú­de, Luiz Hen­ri­que Man­det­ta, e par­la­men­ta­res li­ga­dos aos mé­di­cos que­rem su­pri­mir o con­sór­cio e fa­zer o Re­va­li­da em du­as eta­pas em uni­ver­si­da­des pú­bli­cas com no­ta a par­tir de 5 no Enad (Exa­me Na­ci­o­nal de De­sem­pe­nho dos Es­tu­dan­tes). A pri­mei­ra fa­se, teó­ri­ca, fei­ta pe­lo Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção, e a se­gun­da, prá­ti­ca, por meio das pró­pri­as fa­cul­da­des.

“A si­tu­a­ção dos cu­ba­nos não nos pre­o­cu­pa mui­to. En­ten­de­mos que é mais uma me­di­da hu­ma­ni­tá­ria. Eles fi­ca­ri­am mais dois anos no Bra­sil, em áre­as re­mo­tas, no pro­gra­ma de ações bá­si­cas, sob su­per­vi­são. Pas­sa­do es­se pe­río­do, eles fa­ri­am o Re­va­li­da. Quem for apro­va­do po­de­rá con­ti­nu­ar.

Ca­lil tam­bém se diz pre­o­cu­pa­do com a aber­tu­ra do Re­va­li­da pa­ra ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or pri­va­das. “Es­ta­mos pro­pon­do que só pos­sa par­ti­ci­par fa­cul­da­de com no­ta 5 pa­ra ci­ma no Enad. Ho­je ape­nas as pú­bli­cas têm es­sa no­ta. Nós te­me­mos que pos­sa ha­ver um co­mér­cio de ven­da de di­plo­mas do Re­va­li­da”, afir­mou.

Reincorporação de cubanos

O pro­je­to de lei de con­ver­são de Con­fú­cio Mou­ra pro­põe a rein­cor­po­ra­ção dos mé­di­cos cu­ba­nos por dois anos. Po­de­rão pe­dir a rein­cor­po­ra­ção aque­les que es­ta­vam em atu­a­ção no Bra­sil no dia 13 de no­vem­bro de 2018 e te­nham per­ma­ne­ci­do no país após o rom­pi­men­to do acor­do en­tre Cu­ba e a Or­ga­ni­za­ção Pan-​Americana da Saú­de, que in­ter­me­di­ou a vin­da dos cu­ba­nos pa­ra o Bra­sil.

Tam­bém se exi­ge que o pro­fis­si­o­nal te­nha per­ma­ne­ci­do no ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal até a da­ta de pu­bli­ca­ção da MP (1º de agos­to), na con­di­ção de na­tu­ra­li­za­do, re­si­den­te ou com pe­di­do de re­fú­gio.

O re­la­tor in­cluiu no tex­to re­gras so­bre o pro­gra­ma de re­va­li­da­ção de di­plo­mas de mé­di­cos for­ma­dos no ex­te­ri­or. Ele per­mi­te a par­ti­ci­pa­ção de fa­cul­da­des pri­va­das de Me­di­ci­na no pro­ces­so e au­men­ta o va­lor das ta­xas de ins­cri­ção de R$ 150,00 pa­ra a pri­mei­ra eta­pa e R$ 450,00 pa­ra a se­gun­da eta­pa pa­ra, res­pec­ti­va­men­te, R$ 333 e R$ 3.330,00.

O Con­se­lho Fe­de­ral de Me­di­ci­na cri­ou uma pla­ta­for­ma em sua pá­gi­na pa­ra pe­dir aos par­la­men­ta­res que não vo­tem qual­quer emen­da que eli­mi­ne a exi­gên­cia do Re­va­li­da pa­ra o exer­cí­cio pro­fis­si­o­nal no país.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,