De olho na elei­ção mu­ni­ci­pal de 2020, o Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral (TSE) quer acres­cen­tar uma no­va re­gra na le­gis­la­ção elei­to­ral, pa­ra ten­tar di­mi­nuir a quan­ti­da­de de Fa­ke News di­vul­ga­da no plei­to do ano que vem.

Jo­sé Cruz/​Agência Bra­sil


Prédio do Tribunal Superior Eleitoral

O me­ca­nis­mo foi in­cluí­do pe­la pri­mei­ra vez em uma mi­nu­ta de re­so­lu­ção do TSE, que são as nor­mas que ori­en­tam a atu­a­ção da Jus­ti­ça Elei­to­ral du­ran­te as elei­ções. As in­for­ma­ções são da Fo­lha de S. Pau­lo.

O do­cu­men­to, dis­po­ni­bi­li­za­do pa­ra con­sul­ta pú­bli­ca em 8 de no­vem­bro, pre­vê que a uti­li­za­ção de in­for­ma­ções vei­cu­la­das por ter­cei­ros em pro­pa­gan­das “pres­su­põe que o can­di­da­to, par­ti­do ou co­li­ga­ção te­nha pro­ce­di­do à che­ca­gem da ve­ra­ci­da­de e fi­de­dig­ni­da­de”.

O tex­to diz ain­da que é pre­ci­so com­pro­var a afir­ma­ção por meio de “fon­tes de no­tó­ria cre­di­bi­li­da­de”. Ca­so con­trá­rio, o ad­ver­sá­rio que se sin­ta ofen­di­do po­de­rá pe­dir di­rei­to de res­pos­ta, sem pre­juí­zo de even­tu­al res­pon­sa­bi­li­da­de pe­nal.

A mu­dan­ça é no ar­ti­go 58 da lei elei­to­ral, que tra­ta so­bre di­rei­to de res­pos­ta. Atu­al­men­te, o tex­to fa­la ge­ne­ri­ca­men­te ape­nas em cam­pa­nha na in­ter­net. Ago­ra, há men­ção es­pe­cí­fi­ca so­bre de­sin­for­ma­ção.

As mi­nu­tas pa­ra a elei­ção do ano que vem, que têm co­mo re­la­tor o mi­nis­tro Luís Ro­ber­to Bar­ro­so, do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), ain­da vão pas­sar por con­sul­ta pú­bli­ca, no fi­nal de no­vem­bro. Em de­zem­bro, de­vem ser vo­ta­das pe­lo ple­ná­rio do tri­bu­nal.

A pre­o­cu­pa­ção do TSE com Fa­ke News é gran­de. Na elei­ção de 2018, o tri­bu­nal so­freu crí­ti­cas pe­la sua atu­a­ção, em re­la­ção à de­sin­for­ma­ção. Há uma pre­vi­são de que a quan­ti­da­de de Fa­ke News no plei­to do ano que vem se­ja ain­da mai­or, da­do o fa­to de ser uma elei­ção des­cen­tra­li­za­da.

A in­clu­são de um ar­ti­go es­pe­cí­fi­co so­bre o te­ma tem co­mo ob­je­ti­vo ori­en­tar os juí­zes de pri­mei­ra ins­tân­cia, que se­rão os res­pon­sá­veis por ana­li­sar os ca­sos con­cre­tos pe­lo Bra­sil.

De acor­do com a as­ses­so­ria do TSE, a es­pe­ci­fi­ca­ção na le­gis­la­ção vi­sa tam­bém de­sen­co­ra­jar os can­di­da­tos e par­ti­dos a par­ti­lhar es­se ti­po de con­teú­do na in­ter­net. Não há uma ex­pec­ta­ti­va de aca­bar com as fa­ke news, mas di­mi­nuir o al­can­ce da de­sin­for­ma­ção.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,