Apre­sen­ta­do no iní­cio do ano co­mo a prin­ci­pal me­di­da do go­ver­no de Jair Bol­so­na­ro pa­ra a se­gu­ran­ça pú­bli­ca, o pa­co­te an­ti­cri­me, ca­pi­ta­ne­a­do pe­lo mi­nis­tro Sér­gio Mo­ro, che­gou a ser ape­li­da­do por al­guns es­pe­ci­a­lis­tas e de­fen­so­res de di­rei­tos hu­ma­nos co­mo pa­co­te “an­ti­vi­da”. A pro­pos­ta so­freu, en­tão, uma sé­rie de mo­di­fi­ca­ções ao ser ava­li­a­da na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos. E ago­ra che­ga pa­ra vo­ta­ção no ple­ná­rio um pou­co mais hu­ma­ni­za­da, mas ain­da com ar­ti­gos ques­ti­o­na­dos pe­los es­tu­di­o­sos ou­vi­dos pe­la Pon­te e pe­lo Con­gres­so em Fo­co.

As pro­pos­tas do go­ver­no pa­ra a se­gu­ran­ça pú­bli­ca fo­ram ava­li­a­das pe­los de­pu­ta­dos jun­to com as su­ges­tões de com­ba­te ao cri­me que já ha­vi­am si­do apre­sen­ta­das ao Con­gres­so pe­lo mi­nis­tro do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), Ale­xan­dre de Mo­ra­es. O Pa­co­te An­ti­cri­me apre­sen­ta­va, en­tão, 113 su­ges­tões de mu­dan­ça na le­gis­la­ção bra­si­lei­ra. Um con­jun­to de me­di­das que mo­di­fi­ca­ria 17 leis di­fe­ren­tes, en­tre elas, o Có­di­go Pe­nal, o Có­di­go de Pro­ces­so Pe­nal, o Có­di­go de Pro­ces­so Pe­nal Mi­li­tar, a Lei de Exe­cu­ção Pe­nal, a Lei dos Cri­mes He­di­on­dos, a Lei de Im­pro­bi­da­de Ad­mi­nis­tra­ti­va, a Lei das In­ter­cep­ta­ções Te­lefô­ni­cas, a Lei da La­va­gem de Di­nhei­ro, a Lei das Ar­mas de Fo­go, a Lei de Dro­gas, a Lei das Or­ga­ni­za­ções Cri­mi­no­sas e a Lei do Dis­que De­nún­cia.

A ex­clu­den­te de ili­ci­tu­de, cha­ma­da por seus opo­si­to­res de li­cen­ça pa­ra ma­tar, foi um dos pon­tos de mai­or crí­ti­ca. Tan­to que a pro­pos­ta foi ex­cluí­da do tex­to. Só que ago­ra, em uma ma­no­bra do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, a ex­clu­den­te de ili­ci­tu­de vol­tou ao de­ba­te em for­ma de um pro­je­to de lei apre­sen­ta­do pe­lo pró­prio go­ver­no com o in­tui­to de am­pli­ar o con­cei­to da ex­clu­den­te de ili­ci­tu­de em ca­sos de GLO (Ga­ran­tia da Lei e da Or­dem).

Além da re­ti­ra­da des­se item, ou­tras mu­dan­ças fo­ram pro­pos­tas por um gru­po de tra­ba­lho for­ma­do por 16 de­pu­ta­dos. O gru­po foi cri­a­do pe­lo pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), com re­pre­sen­tan­tes da ba­se do go­ver­no, da opo­si­ção e do cen­tro, e ava­li­ou as pro­pos­tas de Ser­gio Mo­ro e de Ale­xan­dre de Mo­ra­es ao lon­go de oi­to me­ses.

Das 113 me­di­das ava­li­a­das, só 17 fo­ram apro­va­das da for­ma co­mo che­ga­ram ao Con­gres­so. Ou­tras 46 fo­ram apro­va­das mas só de­pois de so­fre­rem ajus­tes. Os de­pu­ta­dos ain­da re­ti­ra­ram 29 itens da pro­pos­ta ori­gi­nal e in­se­ri­ram 21 no­vos ar­ti­gos no Pa­co­te An­ti­cri­me.

Is­so quer di­zer que só 15% do pa­co­te foi apro­va­do exa­ta­men­te co­mo saiu do Exe­cu­ti­vo e do Ju­di­ciá­rio. Ou­tros 40% fo­ram apro­va­dos após se­rem al­te­ra­dos pe­los de­pu­ta­dos, que re­jei­ta­ram 31% das pro­pos­tas de com­ba­te à cri­mi­na­li­da­de do go­ver­no de Jair Bol­so­na­ro.

Mas, afinal, após as mudanças, como ficou o pacote anticrime?

Se­gun­do es­pe­ci­a­lis­tas ou­vi­dos pe­la Pon­te e pe­lo Con­gres­so em Fo­co, a pro­pos­ta es­tá um pou­co me­lhor, mas ain­da não aten­de to­das as ex­pec­ta­ti­vas de ser a so­lu­ção pa­ra a cri­se na se­gu­ran­ça pú­bli­ca bra­si­lei­ra.

An­dré Lo­za­no, ad­vo­ga­do cri­mi­na­lis­ta e co­or­de­na­dor de ini­ci­a­ção ci­en­tí­fi­ca do Ibc­crim (Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ci­ên­ci­as Cri­mi­nais), pon­tua que “qual­quer coi­sa é me­lhor do que o tex­to ori­gi­nal”, fei­to “sem em­ba­sa­men­to téc­ni­co” e com “pu­ro po­pu­lis­mo pe­nal”. Já Ira­puã San­ta­na, ad­vo­ga­do e ex-​assessor do mi­nis­tro do STF Luiz Fux, ava­lia que o gru­po de tra­ba­lho tor­na o pro­je­to “mais ga­ran­tis­ta” de acor­do com a Cons­ti­tui­ção.

Pre­si­den­te do gru­po de tra­ba­lho que ana­li­sou o Pa­co­te An­ti­cri­me na Câ­ma­ra, a de­pu­ta­da Mar­ga­re­te Co­e­lho (PP-​PI) acre­di­ta que o re­la­tó­rio apre­sen­ta­do pe­los de­pu­ta­dos é ma­du­ro e mais pró­xi­mo da re­a­li­da­de que a pro­pos­ta ori­gi­nal. “O gru­po de tra­ba­lho hu­ma­ni­zou e dei­xou es­se pa­co­te mais pró­xi­mo da nos­sa Cons­ti­tui­ção. Cri­ou um tex­to que me­lho­ra o sis­te­ma de per­se­cu­ção pe­nal sem a ten­dên­cia de en­car­ce­ra­men­to em mas­sa”, ava­lia.

O vaivém da ‘licença para matar’

Um dos itens re­ti­ra­dos pe­lo gru­po de tra­ba­lho en­vol­ve a ex­clu­den­te de ili­ci­tu­de pa­ra po­li­ci­ais que ma­ta­rem em ser­vi­ço. Mo­ro ci­ta­va “es­cu­sá­vel me­do, sur­pre­sa ou vi­o­len­ta emo­ção” co­mo jus­ti­fi­ca­ti­va pa­ra mor­tes co­me­ti­das pe­lo bra­ço ar­ma­do do Es­ta­do. Se os ca­sos se en­qua­dras­sem nas três ex­ce­ções, os po­li­ci­ais não se­ri­am pu­ni­dos. Es­sa pos­si­bi­li­da­de, po­rém, foi re­jei­ta­da pe­los de­pu­ta­dos de­pois que a so­ci­e­da­de ci­vil ques­ti­o­nou se a ex­clu­den­te de ili­ci­tu­de po­de­ria ser apli­ca­da no ca­so da me­ni­na Ágatha Fe­lix, que foi mor­ta no Rio de Ja­nei­ro du­ran­te uma ope­ra­ção po­li­ci­al. As in­ves­ti­ga­ções fo­ram con­cluí­das na se­ma­na pas­sa­da e apon­ta­ram que foi a PM que ma­tou a me­ni­na de 8 anos por um “er­ro de exe­cu­ção”.

No iní­cio de ou­tu­bro, Ro­dri­go Maia tam­bém ha­via se po­si­ci­o­na­do pu­bli­ca­men­te con­trá­rio ao te­ma, de­pois de re­ce­ber mães que per­de­ram os fi­lhos ví­ti­mas de vi­o­lên­cia do Es­ta­do. Ele fa­lou em “re­du­zir da­nos” no pa­co­te an­ti­cri­me. Na oca­sião, Bru­na Sil­va, mãe de Mar­cos Vi­ní­cius, 14 anos, mor­to quan­do saía da es­co­la na Ma­ré, fez fa­la con­tun­den­te. “Se­rá que es­sa ca­sa es­tá pron­ta pa­ra apro­var is­so? Se apro­var, vai ser mui­to san­gue der­ra­ma­do. E nós va­mos vir aqui co­brar. Se é a ca­sa do po­vo, por­que só sai lei que vai nos pre­ju­di­car”, dis­se ela ao pre­si­den­te da Câ­ma­ra.

Lo­za­no elo­gia a re­ti­ra­da do item que am­pli­a­va a le­gí­ti­ma de­fe­sa pa­ra po­li­ci­ais. “Só se­ria acei­tá­vel se a lei dei­xas­se cla­ro que ape­nas ci­vis (ci­da­dãos sem trei­na­men­to) pu­des­sem se be­ne­fi­ci­ar dis­so. Is­so por­que po­li­ci­ais e agen­tes de se­gu­ran­ça pos­su­em trei­na­men­to e seu tra­ba­lho en­vol­ve o con­tro­le emo­ci­o­nal, sen­do que a apli­ca­ção des­se be­ne­fí­cio pa­ra po­li­ci­ais se­ria as­su­mir o des­pre­pa­ro de nos­sas po­lí­ci­as”, ana­li­sa Lo­za­no.

“Se o po­li­ci­al ti­ver li­mi­tes de­li­mi­ta­dos, ele vai ter mais cui­da­do na ho­ra de agir. Não se po­de ad­mi­tir que al­guém por emo­ção exa­cer­ba­da, me­do ou sus­to ma­te al­guém. Ao in­vés dis­so, per­mi­ti­mos que, em con­fron­to le­tal, o po­li­ci­al te­nha de­fe­sa gra­tui­ta em to­do o inqué­ri­to”, ar­gu­men­ta a de­pu­ta­da Mar­ga­re­te Co­e­lho.

O co­ro­nel apo­sen­ta­do da Po­lí­cia Mi­li­tar de São Pau­lo Adil­son Pa­es de Sou­za con­cor­da com a re­ti­ra­da, mas vê uma ar­ma­di­lha. “O tex­to apro­va­do con­ta ‘agres­são ou ris­co de agres­são fí­si­ca’ pa­ra re­fém se­ques­tra­do na le­gí­ti­ma de­fe­sa. É ób­vio que uma pes­soa que man­tém ou­tra co­mo re­fém co­lo­ca ris­co, a ví­ti­ma fi­ca sob ris­co de agres­são”, ex­pli­ca o co­ro­nel. “Is­so am­plia de­mais e per­mi­te que os agen­tes de se­gu­ran­ça exe­cu­tem, não fa­çam ne­go­ci­a­ção com o se­ques­tra­dor. Fa­zen­do uma com­pa­ra­ção, a gros­so mo­do, é uma apro­va­ção de pe­na de mor­te su­má­ria pa­ra quem pe­gar al­guém co­mo re­fém”, con­ti­nua Sou­za.

A ex­clu­den­te de ili­ci­tu­de, po­rém, vai vol­tar à pau­ta do Con­gres­so em bre­ve, por­que o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro en­vi­ou um pro­je­to de lei ten­tan­do re­to­mar es­sa pos­si­bi­li­da­de. É qua­se a mes­ma si­tu­a­ção da pri­são em se­gun­da ins­tân­cia, que saiu do Pa­co­te An­ti­cri­me, mas ago­ra que o STF mu­dou o en­ten­di­men­to so­bre o te­ma vol­tou à pau­ta da Câ­ma­ra atra­vés de uma PEC (Pro­pos­ta de Emen­da à Cons­ti­tui­ção).

Outras derrotas do governo

Uma crí­ti­ca do co­ro­nel é o fa­to de não exis­tir um ti­po pe­nal es­pe­cí­fi­co no pro­je­to que tra­te de mi­lí­ci­as. Pa­ra ele, era o mo­men­to ide­al de ti­pi­fi­car es­se cri­me, pois já é “um fenô­me­no es­ta­be­le­ci­do em vá­ri­as ci­da­des”. “É gra­ve, de­ve­ria cons­tar e, in­clu­si­ve, su­ge­ri­ria que fos­se man­ti­do com agra­van­te se o mem­bro de mi­lí­cia for agen­te pú­bli­co li­ga­do à se­gu­ran­ça - o que pe­ga po­li­ci­al, guar­da mu­ni­ci­pal, en­fim - e te­ria pe­na au­men­ta­da com es­sa cir­cuns­tân­cia”, pon­de­ra Adil­son Pa­es de Sou­za.

Nes­se pon­to, os de­pu­ta­dos au­to­ri­za­ram a Po­lí­cia Fe­de­ral a in­ves­ti­gar as mi­lí­ci­as. Mas re­jei­ta­ram a pro­pos­ta de Mo­ro de li­mi­tar as pos­si­bi­li­da­des de pro­gres­são pe­nal dos con­de­na­dos que, mes­mo na pri­são, con­ti­nu­am li­ga­dos a or­ga­ni­za­ções cri­mi­no­sas. Tam­bém saiu do tex­to a pro­pos­ta de cri­a­ção de um rol exem­pli­fi­ca­ti­vo das or­ga­ni­za­ções cri­mi­no­sas exis­ten­tes no país. Pa­ra os par­la­men­ta­res, ao in­vés de com­ba­ter o cri­me or­ga­ni­za­do, a cri­a­ção de um ban­co de da­dos ele­va­ria de ní­vel e ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­ria es­sas fac­ções.

A co­bran­ça ime­di­a­ta de mul­tas im­pos­tas em con­de­na­ções tam­bém saiu do pa­co­te. “Os de­pu­ta­dos su­pri­mi­ram, di­zen­do que de­ve­ria ser por PEC (Pro­pos­ta de Emen­da à Cons­ti­tui­ção). Is­so não pre­ci­sa­ria ser ne­ces­sa­ri­a­men­te por emen­da, o que en­ges­sa bas­tan­te a coi­sa nes­sa pers­pec­ti­va”, cri­ti­ca o ad­vo­ga­do Ira­puã San­ta­na.

O con­cei­to de ci­da­dão co­la­bo­ra­dor, que se­ria re­com­pen­sa­do pe­lo Es­ta­do ao apre­sen­tar in­for­ma­ções e de­nún­ci­as fun­da­men­ta­das so­bre or­ga­ni­za­ções cri­mi­no­sas, tam­bém foi dei­xa­do de la­do. As­sim co­mo a pos­si­bi­li­da­de de fa­zer au­di­ên­ci­as por vi­de­o­con­fe­rên­cia, a va­li­da­ção de in­ter­cep­ta­ções te­lefô­ni­cas fei­tas “por qual­quer meio tec­no­ló­gi­co” e a per­mis­são de agen­tes po­li­ci­ais ins­ta­la­rem câ­me­ras sem au­to­ri­za­ção ju­di­ci­al na re­si­dên­cia de in­ves­ti­ga­dos du­ran­te a noi­te.

Aumento do tempo máximo de prisão

Por ou­tro la­do, fo­ram apro­va­das pro­pos­tas co­mo o au­men­to do tem­po má­xi­mo da pe­na de pri­são de 30 pa­ra 40 anos, o en­du­re­ci­men­to dos pra­zos pa­ra pro­gres­são da pe­na, a proi­bi­ção da sai­di­nha pa­ra con­de­na­dos por cri­mes he­di­on­dos com re­sul­ta­do mor­te, a uti­li­za­ção de bens apre­en­di­dos por ins­ti­tui­ções pú­bli­cas, a cri­a­ção de um ban­co de per­fil ge­né­ti­co pa­ra cri­me con­tra a vi­da e cri­me se­xu­al e a ma­nu­ten­ção de pre­sos em pre­sí­di­os fe­de­rais por um pe­río­do de três anos, pror­ro­gá­veis por mais três.

Adil­son Pa­es de Sou­za e An­dré Lo­za­no di­ver­gem quan­to ao ar­ti­go que am­plia o li­mi­te de tem­po que uma pes­soa po­de pas­sar pre­sa, de 30 anos na atu­al le­gis­la­ção pa­ra 40 na pro­pos­ta que se­rá vo­ta­da. O co­ro­nel con­si­de­ra “in­te­res­san­te” pe­lo fa­to de a po­pu­la­ção ter en­ve­lhe­ci­do des­de a dé­ca­da de 1940, quan­do se es­ti­pu­lou a ida­de má­xi­ma. Já o ad­vo­ga­do clas­si­fi­ca co­mo uma es­pé­cie de “mor­te ci­vil” pa­ra quem fi­car es­te tem­po to­do na ca­deia.

Ou­tro pon­to man­ti­do, mas com al­te­ra­ções, é o acor­do de não per­se­cu­ção pe­nal, em que o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co (MP) po­de fe­char um acor­do com o réu e de­fi­nir uma pe­na me­nor em ca­so de cri­me con­fes­so. Pa­ra mui­tos, o ar­ti­go se con­fun­de com a pos­si­bi­li­da­de de plea bar­gain (bar­ga­nha pro­ces­su­al) que Mo­ro su­ge­riu ins­pi­ra­do no sis­te­ma de jus­ti­ça dos Es­ta­dos Uni­dos. Mas, se­gun­do a pre­si­den­te do gru­po de tra­ba­lho da Câ­ma­ra, a de­pu­ta­da Mar­ga­re­te Co­e­lho, é mais res­tri­to.

Se­gun­do ela, o acor­do de per­se­cu­ção pe­nal apro­va­do pe­los de­pu­ta­dos foi pro­pos­to por Ale­xan­dre de Mo­ra­es e va­le ape­nas nos ca­sos em que a pe­na im­pos­ta ao réu não su­pe­ra os qua­tro anos de re­clu­são. Já a pro­pos­ta de Mo­ro po­de­ria va­ler em qual­quer si­tu­a­ção. Mes­mo as­sim, An­dré Lo­za­no diz que a ques­tão de­ve­ria in­cluir o “con­tra­di­tó­rio obri­ga­tó­rio du­ran­te as in­ves­ti­ga­ções, o que não é pre­vis­to no Bra­sil”.

Tam­bém foi apro­va­da a cri­a­ção do juiz de ga­ran­tia, que vai fa­zer com que o mes­mo inqué­ri­to se­ja to­ca­do por dois juí­zes di­fe­ren­tes. Um juiz atu­a­ria du­ran­te a fa­se de in­ves­ti­ga­ção e co­le­ta de pro­vas e o ou­tro fi­ca­ria com o res­tan­te do pro­ces­so, is­to é, com a even­tu­al de­nún­cia do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. A ideia é ga­ran­tir que a de­ci­são fi­nal se­ja to­ma­da de acor­do com os au­tos e não se­ja in­flu­en­ci­a­da pe­la con­cep­ção for­ma­da du­ran­te a co­le­ta de pro­vas, pa­ra as­se­gu­rar o de­vi­do cum­pri­men­to da lei en­quan­to se apu­ra um cri­me.

“Um dos pon­tos que afe­ta­rá mais a po­pu­la­ção se­ria a par­te do juiz da ga­ran­tia. É ele que vai evi­tar que fa­çam abu­sos, que cri­em abu­sos em re­la­ção à pri­são em fla­gran­te ou pre­ven­ti­va”, pon­tua o ad­vo­ga­do Ira­puã San­ta­na. Ou­tro item apro­va­do pre­vê que, se um juiz ti­ver con­ta­to com pro­vas ilí­ci­tas, de­ve ser subs­ti­tuí­do e não pro­fe­rir sen­ten­ças.

Novas ideias

Além de ava­li­a­rem as su­ges­tões apre­sen­ta­das por Mo­ro e Mo­ra­es, os de­pu­ta­dos acres­cen­ta­ram no­vos ar­ti­gos ao Pa­co­te An­ti­cri­me. En­tre eles, a re­gu­la­men­ta­ção da co­la­bo­ra­ção pre­mi­a­da e a cri­a­ção do juiz sem ros­to.

Se­gun­do os de­pu­ta­dos, a lei da de­la­ção pre­mi­a­da tem pou­cos de­ta­lha­men­tos de pro­ce­di­men­to e, por is­so, dei­xa mui­tos ter­mos des­sa ne­go­ci­a­ção em aber­to. Eles usa­ram a ju­ris­pru­dên­cia e as ori­en­ta­ções que já vi­nham sen­do se­gui­das pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, en­tão, pa­ra dei­xar as re­gras da co­la­bo­ra­ção pre­mi­a­da mais cla­ras. Uma das de­ter­mi­na­ções é que a de­la­ção não po­de ser usa­da co­mo pro­va, mas co­mo um ins­tru­men­to de ob­ten­ção de fa­tos que con­tri­bu­am com a in­ves­ti­ga­ção cri­mi­nal.

Já a fi­gu­ra do juiz sem ros­to, que foi cri­a­da na Itá­lia pa­ra evi­tar per­se­gui­ções da má­fia, pre­vê que em de­ter­mi­na­dos jul­ga­men­tos, so­bre­tu­do os de fac­ções cri­mi­no­sas, a de­ci­são não se­ja to­ma­da por um úni­co juiz, mas por uma va­ra co­le­gi­a­da.

Ou­tra no­vi­da­de é a pu­ni­ção de quem co­me­te um cri­me e o di­vul­ga nas re­des so­ci­ais. Ca­so a pes­soa fa­ça is­so, a pe­na tri­pli­ca. Um pon­to clas­si­fi­ca­do co­mo “in­te­res­san­te” pe­lo ad­vo­ga­do Ira­puã San­ta­na, mas que o co­ro­nel apo­sen­ta­do da PM Adil­son Pa­es de Sou­za aler­ta pa­ra a ne­ces­si­da­de de ou­tra al­te­ra­ção, es­sa no Có­di­go Pe­nal Mi­li­tar. “É mui­to co­mum, e a Pon­te já deu vá­ri­as no­tí­ci­as a res­pei­to de gru­po de po­li­ci­ais mi­li­ta­res que di­vul­gam fo­tos das pes­so­as mor­tas, se exi­bin­do, con­tan­do van­ta­gem, rin­do, co­mo se fos­se um tro­féu a pes­soa mor­ta”, jus­ti­fi­ca.

Avaliação política

Se­gun­do a pre­si­den­te do gru­po de tra­ba­lho que ana­li­sou o Pa­co­te An­ti­cri­me na Câ­ma­ra, de­pu­ta­da Mar­ga­re­te Co­e­lho, ape­sar de to­dos os ajus­tes de re­da­ção fei­tos pe­los par­la­men­ta­res, o tex­to fi­nal con­ta com gran­de par­te das pro­pos­tas apre­sen­ta­das por Ser­gio Mo­ro e Ale­xan­dre de Mo­ra­es. “Fa­zen­do uma mé­dia, cer­ca de 75% foi apro­va­do. Só foi re­ti­ra­do o que era in­cons­ti­tu­ci­o­nal. O de­ba­te atu­al so­bre a pri­são em se­gun­da ins­tân­cia com­pro­va is­so. E mui­tos ajus­tes fo­ram de re­da­ção. Não foi re­ti­ra­da mui­ta coi­sa, o que acon­te­ce é que os pon­tos re­ti­ra­dos eram bem po­lê­mi­cos”, ar­gu­men­ta Mar­ga­re­te.

Lí­der da ban­ca­da da ba­la e re­la­tor do Pa­co­te An­ti­cri­me na Câ­ma­ra, o de­pu­ta­do Ca­pi­tão Au­gus­to (PL-​SP) faz es­se cál­cu­lo por ou­tro pon­to de vis­ta. Ele diz que os de­pu­ta­dos apro­va­ram cer­ca de 90% das pro­pos­tas de Ale­xan­dre de Mo­ra­es e só 65% das su­ges­tões de Ser­gio Mo­ro. “Tem uma cer­ta de­cep­ção por­que que­ría­mos apro­var o má­xi­mo pos­sí­vel. Mas en­ten­de­mos que há um jo­go po­lí­ti­co. É o má­xi­mo que po­día­mos avan­çar nes­te mo­men­to por­que, além do as­pec­to ju­rí­di­co, pe­sou o fa­to de ser o pa­co­te do mi­nis­tro Mo­ro, do go­ver­no Bol­so­na­ro”, ava­lia, su­ge­rin­do que a opo­si­ção olhou en­vi­e­sa­do pa­ra as pro­pos­tas de com­ba­te ao cri­me pe­lo fa­to de elas te­rem si­do apre­sen­ta­das pe­lo go­ver­no.

“De to­da for­ma, es­ta­mos avan­çan­do al­gu­mas pe­ças do ta­bu­lei­ro. Ago­ra va­mos avan­çar de 70% a 75%, mas ain­da te­mos três anos de man­da­to pa­ra ten­tar avan­çar, por tra­mi­ta­ção or­di­ná­ria, com os de­mais pro­je­tos”, mi­ni­mi­za o Ca­pi­tão Au­gus­to, que é ali­a­do do go­ver­no e, por is­so, pro­me­te ten­tar re­cu­pe­rar as pro­pos­tas de Mo­ro que fo­ram re­ti­ra­das do Pa­co­te An­ti­cri­me. Es­sa ten­ta­ti­va vai co­me­çar já nos pró­xi­mos di­as, quan­do o pa­co­te for vo­ta­do no ple­ná­rio da Câ­ma­ra por meio da apre­sen­ta­ção de des­ta­ques e vai con­ti­nu­ar, ca­so es­ses des­ta­ques não se­jam apro­va­dos, por meio da apre­sen­ta­ção de pro­je­tos de lei or­di­ná­ri­os.

Pontos do pacote anticrime que a bancada da bala vai tentar recuperar

En­tre as pro­pos­tas que a ban­ca­da da ba­la vai ten­tar re­to­mar es­tão o plea bar­gain, as au­di­ên­ci­as por vi­de­o­con­fe­rên­cia e a res­tri­ção da pro­gres­são pe­nal pa­ra os pre­sos li­ga­dos a or­ga­ni­za­ções cri­mi­no­sas. Pro­pos­tas que con­ti­nu­am sen­do de­fen­di­das pe­lo mi­nis­tro Ser­gio Mo­ro.

Des­de que re­ce­beu o re­la­tó­rio fi­nal do gru­po de tra­ba­lho do Pa­co­te An­ti­cri­me, na se­ma­na pas­sa­da, Mo­ro já se reu­niu du­as ve­zes com os de­pu­ta­dos pa­ra pe­dir a rein­clu­são das pro­pos­tas do go­ver­no que fo­ram re­jei­ta­das nos úl­ti­mos me­ses. O mi­nis­tro man­dou até um e-​mail pa­ra es­ses par­la­men­ta­res com a lis­ta dos ar­ti­gos que ele con­si­de­ra im­por­tan­te res­ga­tar.

Ques­ti­o­na­do so­bre o as­sun­to em uma des­sas vi­si­tas à Câ­ma­ra, Mo­ro não quis lis­tar es­ses ar­ti­gos e limitou-​se a ci­tar me­di­das de com­ba­te ao cri­me or­ga­ni­za­do. An­tes das po­lê­mi­cas em tor­no da se­gun­da ins­tân­cia e da ex­clu­den­te de ili­ci­tu­de, po­rém, ele já ha­via di­to que es­ses eram pon­tos ca­ros ao go­ver­no. Por is­so, por mais que a pri­são em se­gun­da ins­tân­cia já es­te­ja tra­mi­tan­do atra­vés de uma pro­pos­ta de emen­da à Cons­ti­tui­ção e que a ex­clu­den­te de ili­ci­tu­de te­nha vi­ra­do ob­je­to de um no­vo pro­je­to de lei, os as­sun­tos tam­bém po­dem vir à to­na na vo­ta­ção do Pa­co­te An­ti­cri­me.

A de­pu­ta­da Mar­ga­re­te Co­e­lho, que es­te­ve com Mo­ro nes­sas du­as oca­siões, ad­mi­te que a in­ten­ção do mi­nis­tro é res­ga­tar to­do o pro­je­to que o go­ver­no en­vi­ou ao Con­gres­so no iní­cio do ano, sem con­si­de­rar os ajus­tes re­a­li­za­dos pe­los de­pu­ta­dos nem o tex­to do mi­nis­tro Ale­xan­dre de Mo­ra­es. “Ele quer res­ta­be­le­cer o pro­je­to ini­ci­al, in­clu­si­ve a pri­são em se­gun­da ins­tân­cia”, ad­mi­te.

Pa­ra os de­pu­ta­dos da ba­se do go­ver­no, os pe­di­dos de Mo­ro fo­ram en­ten­di­dos e se­rão dis­cu­ti­dos an­tes da vo­ta­ção no ple­ná­rio. A “in­ter­fe­rên­cia” do mi­nis­tro no tra­ba­lho do Le­gis­la­ti­vo, con­tu­do, não foi bem re­ce­bi­da pe­la opo­si­ção.

Re­pre­sen­tan­te do PC­doB no gru­po de tra­ba­lho do Pa­co­te An­ti­cri­me, Or­lan­do Sil­va (SP) con­ta que a opo­si­ção vi­nha de­fen­den­do a apro­va­ção in­te­gral do re­la­tó­rio ela­bo­ra­do pe­lo gru­po já que, as­sim co­mo o go­ver­no, so­freu der­ro­tas mas tam­bém vi­tó­ri­as nos úl­ti­mos me­ses. Ao mes­mo tem­po em que ti­rou a ex­clu­den­te de ili­ci­tu­de e a pri­são em se­gun­da ins­tân­cia do tex­to, a opo­si­ção tam­bém pre­ci­sou abrir mão e acei­tar pon­tos co­mo o au­men­to do tem­po má­xi­mo de pri­são, por exem­plo. Es­sa es­tra­té­gia, po­rém, po­de ser al­te­ra­da ca­so o go­ver­no in­sis­ta em al­te­rar o pro­je­to.

“O re­sul­ta­do fi­nal do gru­po de tra­ba­lho é um re­la­tó­rio bas­tan­te equi­li­bra­do. Afi­nal, nós nos de­di­ca­mos por oi­to me­ses a um de­ba­te téc­ni­co e cui­da­do­so. Fi­ze­mos au­di­ên­ci­as pú­bli­cas, ou­vi­mos es­pe­ci­a­lis­tas e fi­ze­mos uma sé­rie de reu­niões pa­ra ava­li­ar item a item do pa­co­te. O mi­nis­tro Ale­xan­dre de Mo­ra­es en­ten­deu que foi um pro­ces­so de cons­tru­ção e apoi­ou es­se tra­ba­lho, em que pe­se o gru­po não ter as­si­mi­la­do tu­do que ele propôs. Já o mi­nis­tro Ser­gio Mo­ro to­mou uma ati­tu­de com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te. Ele ten­ta im­por à Câ­ma­ra a sua pro­pos­ta. In­sis­te na pri­são em se­gun­da ins­tân­cia, no plea bar­gain e em ou­tras idei­as que só ten­dem a agra­var o pro­ble­ma da se­gu­ran­ça no Bra­sil por­que a li­nha do mi­nis­tro é au­men­tar a po­pu­la­ção car­ce­rá­ria”, ava­lia o de­pu­ta­do pau­lis­ta.

“Di­fe­ren­te do Ale­xan­dre de Mo­ra­es, o Mo­ro não tem uma re­la­ção de res­pei­to com o Par­la­men­to e pro­põe um re­mé­dio que na ver­da­de é um ve­ne­no. En­tão, se o go­ver­no in­sis­tir no res­ga­te des­ses pon­tos eu te­nho a im­pres­são de que não ha­ve­rá con­sen­so nem pa­ra o re­que­ri­men­to de ur­gên­cia. O ris­co é nem ser vo­ta­do es­se pa­co­te”, aler­ta Or­lan­do Sil­va, di­zen­do que, se as pro­pos­tas re­jei­ta­das pe­lo gru­po de tra­ba­lho vol­ta­rem ao tex­to, o pa­co­te te­rá um sen­ti­do in­ver­so ao com­ba­te ao cri­me. “Os pró­pri­os es­pe­ci­a­lis­tas di­zem que são me­di­das ine­fi­ci­en­tes”, acres­cen­ta.

Mar­ga­re­te Co­e­lho tam­bém acre­di­ta ser in­viá­vel acei­tar tu­do o que o mi­nis­tro da Jus­ti­ça e Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca propôs. “Apre­sen­ta­mos um re­sul­ta­do mui­to ma­du­ro. En­tão, não acre­di­to na pos­si­bi­li­da­de de al­guns pon­tos se­rem res­ga­ta­dos. Se­ria jo­gar no li­xo to­do o tra­ba­lho que foi fei­to. Is­so não se­rá pos­sí­vel, pois a Câ­ma­ra é is­so. Nun­ca um pro­je­to de lei che­gou aqui pa­ra não ter emen­da ou um aper­fei­ço­a­men­to”, lem­bra.

A de­pu­ta­da afir­ma que o gru­po con­se­guiu cri­ar um sen­ti­men­to de par­ce­ria du­ran­te os oi­to me­ses de tra­ba­lho, ape­sar das di­ver­gên­ci­as ide­o­ló­gi­cas e der­ro­tas so­fri­das tan­to pe­la opo­si­ção quan­to pe­lo go­ver­no. Ela ad­mi­te, no en­tan­to, que mes­mo as­sim os de­pu­ta­dos es­tão ava­li­an­do as pon­de­ra­ções de Mo­ro e vão vol­tar a se reu­nir na pró­xi­ma terça-​feira (26/​11), an­tes de o pa­co­te ir ao ple­ná­rio, pa­ra ten­tar che­gar a um con­sen­so so­bre os pe­di­dos do mi­nis­tro e de­ci­dir se o tex­to so­fre­rá mais al­gu­ma al­te­ra­ção an­tes de ser vo­ta­do pe­los de­mais de­pu­ta­dos.

Ca­so eles não che­guem a um con­sen­so, a opo­si­ção po­de obs­truir a vo­ta­ção do re­que­ri­men­to de ur­gên­cia que o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia, pro­me­teu in­cluir na pau­ta des­ta se­ma­na. Se apro­va­do, o re­que­ri­men­to per­mi­te que o pro­je­to não pre­ci­se pas­sar por uma co­mis­são an­tes de ir ao ple­ná­rio e se­ja vo­ta­do já nos pró­xi­mos di­as. A ba­se do go­ver­no, por sua vez, es­tá con­fi­an­te e acre­di­ta que o Pa­co­te An­ti­cri­me se­rá apro­va­do nas pró­xi­mas se­ma­nas.

Pa­ra vi­rar lei, con­tu­do, o pro­je­to ain­da pre­ci­sa­rá ser ava­li­a­do pe­lo Se­na­do. Es­sa vo­ta­ção só de­ve acon­te­cer no pró­xi­mo ano, mas de­ve ser mais rá­pi­da que a da Câ­ma­ra, já que um gru­po re­pre­sen­ta­ti­vo de se­na­do­res apoia a pau­ta de com­ba­te ao cri­me e à cor­rup­ção.

Ma­ri­na Bar­bo­sa, Con­gres­so em Fo­co

Arthur Sta­bi­le, Pon­te Jor­na­lis­mo

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,