O che­fe da Se­cre­tá­ria de Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al da Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca (Se­com), Fá­bio Wajn­gar­ten, re­ce­be di­nhei­ro de em­pre­sas con­tra­ta­das pe­la pró­pria se­cre­ta­ria, por meio de uma em­pre­sa da qual é só­cio. Mes­mo após as­su­mir o car­go no Pla­nal­to, o pu­bli­ci­tá­rio con­ti­nua co­mo prin­ci­pal só­cio da FW Co­mu­ni­ca­ção e Mar­ke­ting, que tem con­tra­tos com pe­lo me­nos cin­co em­pre­sas que re­ce­bem ver­bas do go­ver­no. As in­for­ma­ções são da Fo­lha de S.Paulo.

Reprodução/​Instagram


Fábio Wajngarten e o presidente Bolsonaro

A le­gis­la­ção proí­be in­te­gran­tes da cú­pu­la do go­ver­no de man­ter ne­gó­ci­os com pes­so­as fí­si­cas ou ju­rí­di­cas que pos­sam ser afe­ta­das por su­as de­ci­sões, prá­ti­ca co­nhe­ci­da co­mo con­fli­to de in­te­res­ses. Ca­so o be­ne­fí­cio in­de­vi­do se­ja com­pro­va­do, o ato se ca­rac­te­ri­za­ria co­mo im­pro­bi­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va, que po­de le­var à de­mis­são do car­go. A Se­com é res­pon­sá­vel por de­fi­nir a des­ti­na­ção da ver­ba de pro­pa­gan­da do Pla­nal­to, além de di­tar re­gras pa­ra as con­tas dos de­mais ór­gãos fe­de­rais. Só no ano pas­sa­do, a se­cre­ta­ria gas­tou R$ 197 mi­lhões em cam­pa­nhas.

En­tre as em­pre­sas que re­ce­bem di­nhei­ro do go­ver­no por meio da Se­com e tam­bém têm vín­cu­los com a FW es­tão as emis­so­ras Re­cord e Band, que vi­ram su­as par­ti­ci­pa­ções na ver­ba pu­bli­ci­tá­ria do go­ver­no cres­cer no go­ver­no Bol­so­na­ro.

Em 2019, a Band gas­tou R$ 109 mil no ano com a FW em ser­vi­ços de con­sul­to­ria. O va­lor men­sal do vín­cu­lo, R$ 9.046, cor­res­pon­de à me­ta­de do sa­lá­rio do che­fe da Se­com, que é de R$ 17,3 mil.

A quan­tia foi con­fir­ma­da à Fo­lha pe­lo Gru­po Ban­dei­ran­tes, que in­for­mou con­tra­tar a FW des­de 2004 e afir­mou que a em­pre­sa “pres­ta ser­vi­ços pa­ra to­das as prin­ci­pais emis­so­ras da TV aber­ta”.

Ques­ti­o­na­do pe­la Fo­lha, Wajn­gar­ten con­fir­mou que man­tém re­la­ções co­mer­ci­ais com a Re­cord e a Band, mas não in­for­mou os va­lo­res, ale­gan­do cláu­su­las de con­fi­den­ci­a­li­da­de.

Além das emis­so­ras, a em­pre­sa do che­fe da Se­com tam­bém pres­ta ser­vi­ços pa­ra agên­ci­as de pu­bli­ci­da­de que têm con­tra­tos com o go­ver­no, en­tre elas a Art­plan, a Nova/​SB e a Pro­peg. O va­lor pa­go pe­lo ser­vi­ço de chec­king é de R$ 4.500, se­gun­do a Pro­peg.

Em agos­to do ano pas­sa­do, Wajn­gar­ten as­si­nou um ter­mo adi­ti­vo e pror­ro­gou por mais um ano o con­tra­to da Art­plan com a Se­com, de R$ 127,3 mi­lhões.

Em ja­nei­ro, o Ban­co Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co e So­ci­al (BNDES) re­no­vou por mais 12 me­ses o vín­cu­lo com a Nova/​SB e a Pro­peg. As du­as em­pre­sas tam­bém con­se­gui­ram es­ti­car seus vín­cu­los com oos mi­nis­té­ri­os da Saú­de e do Tu­ris­mo.

Mudança na distribuição

Na ges­tão de Wajn­gar­ten a Se­com pas­sou a des­ti­nar mais ver­bas pa­ra a Band, Re­cord e SBT, en­quan­to a Glo­bo, lí­der de au­di­ên­cia, te­ve seus re­pas­ses re­du­zi­dos a um pa­ta­mar mais bai­xo que o das con­cor­ren­tes.

As­sim co­mo o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro (sem par­ti­do), o pu­bli­ci­tá­rio é um crí­ti­co re­cor­ren­te da Glo­bo e acu­sa a emis­so­ra ca­ri­o­ca de per­se­guir o go­ver­no.

De 12 de abril, da­ta em que Wajn­gar­ten as­su­miu o pos­to na Se­com, a 31 de de­zem­bro de 2018, a Se­com des­ti­nou à Band 12,1% da ver­ba pu­bli­ci­tá­ria pa­ra TVs aber­tas, an­te 9,8% no mes­mo pe­río­do de 2018.

Já a Re­cord con­se­guiu 27,4% e o SBT 24,7% – no ano an­te­ri­or, as du­as emis­so­ras ha­vi­am re­ce­bi­do, res­pec­ti­va­men­te, 23,6% e 22,5%. Os da­dos fo­ram ob­ti­dos com ba­se em da­dos da Se­com.

O Tri­bu­nal de Con­tas da União (TCU) in­ves­ti­ga pos­sí­vel dis­tri­bui­ção de ver­bas ofi­ci­ais por cri­té­ri­os po­lí­ti­cos, com o in­tui­to de fa­vo­re­cer emis­so­ras ali­nha­das com o go­ver­no.

Os pro­gra­mas dos apre­sen­ta­do­res Jo­sé Luiz Da­te­na, da Band, e Ra­ti­nho, do SBT, es­co­lhi­dos re­cor­ren­te­men­te pe­lo pre­si­den­te pa­ra dar en­tre­vis­tas em que de­fen­de po­si­ções ado­ta­das pe­lo go­ver­no, vêm sen­do con­tem­pla­dos com di­nhei­ros de pro­pa­gan­da.

Wajngarten não vê conflito de interesses

An­tes de as­su­mir a fun­ção de che­fe da Se­com, o pu­bli­ci­tá­rio al­te­rou o con­tra­to so­ci­al da FW e no­me­ou um ad­mi­nis­tra­dor pa­ra gerenciá-​la, em seu lu­gar. Ape­sar dis­so, manteve-​se co­mo prin­ci­pal co­tis­ta da em­pre­sa, com 95% das co­tas.

O no­vo con­tra­to so­ci­al, no en­tan­to, pre­vê a dis­tri­bui­ção anu­al pa­ra os só­ci­os dos lu­cros e di­vi­den­dos pro­por­ci­o­nais à par­ti­ci­pa­ção no ca­pi­tal so­ci­al.

Em res­pos­ta à Fo­lha, Wajn­gar­ten afir­mou que não há “ne­nhum con­fli­to” de in­te­res­ses em man­ter ne­gó­ci­os com em­pre­sas que a Se­com e ou­tros ór­gãos do go­ver­no con­tra­tam. “To­dos os con­tra­tos exis­tem há mui­tos anos e mui­to an­tes de sua li­ga­ção com o po­der pú­bli­co”, dis­se a Se­com, por meio de no­ta.

O pu­bli­ci­tá­rio afirm­pu que dei­xou o pos­to de ad­mi­nis­tra­dor da FW, pa­ra as­su­mir sua fun­ção no Pla­nal­to, “co­mo re­ge a le­gis­la­ção”.

Ques­ti­o­na­do se re­por­tou à Co­mis­são de Éti­ca da Pre­si­dên­cia o vín­cu­lo com as emis­so­ras e as agên­ci­as pu­bli­ci­tá­ri­as, co­mo pre­vê a lei, o che­fe da Se­com afir­mou que “ja­mais foi ques­ti­o­na­do” a res­pei­to.

Ele ne­gou que a re­no­va­ção da Se­com com a Art­plan te­nha re­la­ção com o fa­to da em­pre­sa re­ce­ber di­nhei­ro da agên­cia. “O adi­ti­vo con­tra­tu­al foi fei­to em 2019 com as três agên­ci­as li­ci­ta­das. As agên­ci­as Ca­lia e NBS nun­ca as­si­na­ram o ser­vi­ço, o que des­car­ta qual­quer ti­po de in­fluên­cia”, dis­se.

A Re­cord não se pro­nun­ci­ou.

O Con­gres­so em Fo­co tam­bém pro­cu­rou o se­cre­tá­rio, mas os ques­ti­o­na­men­tos so­bre o ca­so não fo­ram res­pon­di­dos até a pu­bli­ca­ção des­ta re­por­ta­gem.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,