Os 2.153 bi­li­o­ná­ri­os do mun­do de­têm mais ri­que­za do que 4,6 bi­lhões de pes­so­as, que cor­res­pon­dem a cer­ca de 60% da po­pu­la­ção mun­di­al. Os da­dos cons­tam do no­vo re­la­tó­rio da or­ga­ni­za­ção não go­ver­na­men­tal Ox­fam, Tem­po de Cui­dar - O tra­ba­lho de cui­da­do mal re­mu­ne­ra­do e não pa­go e a cri­se glo­bal da de­si­gual­da­de, lan­ça­do nes­se do­min­go (19), às vés­pe­ras do Fó­rum Econô­mi­co Mun­di­al, em Da­vos, na Suí­ça.

Ro­o­sewelt Pinheiro/​Agência Bra­sil

O es­tu­do apon­ta que a de­si­gual­da­de glo­bal es­tá em ní­veis re­cor­des e o nú­me­ro de bi­li­o­ná­ri­os do­brou na úl­ti­ma dé­ca­da. Se­gun­do o le­van­ta­men­to, o 1% mais ri­co do mun­do de­tém mais que o do­bro da ri­que­za de 6,9 bi­lhões de pes­so­as.

O re­la­tó­rio cha­ma a aten­ção pa­ra o fa­to de que es­sa gran­de de­si­gual­da­de es­tá ba­se­a­da em boa me­di­da em um sis­te­ma que não va­lo­ri­za o tra­ba­lho de mu­lhe­res e me­ni­nas, prin­ci­pal­men­te das que es­tão na ba­se da pi­râ­mi­de econô­mi­ca. De acor­do com a or­ga­ni­za­ção, no mun­do, os ho­mens de­têm 50% a mais de ri­que­za do que as mu­lhe­res.

“Além de cha­mar a aten­ção pa­ra es­sa de­si­gual­da­de ex­tre­ma que não es­tá sen­do so­lu­ci­o­na­da, re­sol­ve­mos dar vi­si­bi­li­da­de a um te­ma que não tem vi­si­bi­li­da­de e que con­tri­buiu pa­ra es­se acú­mu­lo de ri­que­za, que é o fa­to de o cui­da­do não ser re­mu­ne­ra­do ou ser mal re­mu­ne­ra­do”, dis­se a di­re­to­ra exe­cu­ti­va da Ox­fam Bra­sil, Ka­tia Maia.

“Mi­lhões de mu­lhe­res e me­ni­nas pas­sam boa par­te de su­as vi­das fa­zen­do tra­ba­lho do­més­ti­co e de cui­da­do, sem re­mu­ne­ra­ção e sem aces­so a ser­vi­ços pú­bli­cos que pos­sam ajudá-​las nes­sas ta­re­fas tão im­por­tan­tes”, com­ple­tou.

Se­gun­do cál­cu­los da Ox­fam, o va­lor mo­ne­tá­rio glo­bal do tra­ba­lho de cui­da­do não re­mu­ne­ra­do pres­ta­do por mu­lhe­res a par­tir dos 15 anos é de US$ 10,8 tri­lhões por ano, três ve­zes mai­or que o es­ti­ma­do pa­ra o se­tor de tec­no­lo­gia do mun­do.

Ka­tia des­ta­cou a for­te con­tri­bui­ção da ques­tão de gê­ne­ro na de­si­gual­da­de mun­di­al. “Se vo­cê jun­tar os 22 ho­mens mais ri­cos do mun­do, eles têm a mes­ma ri­que­za que to­das as mu­lhe­res que vi­vem na Áfri­ca, que é em tor­no de 650 mi­lhões”.

Se­gun­do a Ox­fam, as mu­lhe­res fa­zem mais de 75% de to­do tra­ba­lho de cui­da­do não re­mu­ne­ra­do do mun­do. Fre­quen­te­men­te, diz a or­ga­ni­za­ção, elas tra­ba­lham me­nos ho­ras em seus em­pre­gos ou têm que abandoná-​los por cau­sa da car­ga ho­rá­ria com o cui­da­do de cri­an­ças, ido­sos e pes­so­as com do­en­ças e de­fi­ci­ên­ci­as fí­si­cas e men­tais bem co­mo o tra­ba­lho do­més­ti­co diá­rio.

Alerta

A or­ga­ni­za­ção aler­ta que o pro­ble­ma de­ve se agra­var na pró­xi­ma dé­ca­da à me­di­da que a po­pu­la­ção mun­di­al au­men­ta e en­ve­lhe­ce. Estima-​se que 2,3 bi­lhões de pes­so­as, en­tre ido­sos e cri­an­ças, vão pre­ci­sar de cui­da­do em 2030, um au­men­to de 200 mi­lhões des­de 2015.

De acor­do com a pes­qui­sa, no Bra­sil, em 2050, se­rão cer­ca de 77 mi­lhões de pes­so­as que vão de­pen­der de cui­da­do, o que re­pre­sen­ta pou­co mais de um ter­ço da po­pu­la­ção es­ti­ma­da en­tre ido­sos e cri­an­ças, se­gun­do da­dos do Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca (IBGE).

“O mun­do en­fren­ta uma cri­se de pres­ta­ção de cui­da­dos de­vi­do aos im­pac­tos do en­ve­lhe­ci­men­to da po­pu­la­ção, a cor­tes em ser­vi­ços pú­bli­cos e sis­te­mas de pro­te­ção so­ci­al e aos efei­tos das mu­dan­ças cli­má­ti­cas – ame­a­çan­do pi­o­rar a si­tu­a­ção e au­men­tar o ônus que re­cai so­bre tra­ba­lha­do­ras de cui­da­do”, diz o do­cu­men­to.

O re­la­tó­rio tam­bém apon­ta que go­ver­nos vêm co­bran­do alí­quo­tas fis­cais bai­xas dos mais ri­cos e de gran­des cor­po­ra­ções, “aban­do­nan­do a op­ção de le­van­tar os re­cur­sos ne­ces­sá­ri­os pa­ra re­du­zir a po­bre­za e as de­si­gual­da­des”.

De acor­do com o es­tu­do, se o 1% mais ri­co do mun­do pa­gas­se uma ta­xa ex­tra de 0,5% so­bre sua ri­que­za nos pró­xi­mos 10 anos, se­ria pos­sí­vel cri­ar 117 mi­lhões de em­pre­gos em edu­ca­ção, saú­de e de cui­da­do pa­ra ido­sos.

“Em vez de am­pli­ar pro­gra­mas so­ci­ais e gas­tos pa­ra in­ves­tir na pres­ta­ção de cui­da­do e com­ba­ter a de­si­gual­da­de, os paí­ses es­tão au­men­tan­do a tri­bu­ta­ção de pes­so­as em si­tu­a­ção de po­bre­za, re­du­zin­do gas­tos pú­bli­cos e pri­va­ti­zan­do a edu­ca­ção e a saú­de, mui­tas ve­zes se­guin­do o con­se­lho de ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras co­mo o Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI)”, diz o do­cu­men­to.

Recomendações

A Ox­fam re­co­men­da que os go­ver­nos de­vam in­ves­tir em sis­te­mas na­ci­o­nais de pres­ta­ção de cui­da­dos pa­ra so­lu­ci­o­nar a ques­tão da res­pon­sa­bi­li­da­de des­pro­por­ci­o­nal pe­lo tra­ba­lho de cui­da­do re­a­li­za­do por mu­lhe­res e me­ni­nas.

Ou­tra re­co­men­da­ção é va­lo­ri­zar o cui­da­do em po­lí­ti­cas e prá­ti­cas em­pre­sa­ri­ais. “As em­pre­sas de­vem re­co­nhe­cer o va­lor do tra­ba­lho de cui­da­do e pro­mo­ver o bem-​estar de tra­ba­lha­do­res e tra­ba­lha­do­ras. Além dis­so, de­vem apoi­ar a re­dis­tri­bui­ção do cui­da­do ofe­re­cen­do be­ne­fí­ci­os e ser­vi­ços co­mo cre­ches e vales-​creche e ga­ran­tir sa­lá­ri­os dig­nos pa­ra pres­ta­do­res de cui­da­do”, afir­ma o do­cu­men­to.

* In­for­ma­ções da Agên­cia Bra­sil

,