As­sim que vol­ta­rem do re­ces­so le­gis­la­ti­vo, no dia 4 fe­ve­rei­ro, de­pu­ta­dos e se­na­do­res te­rão de se de­bru­çar so­bre mais de 20 me­di­das pro­vi­só­ri­as (MPs) as­si­na­das pe­lo pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro. Os tex­tos pre­ci­sam ser apro­va­dos até maio. O nú­me­ro de­ve au­men­tar com a edi­ção de no­vas MPs nos pró­xi­mos di­as.

Mar­ce­lo Camargo/​Agência Bra­sil


Bolsonaro, Maia e Alcolumbre

En­tre as en­vi­a­das, ape­nas uma co­me­çou a ser dis­cu­ti­da em co­mis­são es­pe­ci­al, pri­mei­ra eta­pa de tra­mi­ta­ção no Con­gres­so Na­ci­o­nal, a que ins­ti­tui o Con­tra­to de Tra­ba­lho Ver­de e Ama­re­lo. De acor­do com o pre­si­den­te da co­mis­são, se­na­dor Ser­gio Pe­te­cão (PSD-​AC), a ideia é que o pa­re­cer do de­pu­ta­do Ch­ris­ti­no Áu­reo (PP-​RJ) se­ja li­do em fe­ve­rei­ro, pri­mei­ro mês da vol­ta do re­ces­so.

Ou­tra, a MP 894/​19, já pas­sou pe­la Câ­ma­ra e aguar­da vo­ta­ção no Se­na­do. Os se­na­do­res têm até 12 de fe­ve­rei­ro pa­ra vo­tar a me­di­da pro­vi­só­ria que as­se­gu­ra pen­são es­pe­ci­al vi­ta­lí­cia de um sa­lá­rio mí­ni­mo pa­ra cri­an­ças ví­ti­mas de mi­cro­ce­fa­lia de­cor­ren­te do ví­rus zi­ka.

Uma MP tem va­li­da­de de até qua­tro me­ses. Se não for apro­va­da nes­se pe­río­do, per­de a for­ça de lei. Em 2019, per­de­ram va­li­da­des me­di­das do Exe­cu­ti­vo co­mo as que pre­ju­di­ca­vam as em­pre­sas de jor­nais ao de­so­bri­gar em­pre­sas pri­va­das de pu­bli­ca­rem ba­lan­ços fi­nan­cei­ros no meio im­pres­so. O Po­der Le­gis­la­ti­vo não ana­li­sou no tem­po ne­ces­sá­rio a ini­ci­a­ti­va, que por is­so dei­xou de va­ler.

A MP que ex­tin­guiu a obri­ga­to­ri­e­da­de do se­gu­ro DPVAT tam­bém foi der­ru­ba­da por de­ci­são do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral.

Contrato Verde e Amarelo é o item mais polêmico

O Con­gres­so em Fo­co fez uma se­le­ção de al­gu­mas me­di­das pro­vi­só­ri­as que aguar­dam os par­la­men­ta­res e per­dem a va­li­da­de até maio.

A me­di­da do go­ver­no do con­tra­to de tra­ba­lho ver­de ama­re­lo quer es­ti­mu­lar o em­pre­go de jo­vens de 18 a 29 anos. Pa­ra is­so ser fei­to, os em­pre­ga­do­res se­rão isen­tos de al­gu­mas con­tri­bui­ções fis­cais so­bre a fo­lha de pa­ga­men­to.

A MP já so­ma mais de du­as mil emen­das. Os pon­tos de mai­o­res re­sis­tên­cia são os que tra­tam de con­tri­bui­ção pre­vi­den­ciá­ria so­bre o seguro-​desemprego e o fa­to do go­ver­no ter de­sis­ti­do de in­cluir tra­ba­lha­do­res com mais de 50 anos na me­di­da.

Co­mo for­ma de com­pen­sar a per­da da ar­re­ca­da­ção com os em­pre­sá­ri­os, a equi­pe econô­mi­ca do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro in­cluiu im­pos­tos so­bre o va­lor do seguro-​desemprego.

A ta­xa­ção do seguro-​desemprego é o pon­to mais po­lê­mi­co e de­ve ser re­ti­ra­do ou al­te­ra­do. O re­la­tor, de­pu­ta­do Ch­ris­ti­no Áu­reo, tra­ba­lha no re­ces­so pa­ra dar ce­le­ri­da­de na tra­mi­ta­ção na vol­ta dos tra­ba­lhos le­gis­la­ti­vos.

Salário mínimo

Bol­so­na­ro edi­tou no dia 31 de de­zem­bro uma me­di­da pro­vi­só­ria na qual de­fi­ne o va­lor de R$ 1039 pa­ra o sa­lá­rio mí­ni­mo em 2020.

Ini­ci­al­men­te o va­lor man­da­do pe­lo go­ver­no e apro­va­do pe­lo Con­gres­so era de R$ 1031, que con­si­de­ra­va ape­nas o re­a­jus­te com ba­se na in­fla­ção, sem au­men­to re­al em re­la­ção a 2019.

Ape­sar de ter o va­lor apro­va­do du­ran­te a vo­ta­ção da Lei de Di­re­tri­zes Or­ça­men­tá­ri­as, o sa­lá­rio mí­ni­mo pre­ci­sa­va ser re­gu­la­men­ta­do por lei até o úl­ti­mo dia de 2019.

Va­leu de 2015 até 2019 lei que uti­li­za cri­té­rio do Pro­du­to In­ter­no Bru­to co­mo al­go além da in­fla­ção pa­ra re­a­jus­tar o va­lor do sa­lá­rio mí­ni­mo. Pa­ra de­cre­tar o sa­lá­rio mí­ni­mo de 2019, Bol­so­na­ro se va­leu des­ta le­gis­la­ção (ín­te­gra).

Na fal­ta de uma no­va lei e sem tem­po há­bil pa­ra apro­var pro­je­to de lei, o go­ver­no apre­sen­tou uma MP que pre­ci­sa ser ana­li­sa­da pe­lo Con­gres­so até maio.

Cargos na Polícia Federal

Até ago­ra, ape­nas uma MP foi as­si­na­da por Jair Bol­so­na­ro em 2020. A que cria car­gos e au­men­ta a re­mu­ne­ra­ção pa­ra po­li­ci­ais fe­de­rais.

O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro as­si­nou uma me­di­da pro­vi­só­ria que cria 514 no­vos car­gos co­mis­si­o­na­dos, ou se­ja de con­fi­an­ça e sem a ne­ces­si­da­de de con­cur­so pú­bli­co, na Po­lí­cia Fe­de­ral. A me­di­da foi pu­bli­ca­da em edi­ção ex­tra do Diá­rio Ofi­ci­al da União na sexta-​feira (3).

Além dis­so, fo­ram re­ma­ne­ja­dos, sem no­vas des­pe­sas, 340 va­gas pa­ra cri­a­ção de no­vos pos­tos co­mis­si­o­na­dos.

A me­di­da tam­bém de­ter­mi­nou um au­men­to nos va­lo­res pa­gos a al­tos car­gos na Po­lí­cia Fe­de­ral.

Veja o resumo das MPs mais importantes:

MP 902/​2019: que­bra o mo­no­pó­lio da Ca­sa Mo­e­da na emis­são de di­nhei­ro e pas­sa­por­te;

MP 905/​2019: ins­ti­tui o Con­tra­to de Tra­ba­lho Ver­de e Ama­re­lo, com re­du­ção de en­car­gos tra­ba­lhis­tas pa­ra es­ti­mu­lar con­tra­ta­ção de jo­vens;

MP 914/​2019: al­te­ra o pro­ces­so na es­co­lha de rei­to­res nas uni­ver­si­da­des fe­de­rais e no co­lé­gio D. Pe­dro II. O go­ver­no dá pe­so de 70% na es­co­lha dos pro­fes­so­res e de 15% ca­da pa­ra ser­vi­do­res e alu­nos. Nor­mal­men­te as uni­ver­si­da­des dão pe­so igual às três ca­te­go­ri­as;

MP 915/​2019: fa­ci­li­ta o pro­ces­so de ven­da de imó­veis de pro­pri­e­da­de da União;

MP 916/​2019: de­fi­ne o va­lor de R$ 1.039 co­mo sa­lá­rio mí­ni­mo pa­ra o ano de 2020;

MP 918/​2020: re­es­tru­tu­ra car­gos na Po­lí­cia Fe­de­ral, com a cri­a­ção de mais de 500 pos­tos de con­fi­an­ça.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,