Ins­ta­la­da nes­sa quarta-​feira (27) com o ob­je­ti­vo de apu­rar a ori­gem das man­chas de óleo que po­lu­em as prai­as bra­si­lei­ras, a CPI do Óleo já co­me­ça a tra­ba­lhar nes­ta quinta-​feira (28). De­sig­na­do re­la­tor da Co­mis­são Par­la­men­tar de Inqué­ri­to (CPI), João Cam­pos (PSB-​PE) ex­pli­cou que os de­pu­ta­dos fa­rão um “in­ten­si­vo” nas pró­xi­mas se­ma­nas pa­ra co­me­çar a avan­çar com es­sa in­ves­ti­ga­ção an­tes mes­mo do re­ces­so par­la­men­tar do fi­nal do ano.

Adema/​Governo do Ser­gi­pe


Manchas de óleo contaminam praias do Nordeste

Nes­ta quin­ta, de­vem ser vo­ta­dos o pla­no de tra­ba­lho e os re­que­ri­men­tos da CPI, que pro­me­te fa­zer vi­si­tas ex­ter­nas, pro­cu­rar ór­gãos co­mo o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral e ou­vir au­to­ri­da­des co­mo o mi­nis­tro Ri­car­do Sal­les pa­ra iden­ti­fi­car e pu­nir os res­pon­sá­veis pe­lo der­ra­ma­men­to de óleo que já du­ra qua­se três me­ses.

Se­gun­do João Cam­pos, a CPI do Óleo te­rá três fren­tes de tra­ba­lho: “In­ves­ti­gar a ori­gem e o cul­pa­do pe­lo va­za­men­to de óleo, ava­li­ar as ações que fo­ram to­ma­das e as que dei­xa­ram de ser to­ma­das por par­te das au­to­ri­da­des fe­de­rais e fa­zer a me­lho­ria na le­gis­la­ção pa­ra tor­nar o Bra­sil um país mais pre­pa­ra­do pa­ra evi­tar no­vos de­sas­tres e, em acon­te­cen­do, es­tar pron­to pa­ra mi­ti­gar de ma­nei­ra mais cé­le­re”.

“Va­mos cons­truir um tra­ba­lho só­li­do, aci­ma de qual­quer ban­dei­ra par­ti­dá­ria. Aqui não vai ter go­ver­no ou opo­si­ção, vai ter quem es­tá dis­pos­to a pre­ser­var o meio am­bi­en­te e quer jus­ti­ça pa­ra pu­nir os cul­pa­dos. Nós te­mos que pu­nir os cul­pa­dos e co­brar que o nos­so pa­trimô­nio na­tu­ral se­ja pro­te­gi­do. E to­das as pes­so­as que so­fre­ram al­gum im­pac­to, se­ja so­ci­al ou econô­mi­co, de­vem ser res­sar­ci­das”, de­fen­deu o de­pu­ta­do per­nam­bu­ca­no, que foi o au­tor do pe­di­do de CPI e é fi­lho de Edu­ar­do Cam­pos.

Elei­to pre­si­den­te da CPI, o de­pu­ta­do Her­cu­la­no Pas­sos (MDB-​SP) é vice-​líder do go­ver­no e re­pre­sen­tan­te do tra­de tu­rís­ti­co na Câ­ma­ra, mas res­sal­ta que o de­ba­te se­rá apar­ti­dá­rio. “O Bra­sil quer uma res­pos­ta. Va­mos tra­ba­lhar pa­ra in­ves­ti­gar até as úl­ti­mas con­sequên­ci­as e pu­nir os pos­sí­veis cri­mi­no­sos que fi­ze­ram o Bra­sil per­der tan­to no tu­ris­mo e no meio am­bi­en­te”, pro­me­teu o de­pu­ta­do.

Ao con­trá­rio de João Cam­pos, que já cri­ti­cou as me­di­das de con­tro­le to­ma­das pe­lo go­ver­no de­pois do der­ra­ma­men­to de óleo, Her­cu­la­no Pas­sos dis­se que o go­ver­no ten­tou fa­zer a sua par­te nes­se de­sas­tre am­bi­en­tal. “O aci­den­te acon­te­ceu no dia 30 e no dia 2 o go­ver­no já es­ta­va tra­ba­lhan­do. Tem 2,7 mil mi­li­ta­res en­vol­vi­dos, na­vi­os, aviões. O go­ver­no ten­tou fa­zer a par­te de­le. Ago­ra nós va­mos fa­zer a nos­sa, por­que nos­sa obri­ga­ção co­mo par­la­men­tar é apro­var pro­je­to de lei e in­ves­ti­gar tam­bém”, dis­se.

João Cam­pos res­sal­tou que to­das as ações das au­to­ri­da­des se­rão in­ves­ti­ga­das pe­la CPI do Óleo. “Sa­be­mos que há di­ver­gên­cia de opi­nião. O cum­pri­men­to do Pla­no Na­ci­o­nal de Con­tin­gên­cia, por exem­plo, tem um ques­ti­o­na­men­to se foi cum­pri­do ou não, se só foi im­ple­men­ta­do 41 de­pois co­mo da­tam os ofí­ci­os do Mi­nis­té­rio. En­tão, to­das es­sas di­ver­gên­ci­as se­rão dis­cu­ti­das den­tro da Co­mis­são. A de­ci­são se­rá pe­la le­ga­li­da­de e o que não foi cum­pri­do se­rá cer­ta­men­te pu­ni­do”, afir­mou.

Pa­ra cum­prir to­dos es­sas me­tas den­tro do pra­zo re­gi­men­tal de 120 di­as úteis, pror­ro­gá­veis por mais 60 di­as, a CPI do Óleo pro­me­te fa­zer du­as reu­niões se­ma­nais e ter vá­ri­as fren­tes de tra­ba­lho. De um la­do, vai fa­zer vis­to­ri­as ex­ter­nas nos lo­cais atin­gi­dos pe­lo óleo e em ins­ti­tui­ções co­mo a Su­pe­rin­ten­dên­cia da Po­lí­cia Fe­de­ral do Rio Gran­de do Nor­te, que es­tá con­du­zin­do a in­ves­ti­ga­ção des­se ca­so. Os de­pu­ta­dos tam­bém pro­me­tem ou­vir e so­li­ci­tar do­cu­men­tos da Ma­ri­nha, do Mi­nis­té­rio do Meio Am­bi­en­te e do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral, que tam­bém es­tá in­ves­ti­gan­do o ca­so. Au­to­ri­da­des co­mo o mi­nis­tro do Meio Am­bi­en­te, Ri­car­do Sal­les, tam­bém de­vem ser con­vi­da­das ou até con­vo­ca­das se for pre­ci­so pa­ra apre­sen­tar ex­pli­ca­ções, as­sim co­mo es­pe­ci­a­lis­tas e es­tu­di­o­sos que têm acom­pa­nha­do o avan­ço do óleo.

Se­gun­do o Iba­ma, as man­chas de óleo que fo­ram iden­ti­fi­ca­das há qua­se três me­ses no li­to­ral do Nor­des­te e ain­da não ti­ve­ram sua ori­gem iden­ti­fi­ca­da já 779 lo­ca­li­da­des de 126 mu­ni­cí­pi­os. São no­ve es­ta­dos afe­ta­dos: to­dos os do Nor­des­te, o Es­pí­ri­to San­to e o Rio de Ja­nei­ro.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,