O are­na­ví­rus, que cau­sa a fe­bre he­mor­rá­gi­ca, vi­ti­mou um ho­mem em São Pau­lo. A do­en­ça ha­via si­do er­ra­di­ca­da há 20 anos e seu re­a­pa­re­ci­men­to cau­sou es­pan­to en­tre a po­pu­la­ção. O Mi­nis­té­rio da Saú­de (MS) dis­se em en­tre­vis­ta à im­pren­sa nes­ta terça-​feira (21) que a mai­or pre­o­cu­pa­ção tem si­do com os pro­fis­si­o­nais de saú­de que ti­ve­ram con­ta­to di­re­to com a ví­ti­ma, um mo­ra­dor de So­ro­ca­ba, no in­te­ri­or do es­ta­do. “Nes­te mo­men­to, não exis­te pre­o­cu­pa­ção de trans­mis­são à po­pu­la­ção ge­ral. A gen­te sa­be que is­so é uma trans­mis­são even­tu­al”, dis­se Jú­lio Cro­da, se­cre­tá­rio subs­ti­tu­to da Se­cre­ta­ria de Vi­gi­lân­cia Sa­ni­tá­ria do Mi­nis­té­rio da Saú­de.

Wil­son Dias/​Agência Bra­sil


O diretor do departamento de vigilância das doenças transmissíveis do ministério da saúde, Júlio Croda, fala sobre o arenavírus, durante coletiva à imprensa

“O ris­co mai­or de ad­qui­rir a in­fec­ção é a pes­soa en­trar em con­ta­to com al­gu­ma se­cre­ção do pa­ci­en­te. Nos­so mo­ni­to­ra­men­to es­tá sen­do re­a­li­za­do nos pro­fis­si­o­nais de saú­de e seus fa­mi­li­a­res. Por en­quan­to ne­nhum con­tac­tan­te apre­sen­tou sin­to­mas”. Cer­ca de 100 a 150 pes­so­as se en­qua­dram nes­se per­fil. Ca­so a si­tu­a­ção não se al­te­re, o mo­ni­to­ra­men­to se­rá en­cer­ra­do dia 3 de fe­ve­rei­ro, 21 di­as após seu iní­cio. O pa­ci­en­te, cu­ja iden­ti­da­de foi man­ti­da em si­gi­lo, fa­le­ceu 12 di­as após a in­ter­na­ção, ocor­ri­da em 30 de de­zem­bro.

Fun­ci­o­ná­ri­os de três hos­pi­tais e três la­bo­ra­tó­ri­os es­tão sen­do mo­ni­to­ra­dos. Exis­tem ní­veis di­fe­ren­tes de ris­co, sen­do con­si­de­ra­do o mais al­to aque­le no qual pes­so­as ti­ve­ram con­ta­to com se­cre­ções do pa­ci­en­te sem equi­pa­men­to de pro­te­ção e pro­fis­si­o­nais res­pon­sá­veis pe­la ne­cróp­sia. Além dis­so, ou­tra ação pla­ne­ja­da é ir aos lu­ga­res on­de es­sa ví­ti­ma pas­sou e iden­ti­fi­car se há re­la­tos de ro­e­do­res sil­ves­tres nes­ses lo­cais, trans­mis­so­res do ví­rus.

O are­na­ví­rus, do gê­ne­ro Mam­ma­re­na­ví­rus, da fa­mí­lia Are­na­vi­ri­dae, só foi di­ag­nos­ti­ca­do co­mo cau­sa­dor da do­en­ça após a mor­te do pa­ci­en­te. Na apre­sen­ta­ção dos pri­mei­ros sin­to­mas, acreditou-​se se tra­tar de fe­bre ama­re­la, mas, após a evo­lu­ção de ou­tros sin­to­mas, es­sa pos­si­bi­li­da­de foi afas­ta­da. “Por con­ta de ser um ca­so inu­si­ta­do, foi co­le­ta­do ma­te­ri­al pa­ra um exa­me es­pe­ci­al, que po­de iden­ti­fi­car di­fe­ren­tes ví­rus. E foi iden­ti­fi­ca­do o are­na­ví­rus”, de­ta­lhou Cro­da.

Transmissão

Ori­gi­nal­men­te, o are­na­ví­rus po­de ser en­con­tra­do em ro­e­do­res sil­ves­tres e sua trans­mis­são a se­res hu­ma­nos se dá por con­ta­to com sa­li­va, uri­na ou fe­zes des­ses ani­mais. Mas nem en­tre es­ses ro­e­do­res a pre­sen­ça do ví­rus é con­si­de­ra­da fre­quen­te.

O are­na­ví­rus não era iden­ti­fi­ca­do no país ha­via mais de 20 anos. O pri­mei­ro ca­so ocor­reu em 1990, tam­bém no es­ta­do de São Pau­lo. A ví­ti­ma ha­via vi­a­ja­do ao mu­ni­cí­pio de Co­tia, no in­te­ri­or do es­ta­do, an­tes de apre­sen­tar os sin­to­mas e, pos­te­ri­or­men­te, fa­le­cer.

O se­gun­do ca­so foi de­ri­va­do do pri­mei­ro, quan­do um téc­ni­co de la­bo­ra­tó­rio foi in­fec­ta­do aci­den­tal­men­te en­quan­to ma­ni­pu­la­va uma amos­tra co­le­ta­da da pri­mei­ra ví­ti­ma. Es­se téc­ni­co de la­bo­ra­tó­rio, no en­tan­to, so­bre­vi­veu. Um ter­cei­ro ca­so iden­ti­fi­ca­do no Bra­sil ocor­reu em 1999, em um mo­ra­dor da área ru­ral do Es­pí­ri­to San­to do Pi­nhal, no es­ta­do de São Pau­lo. Após se­te di­as de in­ter­na­ção, fa­le­ceu.

Sintomas

A do­en­ça ini­cia com fe­bre, mal-​estar, do­res mus­cu­la­res, dor de estô­ma­go, nos olhos, dor de ca­be­ça, ton­tu­ras, sen­si­bi­li­da­de à luz e cons­ti­pa­ção. Com a evo­lu­ção da do­en­ça, po­de ha­ver com­pro­me­ti­men­to neu­ro­ló­gi­co, ma­ni­fes­ta­do por so­no­lên­cia, con­fu­são men­tal, al­te­ra­ção de com­por­ta­men­to e con­vul­são.

* Com in­for­ma­ções da Agên­cia Bra­sil

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,