O re­a­jus­te do sa­lá­rio mí­ni­mo, que ele­vou o va­lor pre­vis­to de R$ 1.039 pa­ra R$ 1.045, vai le­var o mi­nis­té­rio da Eco­no­mia a cor­tar gas­tos com des­pe­sas não obri­ga­tó­ri­as, co­mo in­ves­ti­men­to e cus­teio da má­qui­na pú­bli­ca, de acor­do com fon­tes do go­ver­no.

Reprodução/​Congresso em Fo­co

A di­fe­ren­ça de va­lor ocor­reu por­que a in­fla­ção re­al foi mai­or que a pre­vis­ta e te­rá um im­pac­to de R$ 2,13 bi­lhões nas con­tas pú­bli­cas – pa­ra ca­da R$ 1 a mais no pi­so, o go­ver­no tem que gas­tar R$ 355 mi­lhões, uma vez que ou­tros be­ne­fí­ci­os são in­de­xa­dos ao sa­lá­rio mí­ni­mo.

Co­mo a mar­gem do te­to de gas­tos –re­gra que de­fi­ne va­lo­res má­xi­mos das des­pe­sas da União – já foi uti­li­za­da no Or­ça­men­to, in­de­pen­den­te de o go­ver­no ter o di­nhei­ro dis­po­ní­vel pa­ra su­prir a di­fe­ren­ça ele pre­ci­sa cor­tar gas­tos equi­va­len­tes ao au­men­to.

De acor­do com ma­té­ria do Glo­bo, o go­ver­no ain­da não se sa­be, no en­tan­to, qual se­ria es­se va­lor, já que o go­ver­no ain­da cal­cu­la se ou­tras des­pe­sas obri­ga­tó­ri­as po­dem se re­du­zir.

Já do la­do da re­cei­ta, o go­ver­no pre­ci­sa de­fi­nir de on­de vi­rá o di­nhei­ro que se­rá uti­li­za­do pa­ra pa­gar os gas­tos ines­pe­ra­dos pro­vo­ca­dos pe­lo au­men­to do be­ne­fí­cio. Na se­ma­na pas­sa­da, Gue­des dis­se que es­pe­ra um au­men­to de R$ 8 bi­lhões na ar­re­a­ca­da­ção, mas não deu de­ta­lhes so­bre o as­sun­to.

Nes­ta quarta-​feira (22), o Es­ta­do de S. Pau­lo in­for­mou que o Ban­co Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co e So­ci­al (BNDES) de­ve re­for­çar o cai­xa da União com cer­ca de R$ 14 bi­lhões a R$ 15 bi­lhões, ad­vin­dos de re­cei­tas de di­vi­den­dos – va­lo­res que aci­o­nis­tas de em­pre­sas re­ce­bem pe­lo lu­cro ge­ra­do. Se­gun­do um mem­bro da equi­pe econô­mi­ca, es­sa quan­tia de­ve aju­dar na aco­mo­da­ção da des­pe­sa ex­tra do sa­lá­rio mí­ni­mo.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,