A de­ci­são do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção (MEC) de não re­no­var o con­tra­to da TV Es­co­la pe­gou mal até en­tre os elei­to­res de Jair Bol­so­na­ro e os se­gui­do­res de Ola­vo de Car­va­lho que apoi­a­vam o mi­nis­tro Abraham Wein­traub. E, se­gun­do a As­so­ci­a­ção de Co­mu­ni­ca­ção Edu­ca­ti­va Ro­quet­te Pin­to (Acerp), que ge­ria a TV Es­co­la até ser “des­pe­ja­da” do pré­dio do MEC nes­ta se­ma­na, foi jus­ti­fi­ca­da com ar­gu­men­tos or­ça­men­tá­ri­os du­vi­do­sos: “O MEC mis­tu­rou nú­me­ros pa­ra con­fun­dir o po­vo bra­si­lei­ro”, acu­sa a Ro­quet­te Pin­to, que res­sal­ta es­tar ali­nha­da à po­lí­ti­ca edu­ca­ci­o­nal do go­ver­no Bol­so­na­ro.

Re­pro­du­ção


O ministro da Educação, Abraham Weintraub

No­ta di­vul­ga­da pe­la Ro­quet­te Pin­to nes­se sá­ba­do (14), um dia de­pois de Wein­traub bater-​boca com se­gui­do­res bol­so­na­ris­tas no Twit­ter, diz que “a pro­pos­ta de um no­vo con­tra­to com a ACERP pre­via um in­ves­ti­men­to ao re­dor de R$ 70 mi­lhões por ano na TV Es­co­la, mui­to pró­xi­mo do va­lor pre­vis­to pa­ra 2019, quan­tia es­sa que com­pro­me­te ape­nas 0,06% do or­ça­men­to do MEC pre­vis­to pa­ra es­te ano, se­gun­do o Por­tal da Trans­pa­rên­cia”.

“Os con­se­lhei­ros do Mi­nis­té­rio, em uma reu­nião no mês de no­vem­bro, vo­ta­ram a fa­vor da re­no­va­ção com es­se mes­mo va­lor”, acres­cen­ta a as­so­ci­a­ção, que ain­da afir­mou: “Im­por­tan­te des­ta­car que o MEC, com or­ça­men­to de R$ 148 bi­lhões, lan­ça, no iní­cio de de­zem­bro, o pro­gra­ma de Li­te­ra­cia Fa­mi­li­ar, uma das prin­ci­pais e úni­cas en­tre­gas da equi­pe mi­nis­te­ri­al atu­al. A pro­du­ção dos ví­de­os foi fei­ta pe­la TV ESCOLA, sem cus­to ex­tra ao mi­nis­té­rio, o que é mais uma van­ta­gem do mo­de­lo de Or­ga­ni­za­ção So­ci­al”.

Wein­traub, por sua vez, dis­se no Twit­ter que es­se va­lor de R$ 70 milhões/​ano só se­ria ob­ti­do se o con­tra­to com a Ro­quet­te Pin­to fos­se re­du­zi­do pe­la me­ta­de. “Dei­xo cla­ro: de­fen­do re­du­zir o Es­ta­do. Já pa­ga­mos mui­to im­pos­to. O con­tra­to, cain­do pe­la me­ta­de, era de R$ 350 mi­lhões por 5 anos. Tem coi­sa me­lhor a fa­zer com es­se di­nhei­ro. O dia que não ti­ver, corte-​se im­pos­tos”, es­cre­veu o mi­nis­tro ao ten­tar jus­ti­fi­car a não re­no­va­ção do con­tra­to da TV Es­co­la em uma dis­cus­são nas re­des so­ci­ais.

Alinhamento ideológico

A Ro­quet­te Pin­to ain­da diz que não há mo­ti­vos ide­o­ló­gi­cos pa­ra o MEC sus­pen­der o con­tra­to da TV Es­co­la. A as­so­ci­a­ção ex­pli­ca que “es­tá ali­nha­da com o go­ver­no Bol­so­na­ro e de­fen­de os va­lo­res do po­vo bra­si­lei­ro, in­clu­si­ve ao bus­car le­var uma no­va pro­gra­ma­ção que aten­da as ex­pec­ta­ti­vas e os sen­ti­men­tos da na­ção bra­si­lei­ra”. Pro­va dis­so é que, pou­co an­tes da no­tí­cia de que não te­ria o con­tra­to re­no­va­do, a TV Es­co­la uma sé­rie que con­ta­va com a par­ti­ci­pa­ção de Ola­vo de Car­va­lho - es­te foi o prin­ci­pal mo­ti­vo, por si­nal de os ola­vis­tas cri­ti­ca­rem Wein­traub pe­lo fim do con­tra­to.

“A atu­al equi­pe da cen­te­ná­ria As­so­ci­a­ção Ro­quet­te Pin­to re­for­ça pu­bli­ca­men­te o com­pro­mis­so com o Pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro de co­lo­car o ‘Bra­sil aci­ma de tu­do’ e con­ti­nu­ar tra­ba­lhan­do per­ma­nen­te­men­te com o so­nho de me­lho­rar a vi­da das pes­so­as por meio da apren­di­za­gem”, ga­ran­te a or­ga­ni­za­ção, que ain­da lis­ta os im­pac­tos do fim do con­tra­to da TV Es­co­la.

“A ACERP não pro­duz ape­nas con­teú­do edu­ca­ti­vo, mas tam­bém de ca­pa­ci­ta­ção de pro­fes­so­res e de en­si­no à dis­tân­cia, es­sen­ci­al no con­tex­to de am­pli­ar a edu­ca­ção ao re­du­zir cus­tos fi­nan­cei­ros de de­ze­nas ou cen­te­nas de mi­lhões. Por­tan­to, é in­ques­ti­o­ná­vel que um ca­nal de co­mu­ni­ca­ção de edu­ca­ção co­mo a TV Es­co­la es­te­ja den­tro do con­tex­to de le­var o en­si­no aos qua­tro can­tos do Bra­sil”, res­sal­ta, di­zen­do que a de­ci­são do MEC ain­da vai afe­tar a “TV INES, que tem 100% do con­teú­do na Lín­gua Bra­si­lei­ra de Si­nais (LIBRAS). “Es­sa TV é re­fe­rên­cia en­tre a co­mu­ni­da­de sur­da do Bra­sil, que vem ga­nhan­do des­ta­que com o be­lo tra­ba­lho em de­fe­sa da aces­si­bi­li­da­de fei­to pe­la Primeira-​Dama Mi­chel­le Bol­so­na­ro”, res­sal­ta.

Pro­cu­ra­do, o Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção in­for­mou ape­nas que “o con­tra­to de ges­tão com a As­so­ci­a­ção de Co­mu­ni­ca­ção Edu­ca­ti­va Ro­quet­te Pin­to (Acerp), res­pon­sá­vel por ge­rir a TV Es­co­la, en­cer­ra no fim des­te ano e não se­rá re­no­va­do”. O mi­nis­té­rio ad­mi­tiu, por sua vez, que “es­tu­da a pos­si­bi­li­da­de de as ati­vi­da­des do ca­nal se­rem exer­ci­das por ou­tra ins­ti­tui­ção da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca”.

Veja a íntegra da nota da Associação Roquette Pinto:

“RESPOSTA AO MEC – ENCERRAMENTO DE GESTÃO DA TV ESCOLA

O Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção (MEC) de­ci­diu não re­no­var o con­tra­to de ges­tão da TV Es­co­la com a ACERP (As­so­ci­a­ção de Co­mu­ni­ca­ção Edu­ca­ti­va Ro­quet­te Pin­to), o que re­per­cu­tiu for­te­men­te na mí­dia e nas re­des so­ci­ais, ge­ran­do in­ver­da­des que pre­ci­sam ser des­men­ti­das.

A di­re­to­ria atu­al, elei­ta em fe­ve­rei­ro de 2019, es­tá ali­nha­da com o go­ver­no Bol­so­na­ro e de­fen­de os va­lo­res do po­vo bra­si­lei­ro, in­clu­si­ve ao bus­car le­var uma no­va pro­gra­ma­ção que aten­da as ex­pec­ta­ti­vas e os sen­ti­men­tos da na­ção bra­si­lei­ra.

Ape­sar do pro­ces­so de re­no­va­ção ter apa­ren­te­men­te cor­ri­do nor­mal­men­te, mes­mo com si­lên­cio do MEC por al­guns me­ses, hou­ve uma de­ci­são abrup­ta de não re­no­va­ção, 18 di­as an­tes do en­cer­ra­men­to do con­tra­to. An­tes dis­so, mes­mo com o pro­ces­so em an­da­men­to, des­pe­ja­ram a pro­du­ção da TV que fi­ca no pré­dio do mi­nis­té­rio es­pe­ci­al­men­te pa­ra co­brir as ati­vi­da­des do go­ver­no.

Cer­ta­men­te o ato de não re­no­var o con­tra­to pe­gou os in­te­gran­tes da ACERP de sur­pre­sa, po­rém a mai­or pre­o­cu­pa­ção da As­so­ci­a­ção é a pos­sí­vel in­ter­rup­ção re­pen­ti­na das ati­vi­da­des da TV Es­co­la, pla­ta­for­ma vol­ta­da não so­men­te a alu­nos, mas tam­bém a pro­fes­so­res e ges­to­res, que pas­sa­ram a ter aces­so a uma no­va vi­são de edu­ca­ção; e da TV INES, de­di­ca­da à co­mu­ni­da­de sur­da do Bra­sil, com con­teú­do 100% em LIBRAS.

Lem­bra­mos que a ACERP não pro­duz ape­nas con­teú­do edu­ca­ti­vo, mas tam­bém de ca­pa­ci­ta­ção de pro­fes­so­res e de en­si­no à dis­tân­cia, es­sen­ci­al no con­tex­to de am­pli­ar a edu­ca­ção ao re­du­zir cus­tos fi­nan­cei­ros de de­ze­nas ou cen­te­nas de mi­lhões. Por­tan­to, é in­ques­ti­o­ná­vel que um ca­nal de co­mu­ni­ca­ção de edu­ca­ção co­mo a TV Es­co­la es­te­ja den­tro do con­tex­to de le­var o en­si­no aos qua­tro can­tos do Bra­sil.

A mar­ca TV ESCOLA não se con­fun­de com o CANAL te­le­vi­si­vo (si­nal), de mo­do que é le­gal­men­te ab­sur­da a afir­ma­ção de que o MEC irá “con­ti­nu­ar a TV ESCOLA”. De fa­to, ocor­re­rá po­ten­ci­al “re­pas­se de ser­vi­ços” pe­lo Mi­nis­té­rio, por meio de pro­ce­di­men­to ad­mi­nis­tra­ti­vo e, tratando-​se de en­ti­da­de pú­bli­ca, tem a ne­ces­si­da­de de ex­pli­ca­ção or­ça­men­tá­ria es­pe­cí­fi­ca pa­ra o Tri­bu­nal de Con­tas da União, em tem­po re­cor­de (com le­ga­li­da­de dis­cu­tí­vel) de al­gu­mas se­ma­nas ou me­ses.

No to­can­te ao as­pec­to fi­nan­cei­ro, o MEC mis­tu­rou nú­me­ros pa­ra con­fun­dir o po­vo bra­si­lei­ro. A pro­pos­ta de um no­vo con­tra­to com a ACERP pre­via um in­ves­ti­men­to ao re­dor de R$ 70 mi­lhões por ano na TV Es­co­la, mui­to pró­xi­mo do va­lor pre­vis­to pa­ra 2019, quan­tia es­sa que com­pro­me­te ape­nas 0,06% do or­ça­men­to do MEC pre­vis­to pa­ra es­te ano, se­gun­do o Por­tal da Trans­pa­rên­cia. Os con­se­lhei­ros do Mi­nis­té­rio, em uma reu­nião no mês de no­vem­bro, vo­ta­ram a fa­vor da re­no­va­ção com es­se mes­mo va­lor. Ca­be des­ta­car que nes­te ano de 2019 o MEC cor­tou qua­se 50% do re­pas­se pre­vis­to pa­ra o pe­río­do.

Quan­to ao CONSELHO DA ACERP, o MEC pos­sui in­fluên­cia e vo­tos, en­tre­tan­to, por omis­são in­jus­ti­fi­ca­da, le­vou mais de 5 me­ses pa­ra in­di­car os seus con­se­lhei­ros, o que atra­sou e di­fi­cul­tou se­ri­a­men­te a so­lu­ção de vá­ri­os ele­men­tos de or­dem in­ter­na des­ta en­ti­da­de. Reitera-​se que a mai­o­ria dos mem­bros po­de ser tro­ca­da a qual­quer tem­po, mes­mo com o man­da­to.

No que tan­ge à qua­li­da­de, a TV Es­co­la pos­sui uma sé­rie de prê­mi­os, in­clu­si­ve in­ter­na­ci­o­nais; uma au­di­ên­cia mai­or que as TVs do go­ver­no e mai­or do que a do ca­nal Fu­tu­ra; tu­do is­so, com cus­to bem me­nor. Em mo­men­to al­gum do pre­sen­te exer­cí­cio do Con­tra­to de Ges­tão hou­ve qual­quer do­cu­men­to do MEC ma­ni­fes­tan­do a in­sa­tis­fa­ção com a qua­li­da­de dos pro­gra­mas. Pe­lo con­trá­rio, a Co­mis­são de Ava­li­a­ção (com­pos­ta por mem­bros das se­cre­ta­ri­as do MEC) apro­vou com uma no­ta 9,85 (a má­xi­ma é 10) os di­ver­sos in­di­ca­do­res e pa­râ­me­tros de qua­li­da­de pre­vis­tos e exi­gi­dos no Con­tra­to de Ges­tão.

Im­por­tan­te des­ta­car que o MEC, com or­ça­men­to de R$ 148 bi­lhões, lan­ça, no iní­cio de de­zem­bro, o pro­gra­ma de Li­te­ra­cia Fa­mi­li­ar, uma das prin­ci­pais e úni­cas en­tre­gas da equi­pe mi­nis­te­ri­al atu­al. A pro­du­ção dos ví­de­os foi fei­ta pe­la TV ESCOLA, sem cus­to ex­tra ao mi­nis­té­rio, o que é mais uma van­ta­gem do mo­de­lo de Or­ga­ni­za­ção So­ci­al.

In­fe­liz­men­te, o fim do con­tra­to não atin­ge ape­nas a TV Es­co­la. A Ci­ne­ma­te­ca Bra­si­lei­ra, da Se­cre­ta­ria Es­pe­ci­al de Cul­tu­ra, com o mai­or acer­vo de fil­mes e do­cu­men­tos re­la­ci­o­na­dos da Amé­ri­ca La­ti­na, tam­bém sai da ad­mi­nis­tra­ção da ACERP, que vem de­sem­pe­nhan­do um óti­mo tra­ba­lho na res­tau­ra­ção e pre­ser­va­ção da me­mó­ria au­di­o­vi­su­al na­ci­o­nal. Além dis­so, a TV INES, com 100% do con­teú­do em LIBRAS, a Lín­gua Bra­si­lei­ra de Si­nais, se­rá afe­ta­da. Es­sa TV é re­fe­rên­cia en­tre a co­mu­ni­da­de sur­da do Bra­sil, que vem ga­nhan­do des­ta­que com o be­lo tra­ba­lho em de­fe­sa da aces­si­bi­li­da­de fei­to pe­la Primeira-​Dama Mi­chel­le Bol­so­na­ro.

Por fim, a atu­al equi­pe da cen­te­ná­ria As­so­ci­a­ção Ro­quet­te Pin­to re­for­ça pu­bli­ca­men­te o com­pro­mis­so com o Pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro de co­lo­car o “Bra­sil aci­ma de tu­do” e con­ti­nu­ar tra­ba­lhan­do per­ma­nen­te­men­te com o so­nho de me­lho­rar a vi­da das pes­so­as por meio da apren­di­za­gem.”

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,