O se­cre­tá­rio es­pe­ci­al de Pre­vi­dên­cia e Tra­ba­lho do Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia, Ro­gé­rio Ma­ri­nho, mi­ni­mi­zou nes­ta segunda-​feira (18) a in­sa­tis­fa­ção no Le­gis­la­ti­vo com o pon­to da me­di­da pro­vi­só­ria de es­tí­mu­lo ao em­pre­go de jo­vens que re­gu­la­men­ta a ta­xa­ção do seguro-​desemprego. “O Con­gres­so tem le­gi­ti­mi­da­de pa­ra aper­fei­ço­ar o pro­je­to”, dis­se ao Con­gres­so em Fo­co.

Pa­blo Valadares/​Agência Câ­ma­ra


Rogério Marinho, secretário especial da Previdência, conversa com o líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo

Na se­ma­na pas­sa­da, o lí­der do go­ver­no no Se­na­do, Fer­nan­do Be­zer­ra Co­e­lho (MDB-​PE), ad­mi­tiu que, di­an­te da re­a­ção de se­na­do­res e de­pu­ta­dos, se­rá pre­ci­so ajus­tar es­se pon­to do pro­gra­ma du­ran­te a aná­li­se da MP pe­lo Con­gres­so.

“Acre­di­to que o Con­gres­so bus­ca­rá a for­ma mais ade­qua­da sem abrir mão de in­se­rir os jo­vens no mer­ca­do”, dis­se Ma­ri­nho, ao res­sal­tar que é pre­ci­so que ha­ja uma me­di­da al­ter­na­ti­va ca­so a ta­xa­ção do seguro-​desemprego se­ja der­ru­ba­da.

Uma me­di­da pro­vi­só­ria pre­ci­sa ser va­li­da­da pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal e tem va­li­da­de de 60 di­as, pror­ro­gá­veis por 60. Pa­ra am­pli­ar a in­ser­ção dos jo­vens no mer­ca­do de tra­ba­lho, o Pro­gra­ma Ver­de e Ama­re­lo, co­mo foi de­no­mi­na­da a me­di­da pro­vi­só­ria, pro­me­te de­so­ne­rar a fo­lha de pa­ga­men­to das em­pre­sas que con­tra­ta­rem es­ses tra­ba­lha­do­res, ou se­ja, di­mi­nuir os im­pos­tos tra­ba­lhis­tas so­bre os em­pre­sá­ri­os pa­ra fa­ci­li­tar as con­tra­ta­ções.

Co­mo for­ma de com­pen­sar es­sa per­da na ar­re­ca­da­ção com os em­pre­ga­do­res, o go­ver­no propôs a co­bran­ça de 7,5% de con­tri­bui­ção pre­vi­den­ciá­ria so­bre o seguro-​desemprego - be­ne­fí­cio que é pa­go a quem foi de­mi­ti­do por jus­ta cau­sa por um pe­río­do má­xi­mo de cin­co me­ses e ho­je não é tri­bu­ta­do.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,