O mi­nis­tro da Edu­ca­ção, Abraham Wein­traub, te­rá de ex­pli­car aos de­pu­ta­dos nes­ta se­ma­na por que acu­sou uni­ver­si­da­des fe­de­rais de cul­ti­va­rem plan­ta­ções de ma­co­nha e pro­du­zi­rem dro­gas sin­té­ti­cas. Wein­traub foi con­vo­ca­do pe­la Co­mis­são de Edu­ca­ção, por 24 vo­tos a oi­to. A au­di­ên­cia es­tá pre­vis­ta pa­ra a pró­xi­ma quarta-​feira (11).

Youtube/​Reprodução


"São plantações extensivas de algumas universidades, a ponto de ter borrifador de agrotóxico", diz o ministro, sem apresentar provas

As afir­ma­ções do mi­nis­tro fo­ram fei­tas em en­tre­vis­ta ao Jor­nal da Ci­da­de On­li­ne. “Vo­cê tem plan­ta­ções de ma­co­nha, mas não são três pés de ma­co­nha, são plan­ta­ções ex­ten­si­vas de al­gu­mas uni­ver­si­da­des, a pon­to de ter bor­ri­fa­dor de agro­tó­xi­co. Por­que or­gâ­ni­co é bom con­tra a so­ja pa­ra não ter agroin­dús­tria no Bra­sil, mas na ma­co­nha de­les eles que­rem to­da tec­no­lo­gia à dis­po­si­ção”, dis­se.

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, em entrevista ao Jornal da Cidade Online

Au­to­ra de um dos re­que­ri­men­tos de con­vo­ca­ção do mi­nis­tro, a de­pu­ta­da Mar­ga­ri­da Sa­lo­mão (PT-​MG), co­or­de­na­do­ra da Fren­te Par­la­men­tar pe­la Va­lo­ri­za­ção das Uni­ver­si­da­des Fe­de­rais, dis­se que as acu­sa­ções são ir­res­pon­sá­veis. Wein­traub não in­for­mou em qual ins­ti­tui­ção es­ta­ria ocor­ren­do es­se ti­po de cri­me.

“O mi­nis­tro te­rá a opor­tu­ni­da­de de ex­pli­car a to­dos os par­la­men­ta­res es­sas in­for­ma­ções des­pro­po­si­ta­das que vem fa­zen­do a res­pei­to das uni­ver­si­da­des bra­si­lei­ras. Va­mos que­rer sa­ber on­de tem plan­tio de ma­co­nha, on­de tem fa­bri­ca­ção de dro­gas, on­de es­tá a bal­búr­dia”, afir­mou a de­pu­ta­da.

Wein­traub ain­da acu­sou la­bo­ra­tó­ri­os de quí­mi­ca de pro­du­zi­rem me­tan­fe­ta­mi­na. “Vo­cê pe­ga la­bo­ra­tó­ri­os de quí­mi­ca - uma fa­cul­da­de de quí­mi­ca não era um cen­tro de dou­tri­na­ção - de­sen­vol­ven­do dro­gas sin­té­ti­cas, me­tan­fe­ta­mi­na, e a po­lí­cia não po­de en­trar nos cam­pi”, de­cla­rou. Na mes­ma en­tre­vis­ta, o mi­nis­tro clas­si­fi­cou as uni­ver­si­da­des de “ma­dra­ças (es­co­las mu­çul­ma­nas) de dou­tri­na­ção”. Se­gun­do ele, a saí­da é re­du­zir o “po­der ab­so­lu­to e he­gemô­ni­co” das fe­de­rais.

Na se­ma­na pas­sa­da a As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal dos Di­ri­gen­tes das Ins­ti­tui­ções Fe­de­rais de En­si­no Su­pe­ri­or (An­di­fes) en­trou com uma ação con­tra Wein­traub na Jus­ti­ça Fe­de­ral. A en­ti­da­de pe­de que ele apre­sen­te pro­vas que sus­ten­tem su­as de­cla­ra­ções, in­for­ma­ções so­bre a quem elas fo­ram es­pe­ci­fi­ca­men­te di­ri­gi­das. Tam­bém co­bra quais fo­ram as pro­vi­dên­ci­as to­ma­das pe­lo MEC nos ca­sos di­vul­ga­dos e uma pos­sí­vel re­tra­ta­ção do mi­nis­tro. Se­gun­do a An­di­fes, as ma­ni­fes­ta­ções da­das po­dem ge­rar con­sequên­ci­as ci­vis pa­ra a União e ci­vis e cri­mi­nais pa­ra Wein­traub.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,