Prin­ci­pal voz de de­fe­sa das pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia no Con­gres­so, a se­na­do­ra Ma­ra Ga­bril­li (PSDB-​SP) con­se­guiu an­ga­ri­ar o apoio de di­ver­sos par­la­men­ta­res pa­ra a ten­ta­ti­va de bar­rar o pro­je­to de lei do go­ver­no fe­de­ral que po­de re­du­zir o aces­so de pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia ao mer­ca­do de tra­ba­lho. A se­na­do­ra, que é te­tra­plé­gi­ca, ar­ti­cu­lou a re­ti­ra­da da ur­gên­cia do pro­je­to e ain­da re­ce­beu o com­pro­mis­so de “apoio in­te­gral a es­sa agen­da” do pre­si­den­te do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-​AP).

Ro­que de Sá/​Agência Se­na­do


Mara Gabrilli recebe o apoio de deputados e senadores na sessão do Congresso

O apoio veio de­pois que a se­na­do­ra fez um dis­cur­so emo­ci­o­na­do du­ran­te a ses­são do Con­gres­so des­ta terça-​feira (3) di­zen­do que a me­di­da é um re­tro­ces­so e vai acen­tu­ar a ex­clu­são das pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia ao al­te­rar a Lei de Co­tas. “Sin­to mui­to, Go­ver­no Bol­so­na­ro, não tem primeira-​dama que ex­pli­que is­so, nem na Lín­gua Bra­si­lei­ra de Si­nais. Re­ti­re es­se pro­je­to e va­mos cons­truir um pro­je­to jun­tos!”, re­cla­mou a se­na­do­ra, que con­cluiu sua fa­la sob aplau­sos. Ve­ja o de­poi­men­to de Ma­ra Ga­bril­li:

Senadora Mara discursa em plenário da Câmara dos Deputados contra o PL 6159/2019: não ao desmonte da Lei de Cotas!

“Ho­je, que se­ria um dia pa­ra co­me­mo­rar­mos o nos­so pro­gres­so, en­quan­to ou­tros paí­ses es­tão co­me­mo­ran­do a in­clu­são — Desculpem-​me! Desculpe-​me, Ro­gé­rio Ma­ri­nho! Desculpe-​me, Bru­no Bi­an­co! Desculpe-​me, Pau­lo Gue­des! —, o que es­ta­mos fa­zen­do é cho­ran­do por­que es­ta­mos dan­do um pas­so de re­tro­ces­so, por­que es­ta­mos dan­do um pas­so pa­ra a ex­clu­são, por­que es­te pro­je­to que che­gou na Ca­sa es­ta se­ma­na, jus­to na Se­ma­na Na­ci­o­nal da Pes­soa com De­fi­ci­ên­cia, é um pro­je­to que vai des­mo­ro­nar a Lei de Co­tas, que há du­as dé­ca­das vem co­lo­can­do pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia no mer­ca­do de tra­ba­lho, fa­zen­do es­sas pes­so­as vi­ra­rem con­tri­buin­tes, fa­zen­do es­sas pes­so­as saí­rem, mui­tas ve­zes, da as­sis­tên­cia so­ci­al pa­ra vi­ra­rem con­tri­buin­tes bra­si­lei­ros”, dis­cur­sou Ma­ra Ga­bril­li.

Ela ain­da re­fu­tou a te­se do go­ver­no de que a Lei de Co­tas, que pe­de pa­ra em­pre­sas com cem ou mais fun­ci­o­ná­ri­os pre­en­che­rem de 2% a 5% das su­as va­gas de tra­ba­lho com pro­fis­si­o­nais re­a­bi­li­ta­dos ou pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia, não po­de ser cum­pri­da. O pro­je­to de lei de au­to­ria do go­ver­no Bol­so­na­ro diz que só me­ta­de das 768 mil va­gas as­se­gu­ra­das por lei e, por is­so, pro­põe ou­tras me­di­das de in­clu­são.

O pro­je­to su­ge­re, por exem­plo, que as em­pre­sas que não cum­pri­rem a Lei de Co­tas po­de­ri­am dar uma con­tri­bui­ção fi­nan­cei­ra a um fun­do que se­rá ge­ri­do pe­lo Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia com o in­tui­to de pro­mo­ver ações de ha­bi­li­ta­ção e re­a­bi­li­ta­ção dos tra­ba­lha­do­res li­ga­dos ao Re­gi­me Ge­ral de Pre­vi­dên­cia So­ci­al. Es­pe­ci­a­lis­tas di­zem, por sua vez, que nem to­dos as pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia es­tão nes­se re­gi­me, so­bre­tu­do por­que mui­tas de­las nun­ca te­ve a opor­tu­ni­da­de de tra­ba­lhar.

A se­na­do­ra ain­da ga­ran­te que es­sas pes­so­as não es­tão fo­ra do mer­ca­do de tra­ba­lho por­que que­rem ou por­que não são qua­li­fi­ca­das, mas por­que ain­da so­frem pre­con­cei­to por par­te das em­pre­sas. “Con­se­gui­mos pre­en­cher du­as leis de co­tas só com as pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia que têm cur­so su­pe­ri­or. Mas, in­fe­liz­men­te, as em­pre­sas não con­se­guem con­tra­tar por­que só ofer­tam car­gos, por exem­plo, de ope­ra­dor de te­le­mar­ke­ting. Não des­de­nhan­do des­ses car­gos, mas as pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia já têm mui­ta ca­pa­ci­da­de pa­ra pro­du­zir nes­te País”, ale­gou a par­la­men­tar, acres­cen­tan­do que 98% das pes­so­as acre­di­ta na lei de co­tas, tan­to que mais de 50% das que es­tão que es­tão de­sem­pre­ga­das es­tão pro­cu­ran­do tra­ba­lho.

“Co­mo que um go­ver­no que tem co­mo Primeira-​Dama que fez o dis­cur­so em Lín­gua Bra­si­lei­ra de Si­nais na pos­se do Pre­si­den­te vai per­mi­tir que is­so se­ja fei­to com a pes­soa com de­fi­ci­ên­cia? Em vez de as em­pre­sas con­tra­ta­rem a pes­soa com de­fi­ci­ên­cia, pa­ga­rão pa­ra o Go­ver­no, e a pes­soa com de­fi­ci­ên­cia con­ti­nu­a­rá ex­cluí­da”, pro­vo­cou a se­na­do­ra, que, des­sa for­ma, con­se­guiu apoio dos par­la­men­ta­res que ain­da não ha­vi­am se de­bru­ça­do so­bre es­sa ma­té­ria. “Vos­sa Ex­ce­lên­cia traz à ses­são do Con­gres­so Na­ci­o­nal um te­ma que mui­tas ve­zes pas­sa des­per­ce­bi­do di­an­te de to­dos nós. Vos­sa Ex­ce­lên­cia faz um dis­cur­so e cha­ma a aten­ção do Go­ver­no Fe­de­ral pa­ra es­se as­sun­to. Um as­sun­to que in­co­mo­da to­dos nós”, dis­se, por exem­plo, Al­co­lum­bre.

An­tes dis­so, Ma­ra Ga­bril­li já ha­via con­se­gui­do ar­ti­cu­lar, com o apoio da ban­ca­da do PSDB na Câ­ma­ra, a re­ti­ra­da do re­gi­me de ur­gên­cia do PL 6159/​2019. De acor­do com es­se re­gi­me, o pro­je­to de­ve­ria ser vo­ta­do em ape­nas 45 di­as na Câ­ma­ra e em mais 45 di­as no Se­na­do. Ela diz, con­tu­do, que não vai pa­rar por aí, por­que ago­ra quer re­ti­rar a pro­pos­ta da pau­ta do Con­gres­so.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,