A PEC pa­ra­le­la da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia de­ve ser le­va­da em banho-​maria na Câ­ma­ra. Uma se­ma­na após ter si­do apro­va­do em se­gun­do tur­no pe­los se­na­do­res, o tex­to não ha­via che­ga­do, ao me­nos até on­tem, pa­ra aná­li­se dos de­pu­ta­dos. A pro­pos­ta não apa­re­ce en­tre as pri­o­ri­da­des do pre­si­den­te da Ca­sa, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), con­for­me mos­tra­mos nes­sa quarta-​feira (27). O cli­ma en­tre de­pu­ta­dos ou­vi­dos pe­lo Con­gres­so em Fo­co é de de­sin­te­res­se pe­la pro­pos­ta. En­quan­to is­so, al­guns es­ta­dos já se adi­an­ta­ram e en­vi­a­ram su­ges­tões de re­for­ma pa­ra as res­pec­ti­vas as­sem­blei­as le­gis­la­ti­vas.

Agên­cia Se­na­do


PEC paralela foi acertada entre Davi Alcolumbre, Simone Tebet e Tasso Jereissati no Senado

A ava­li­a­ção en­tre eles é que o tex­to te­rá di­fi­cul­da­de pa­ra avan­çar em ano elei­to­ral, ca­so de 2020. Ain­da mais por tra­tar da in­clu­são de ser­vi­do­res es­ta­du­ais e mu­ni­ci­pais. En­tre eles, há quem ve­ja na in­clu­são de ou­tros as­sun­tos um di­fi­cul­ta­dor pa­ra a re­for­ma. O te­mor de que a pro­pos­ta fos­se en­ga­ve­ta­da na Câ­ma­ra foi o prin­ci­pal fa­tor le­van­ta­do por se­na­do­res da opo­si­ção no Se­na­do. Pa­ra eles, a pro­po­si­ção, ape­li­da­da de “PEC da Ba­le­la”, di­fi­cil­men­te se­rá apro­va­da pe­los de­pu­ta­dos.

O trio que co­man­dou a co­mis­são es­pe­ci­al se ar­ti­cu­la pa­ra re­as­su­mir o pro­ta­go­nis­mo. Eles ar­gu­men­tam que, co­mo o se­na­dor Tas­so Je­reis­sa­ti (PSDB-​CE), foi re­la­tor das du­as PECs, o mes­mo ra­ci­o­cí­nio de­ve ser apli­ca­do na Câ­ma­ra. Es­sa é a in­ten­ção dos de­pu­ta­dos Mar­ce­lo Ra­mos (PL-​AM) e Sil­vio Cos­ta Fi­lho (Republicanos-​PE), pre­si­den­te e vi­ce, e de Sa­mu­el Mo­rei­ra (PSDB-​SP), que re­la­tou a pro­pos­ta. Sa­mu­el não ad­mi­te o in­te­res­se em as­su­mir a re­la­to­ria.

“En­ten­de­mos que, de­pois de pas­sar pe­la CCJ, o tex­to se­ja ana­li­sa­do pe­la co­mis­são es­pe­ci­al da PEC prin­ci­pal. Mas a de­ci­são ca­be ao pre­si­den­te Ro­dri­go Maia, es­ta­mos le­van­do es­sa su­ges­tão a ele”, con­tou Mar­ce­lo ao Con­gres­so em Fo­co. Ele acre­di­ta que a no­va PEC en­fren­ta­rá me­nos di­fi­cul­da­de pa­ra ser apro­va­da, mas aler­ta pa­ra o ca­len­dá­rio elei­to­ral.

“Quan­to mais per­to da elei­ção, pi­or se­rá”, ava­lia. Nas úl­ti­mas elei­ções mu­ni­ci­pais cer­ca de 80 de­pu­ta­dos con­cor­re­ram a pre­fei­tu­ras.

Pa­ra o ex-​presidente da co­mis­são es­pe­ci­al, a ta­xa­ção do agro­ne­gó­cio se­rá um te­ma sen­sí­vel, de­vi­do à pres­são da ban­ca­da ru­ra­lis­ta. A PEC 133 es­ta­be­le­ce a co­bran­ça da con­tri­bui­ção pre­vi­den­ciá­ria nas ex­por­ta­ções agrí­co­las, que po­de ar­re­ca­dar, se­gun­do os cál­cu­los ini­ci­ais do re­la­tor, até R$ 60 bi­lhões em dez anos.

A ta­xa­ção é pa­ra quem ex­por­ta e não re­co­lhe so­bre a fo­lha de pa­ga­men­to, mas so­bre o fa­tu­ra­men­to, pro­ce­di­men­to co­mum pa­ra as cha­ma­das “ca­dei­as ver­ti­ca­li­za­das” que pro­du­zem, in­dus­tri­a­li­zam e ven­dem os pro­du­tos. “Se­rá di­fí­cil pas­sar”, pre­vê Mar­ce­lo Ra­mos.

“Em ra­zão das elei­ções e de ter si­do in­cha­da, a PEC pa­ra­le­la não de­ve avan­çar com fa­ci­li­da­de”, acre­di­ta Jú­lio Del­ga­do (PSB-​MG). “Até ho­je não che­gou aqui. Quan­do que­rem vo­tar, eles man­dam de uma ses­são pa­ra ou­tra”, ob­ser­va. “Vai de­man­dar mais con­ver­sa por cau­sa das elei­ções”, acres­cen­ta. Além de ter um trâ­mi­te na CCJ, te­rá de pas­sar por 40 ses­sões de dis­cus­são na co­mis­são es­pe­ci­al.

Re­la­tor da PEC prin­ci­pal, Sa­mu­el Mo­rei­ra en­ten­de que a PEC pa­ra­le­la te­rá de pas­sar por um gran­de de­ba­te ain­da. “Pre­fi­ro não me po­si­ci­o­nar por en­quan­to, até por­que co­nhe­ço pou­co o tex­to. Mas é fun­da­men­tal ou­vir­mos os es­ta­dos e os mu­ni­cí­pi­os e as li­de­ran­ças pa­ra ama­du­re­cer as mu­dan­ças que se­rão fei­tas. O as­sun­to não en­trou na pau­ta dos lí­de­res. Pa­ra es­te ano, não ve­jo chan­ce de vo­ta­ção”, adi­an­ta Sa­mu­el.

“O go­ver­no te­rá um gran­de tes­te na vo­ta­ção des­sa PEC e nas ou­tras três, dos Fun­dos, da Emer­gên­cia Fis­cal e a do Pac­to Fe­de­ra­ti­vo. Se­ria mais fá­cil se o pre­si­den­te aju­das­se, mas ele co­me­te um gran­de er­ro ao ten­si­o­nar as ins­ti­tui­ções de­mo­crá­ti­cas”, diz Raul Henry (MDB-​PE), vice-​governador de Per­nam­bu­co até o ano pas­sa­do.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,