O Bra­sil caiu uma po­si­ção no ran­king de per­cep­ção de cor­rup­ção ela­bo­ra­do pe­la Trans­pa­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal, re­pe­tin­do sua pi­or no­ta, em 2019. As in­for­ma­ções fo­ram di­vul­ga­das pe­la or­ga­ni­za­ção não go­ver­na­men­tal (ONG) na ma­dru­ga­da des­ta quinta-​feira (23).

Reprodução/​Congresso em Fo­co

Pro­du­zi­do des­de 1995, o Ín­di­ce de Per­cep­ção da Cor­rup­ção (IPC) ava­lia 180 paí­ses e ter­ri­tó­ri­os e os ava­lia em uma es­ca­la na qual 0 o país é per­ce­bi­do co­mo al­ta­men­te cor­rup­to e 100 sig­ni­fi­ca que o país é per­ce­bi­do co­mo mui­to ín­te­gro.

No ano pas­sa­do, pri­mei­ro ano da ges­tão de Jair Bol­so­na­ro (sem par­ti­do), o Bra­sil ob­te­ve 35 pon­tos, o que o co­lo­ca na 106º po­si­ção, per­den­do pa­ra Na­mí­bia (56º), Ar­gen­ti­na (66º) e Etió­pia (96º). En­tre os paí­ses sul-​americanos, ape­nas Ve­ne­zu­e­la (173º), Pa­ra­guai (137º) e Bo­lí­via (123º) têm no­tas pi­o­res que as nos­sas.

A pon­tu­a­ção bra­si­lei­ra em 2019 é a mes­ma de 2018, mas a po­si­ção do país no ran­king caiu pe­la quin­ta vez se­gui­da, pas­san­do de 43 pon­tos, em 2014, pa­ra 35 nos úl­ti­mos dois anos.

De acor­do com a Trans­pa­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal, um dos mo­ti­vos pa­ra a es­tag­na­ção do Bra­sil no ran­king é que não fo­ram apro­va­das re­for­mas que pro­mo­ves­sem o com­ba­te à cor­rup­ção, ape­sar de o país ter fei­to uma gran­de re­no­va­ção po­lí­ti­ca em 2018, com um for­te ape­lo nes­sa área.

A ONG ci­ta tam­bém a de­ci­são do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) que pa­ra­li­sou as in­ves­ti­ga­ções com ba­se em da­dos com­par­ti­lha­dos por ór­gãos de in­te­li­gên­cia sem a anuên­cia da Jus­ti­ça, por par­te do ano pas­sa­do, co­mo um fa­tor ne­ga­ti­vo pa­ra o país.

“Viu-​se ain­da um au­men­to das ten­ta­ti­vas de in­ter­fe­rên­cia po­lí­ti­ca do Pa­lá­cio do Pla­nal­to nos ór­gãos de con­tro­le, com subs­ti­tui­ções po­lê­mi­cas na Po­lí­cia Fe­de­ral e Re­cei­ta Fe­de­ral e no­me­a­ção de um Procurador-​Geral da Re­pú­bli­ca fo­ra da lis­ta trí­pli­ce. No Con­gres­so Na­ci­o­nal, fo­ram apro­va­das leis na con­tra­mão do com­ba­te à cor­rup­ção, co­mo, por exem­plo, a que cri­ou me­ca­nis­mos que en­fra­que­ce­ram ain­da mais a trans­pa­rên­cia de par­ti­dos e o con­tro­le do gas­to pú­bli­co em cam­pa­nhas elei­to­rais”, afir­ma.

Se­gun­do a Trans­pa­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal, o ce­ná­rio só não foi pi­or “gra­ças à for­te re­a­ção da so­ci­e­da­de e das ins­ti­tui­ções bra­si­lei­ras que con­se­gui­ram bar­rar al­guns re­tro­ces­sos sig­ni­fi­ca­ti­vos e ga­ran­tir al­guns avan­ços. No en­tan­to, o país atra­ves­sou 2019 sem con­se­guir apro­var re­for­mas que ata­cas­sem de fa­to as raí­zes do pro­ble­ma”.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,