O mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gue­des, afir­mou que o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro (Sem par­ti­do) apoia as re­for­mas econô­mi­cas pen­sa­das pe­la pas­ta, mas exis­te um pro­ble­ma de ti­ming, cau­sa­do pe­los pro­tes­tos em paí­ses latino-​americanos.

Mar­ce­lo Camargo/​Agência Bra­sil


O ministro da Economia, Paulo Guedes

Nas úl­ti­mas se­ma­nas, chi­le­nos, bo­li­vi­a­nos, co­lom­bi­a­nos e equa­to­ri­a­nos fo­ram às ru­as pe­dir mu­dan­ças na con­du­ção po­lí­ti­ca dos seus res­pec­ti­vos paí­ses. Em al­guns ca­sos, co­mo no Chi­le, as ma­ni­fes­ta­ções vi­e­ram acom­pa­nha­das de uma es­ca­la­da na vi­o­lên­cia, com mi­lha­res de pes­so­as de­ti­das e inú­me­ros ca­sos de abu­so por par­te de agen­tes do es­ta­do.

Em en­tre­vis­ta ao Glo­bo pu­bli­ca­da nes­te do­min­go (1),Guedes clas­si­fi­cou os atos nos paí­ses da Amé­ri­ca La­ti­na co­mo “con­fu­são”, “ba­gun­ça” e “de­sor­dem”. Se­gun­do o mi­nis­tro, as ma­ni­fes­ta­ções al­te­ra­ram o ti­ming po­lí­ti­co das re­for­mas.

“Se nós ace­le­rar­mos as re­for­mas ago­ra, os fru­tos es­ta­rão co­lhi­dos ali na fren­te. Mas di­go is­so co­mo eco­no­mis­ta. Ago­ra, tem tam­bém o pro­ces­sa­men­to po­lí­ti­co das re­for­mas. Nós es­tá­va­mos em um ca­mi­nho. E aí, de re­pen­te, co­me­ça a con­fu­são na Amé­ri­ca La­ti­na . Ba­gun­ça, de­sor­dem, aí o ti­ming po­li­ti­co co­me­ça a mu­dar”, dis­se.

Ques­ti­o­na­do es­pe­ci­fi­ca­men­te so­bre o an­da­men­to da re­for­ma Ad­mi­nis­tra­ti­va, o eco­no­mis­ta afir­mou que o pre­si­den­te a apoia, mas, nes­te mo­men­to, o go­ver­no não po­de­ria dar pre­tex­to pa­ra que fa­çam “quebra-​quebra na rua”.

Na segunda-​feira pas­sa­da (25), Gue­des dis­se que não é de se as­sus­tar que al­guém pe­ça a re­e­di­ção do Ato Ins­ti­tu­ci­o­nal 5 (AI-​5), o mais du­ro da di­ta­du­ra, com uma pos­sí­vel ra­di­ca­li­za­ção dos pro­tes­tos de rua no Bra­sil.

De acor­do com o mi­nis­tro, ele apoia a de­mo­cra­cia e foi mal in­ter­pre­ta­do. “Eu fa­lo: olha, eu de­fen­do a de­mo­cra­cia, te­mos que evi­tar a de­sor­dem. Aí dis­tor­cem uma de­fe­sa da de­mo­cra­cia em ata­que à de­mo­cra­cia. Eu fa­lo: te­mos um tra­ba­lho enor­me pe­la fren­te, não va­mos nos dei­xar des­vi­ar, te­mos os ex­tre­mos. Eu fa­lei de fa­tos, não in­ven­tei na­da”, co­men­tou.

Agenda econômica

Gue­des de­fen­de que, mes­mo com a de­sa­ce­le­ra­ção, a agen­da econô­mi­ca con­ti­nua em an­da­men­to. “O pac­to fe­de­ra­ti­vo tem três re­la­to­res tra­ba­lhan­do à má­xi­ma ca­pa­ci­da­de. Fo­ra is­so, a Câ­ma­ra tem uma agen­da for­tís­si­ma. O [pre­si­den­te da Câ­ma­ra] Ro­dri­go Maia es­tá man­dan­do o pro­je­to de lei do sa­ne­a­men­to , fei­to pe­lo [se­na­dor] Tas­so Je­reis­sa­ti, que é fun­da­men­tal. É uma das re­for­mas mais im­por­tan­tes pa­ra o país”, ex­pli­cou.

Já so­bre a re­for­ma tri­bu­tá­ria, Gue­des dis­se que a que­da do ex-​secretário es­pe­ci­al da Re­cei­ta Fe­de­ral Mar­cos Cin­tra atra­sou o an­da­men­to da pro­pos­ta, uma vez que o go­ver­no te­ve que refazê-​la, mas a pri­mei­ra fa­se da re­for­ma de­ve ser apre­sen­ta­da ain­da es­te ano.

“De­ve­mos apre­sen­tar ain­da es­te ano, den­tro de uma ou du­as se­ma­nas, a pri­mei­ra fa­se da tri­bu­tá­ria, que é a do IVA Du­al (ti­po de im­pos­to so­bre va­lor agre­ga­do). O (eco­no­mis­ta Ber­nard) Appy tam­bém ti­nha fei­to es­sa pro­pos­ta. A gen­te viu que é mais fá­cil en­cai­xar­mos is­so do que ten­tar­mos in­va­dir”, afir­mou.

“Se o go­ver­no fe­de­ral pro­pu­ser a ex­tin­ção do ISS (im­pos­to mu­ni­ci­pal) e do ICMS (es­ta­du­al) nu­ma pro­pos­ta, vai ser uma in­va­são de es­fe­ras de le­gis­la­ção. Ago­ra, se fi­zer­mos al­go que se­ja fa­cil­men­te aco­pla­do ao que os mu­ni­cí­pi­os de­se­jam, fi­ca me­lhor. Es­sa é uma agen­da pa­ra o ano que vem”, com­ple­tou.

Privatizações

O mi­nis­tro da Eco­no­mia afir­mou tam­bém que a agen­da de pri­va­ti­za­ções es­ta­va sen­do mais di­fí­cil que ele ima­gi­na­va, mas de­fen­deu que no pri­mei­ro ano as pri­va­ti­za­ções che­ga­ram a R$ 100 bi­lhões, mais que os R$ 80 bi pre­vis­tos.

De acor­do com ele, a de­ci­são do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) que de­fi­niu que as em­pre­sas sub­si­diá­ri­as po­de­ri­am ser ven­di­das sem o aval do Con­gres­so, mas a empresa-​mãe não, foi po­si­ti­vo, no sen­ti­do de de­fi­nir uma re­gra cla­ra.

“Nes­te pri­mei­ro ano, a me­ta era de R$ 80 bi­lhões por­que sa­bía­mos que se­ria di­fí­cil. En­tão, vol­tan­do à per­gun­ta: o ob­je­ti­vo de pri­va­ti­za­ção é di­fí­cil? Sim. Mais di­fí­cil do que eu es­pe­ra­va? Sim. De on­de es­tá vin­do a di­fi­cul­da­de? No pri­mei­ro ano cum­pri­mos a me­ta”, afir­mou.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,