O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro já es­tá dis­cu­tin­do o fu­tu­ro de Fa­bio Wajn­gar­ten, o che­fe da Se­cre­ta­ria de Co­mu­ni­ca­ção (Se­com) do go­ver­no, que, se­gun­do de­nún­cia pu­bli­ca­da pe­la Fo­lha de S.Paulo, es­tá re­ce­ben­do di­nhei­ro de em­pre­sas con­tra­ta­das pe­la pró­pria Se­com. A opo­si­ção, con­tu­do, quer co­brar ex­pli­ca­ções de Wajn­gar­ten in­de­pen­den­te­men­te do que for re­sol­vi­do pe­lo pre­si­den­te. O che­fe da Se­com de­ve ser, en­tão, al­vo de uma notícia-​crime na Procuradoria-​Geral da Re­pú­bli­ca (PGR) e de uma con­vo­ca­ção no Se­na­do.

An­der­son Riedel/​PR


Secretário Especial de Comunicação Social, Fábio Wajngarten

Foi o lí­der da opo­si­ção no Se­na­do, Ran­dol­fe Ro­dri­gues (Rede-​AP), que anun­ci­ou, nas re­des so­ci­ais, as me­di­das que de­vem ser to­ma­das di­an­te do ca­so Wajn­gar­ten. “Vou pe­dir a con­vo­ca­ção do che­fe da Se­com, Fá­bio Wajn­gar­ten, pa­ra de­por na CTFC (Co­mis­são de Trans­pa­rên­cia, Go­ver­nan­ça, Fis­ca­li­za­ção e Con­tro­le e De­fe­sa do Con­su­mi­dor) do Se­na­do e apre­sen­ta­rei uma notícia-​crime na PGR”, afir­mou Ran­fol­fe na noi­te des­sa quarta-​feira (15). Ele ale­gou que, “ao con­trá­rio do que faz o pre­si­den­te”, a opo­si­ção não vai acei­tar mais uma de­nún­cia de cor­rup­ção li­ga­da ao go­ver­no fe­de­ral ser es­que­ci­da. Ve­ja:

Em ou­tro post, Ran­dol­fe ain­da in­di­cou que o ca­so Wajn­gar­ten é gra­vís­si­mo e po­de con­fi­gu­rar os cri­mes de con­fli­to de in­te­res­ses, cor­rup­ção e im­pro­bi­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va. Con­fi­ra:

Re­por­ta­gem pu­bli­ca­da nes­sa quarta-​feira (15) pe­la Fo­lha de S.Paulo mos­trou que Wajn­gar­ten, mes­mo de­pois de as­su­mir a Se­com, con­ti­nua co­mo prin­ci­pal só­cio da FW Co­mu­ni­ca­ção e Mar­ke­ting - agên­cia de pu­bli­ci­da­de que tem con­tra­tos com pe­lo me­nos cin­co em­pre­sas que re­ce­bem ver­bas do go­ver­no, en­tre elas Band e Re­cord.

A le­gis­la­ção, con­tu­do, proí­be in­te­gran­tes da cú­pu­la do go­ver­no de man­ter ne­gó­ci­os com pes­so­as fí­si­cas ou ju­rí­di­cas que pos­sam ser afe­ta­das por su­as de­ci­sões, prá­ti­ca co­nhe­ci­da co­mo con­fli­to de in­te­res­ses. Ca­so o be­ne­fí­cio in­de­vi­do se­ja com­pro­va­do, o ato se ca­rac­te­ri­za­ria co­mo im­pro­bi­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va, que po­de le­var à de­mis­são do car­go.

Por con­ta dis­so, a de­nún­cia in­co­mo­dou Bol­so­na­ro. O pre­si­den­te che­gou a can­ce­lar uma en­tre­vis­ta de­pois de per­gun­tas re­la­ci­o­na­das ao ca­so e con­vo­car uma reu­nião pa­ra tra­tar da si­tu­a­ção de Wajn­gar­ten nes­sa quarta-​feira. Se­gun­do a Fo­lha, ele tam­bém já con­ver­sou com a Controladoria-​Geral da União so­bre o ca­so.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,