A Jus­ti­ça Fe­de­ral em São Pau­lo de­ci­diu que pes­so­as res­ga­ta­das em con­di­ções aná­lo­gas à es­cra­vi­dão te­rão di­rei­to ao seguro-​desemprego. A de­ci­são (ín­te­gra) foi as­si­na­da nes­ta quinta-​feira (18) e va­le­rá pa­ra to­do o país. Até en­tão, o go­ver­no fe­de­ral só con­ce­dia o be­ne­fí­cio em ca­sos de fis­ca­li­za­ção por auditor-​fiscal do Tra­ba­lho.

Ti­a­go Queiroz/​Estadão Con­teú­do

A ação do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral (MPF) que re­sul­tou na de­ci­são foi pro­to­co­la­da em 2017, de­pois que o en­tão Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho e Em­pre­go – atu­al­men­te Se­cre­ta­ria Es­pe­ci­al de Tra­ba­lho do Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia – ne­gou a li­be­ra­ção do be­ne­fí­cio a tra­ba­lha­do­res res­ga­ta­dos de um sí­tio em Pa­ra­puã (SP) em 2015.

Na oca­sião, a fis­ca­li­za­ção re­a­li­za­da pe­la vi­gi­lân­cia sa­ni­tá­ria do mu­ni­cí­pio, com o apoio da Po­lí­cia Mi­li­tar, lo­ca­li­zou qua­tro pes­so­as tra­ba­lhan­do em jor­na­das exaus­ti­vas e con­di­ções de­gra­dan­tes, o que le­vou à con­de­na­ção do do­no do sí­tio pe­lo cri­me de re­du­ção à con­di­ção aná­lo­ga à de es­cra­vo. Ao ne­gar o seguro-​desemprego, o go­ver­no afir­mou que o be­ne­fí­cio es­ta­ria con­di­ci­o­na­do a res­ga­te efe­tu­a­do por auditor-​fiscal do Tra­ba­lho.

O ma­gis­tra­do tam­bém de­ter­mi­nou o pa­ga­men­to do seguro-​desemprego a to­dos aque­les cu­jo aces­so à pres­ta­ção foi ne­ga­do com ba­se no en­ten­di­men­to res­tri­ti­vo da le­gis­la­ção, res­pei­ta­da a pres­cri­ção. A fim de pre­ve­nir o ris­co de frau­des, a sen­ten­ça apon­tou ain­da que a efe­ti­va li­be­ra­ção dos pa­ga­men­tos des­sa mo­da­li­da­de de seguro-​desemprego ao tra­ba­lha­dor res­ga­ta­do fi­ca­rá sem­pre sob o cri­vo da Se­cre­ta­ria Es­pe­ci­al de Tra­ba­lho do Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia, que não po­de­rá mais in­de­fe­rir a con­ces­são do be­ne­fí­cio ape­nas pe­la ques­tão da au­to­ri­da­de pú­bli­ca que pro­mo­ve o res­ga­te.

Em ra­zão de an­te­ci­pa­ção de tu­te­la na sen­ten­ça, os efei­tos da de­ci­são pas­sam a vi­go­rar ime­di­a­ta­men­te após a in­ti­ma­ção da União, va­len­do des­de já o di­rei­to à con­ces­são do seguro-​desemprego ao tra­ba­lha­dor res­ga­ta­do nos no­vos mol­des. Sen­do a sen­ten­ça con­fir­ma­da em de­fi­ni­ti­vo, o go­ver­no fe­de­ral fi­ca­rá obri­ga­do a ajus­tar su­as nor­mas in­ter­nas, no pra­zo de 90 di­as após o trân­si­to em jul­ga­do, de for­ma a ga­ran­tir o aces­so ao be­ne­fí­cio a to­dos aque­les com­pro­va­da­men­te sub­me­ti­dos a re­gi­me de tra­ba­lho for­ça­do. A de­ter­mi­na­ção va­le pa­ra to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,