O Con­se­lho Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça (CNJ) de­ci­diu nes­ta terça-​feira (3) pu­nir o juiz Glau­ce­nir de Oli­vei­ra, da Va­ra Cri­mi­nal de Cam­pos de Goy­ta­ca­zes (RJ), por cau­sa de um áu­dio de What­sApp em que ele acu­sou o mi­nis­tro Gil­mar Men­des, do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), de re­ce­ber pro­pi­na pa­ra con­ce­der ha­be­as cor­pus ao ex-​governador do Rio Anthony Ga­ro­ti­nho. O ca­so ocor­reu em 2017.

Mar­ce­lo Camargo/​Agência Bra­sil


Ministro do STF, Gilmar Mendes

Por mai­o­ria, os con­se­lhei­ros se­gui­ram o vo­to pro­fe­ri­do pe­lo pre­si­den­te, mi­nis­tro Di­as Tof­fo­li, pa­ra apli­car pe­na de dis­po­ni­bi­li­da­de ao ma­gis­tra­do, a se­gun­da mais gra­ve pre­vis­ta na Lei Or­gâ­ni­ca da Ma­gis­tra­tu­ra (Lo­man). Pe­la dis­po­ni­bi­li­da­de, o juiz fi­ca­rá dois anos afas­ta­do do car­go, mas te­rá di­rei­to a re­ce­ber sa­lá­rio pro­por­ci­o­nal ao tem­po de ser­vi­ço. A pe­na mais gra­ve é a apo­sen­ta­do­ria com­pul­só­ria.

Em um gru­po de juí­zes, Glau­ce­nir en­vi­ou uma men­sa­gem de áu­dio na qual di­zia que Men­des re­ce­be­ria uma quan­tia em es­pé­cie pa­ra cas­sar uma pri­são pre­ven­ti­va de Anthony Ga­ro­ti­nho em de­zem­bro de 2017. O po­lí­ti­co es­ta­va pre­so por or­dem do ma­gis­tra­do sob a acu­sa­ção de com­pra de vo­tos.

“A ma­la foi gran­de”, dis­se o ma­gis­tra­do no áu­dio. Ele dis­se ter re­ce­bi­do in­for­ma­ções de ter­cei­ros so­bre o pa­ga­men­to de pro­pi­na a Men­des. Glau­ce­nir acres­cen­tou ain­da que ou­tros mi­nis­tros do STF se “aco­var­dam” an­te as de­ci­sões do co­le­ga e con­cluiu afir­man­do que “vi­rar pa­lha­ço de cir­co do Gil­mar Men­des não tem con­di­ção”.

Em seu vo­to, Tof­fo­li clas­si­fi­cou a fa­la de Glau­ce­nir co­mo mui­to gra­ve e afir­mou que a de­cla­ra­ção atin­giu a dig­ni­da­de do STF. Pa­ra o mi­nis­tro, a re­tra­ta­ção fei­ta pe­lo juiz não foi su­fi­ci­en­te pa­ra re­pa­rar o da­no mo­ral cau­sa­do.

““Is­so não atin­ge só a pes­soa do mi­nis­tro que foi ata­ca­do. Ele [juiz] atin­giu to­da a ins­ti­tui­ção. Ve­ja que is­so ali­men­ta, se re­pe­te e nun­ca mais se con­se­gue ti­rar da in­ter­net. To­dos nós sa­be­mos dis­so, se eter­ni­za no tem­po”, afir­mou Tof­fo­li.

Du­ran­te o jul­ga­men­to, a de­fe­sa dis­se que Glau­ce­nir de Oli­vei­ra se re­tra­tou dos fa­tos e exer­ceu o exer­cí­cio do di­rei­to de ex­pres­são em um gru­po pri­va­do do apli­ca­ti­vo.

*In­for­ma­ções da Agên­cia Bra­sil

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,