O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral (MPF) em Bra­sí­lia pe­diu à Po­lí­cia Fe­de­ral (PF) a aber­tu­ra de inqué­ri­to cri­mi­nal pa­ra in­ves­ti­gar o che­fe da Se­cre­ta­ria de Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al da Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca (Se­com), Fá­bio Wajn­gar­ten, por sus­pei­ta de cor­rup­ção pas­si­va, pe­cu­la­to e ad­vo­ca­cia ad­mi­nis­tra­ti­va.

Mar­cos Corrêa/​PR


Fábio Wajngarten durante a apresentação da 2ª Fase da Campanha Publicitária da Nova Previdência

As pe­nas pa­ra es­ses cri­mes va­ri­am de 2 a 12 anos de pri­são, além do pa­ga­men­to de mul­ta. Ca­so se­ja con­de­na­do no úl­ti­mo ca­so, a le­gis­la­ção pre­vê de­ten­ção de um mês a um ano. As in­for­ma­çõe são da Fo­lha de S.Paulo. O pe­di­do à PF foi pro­to­co­la­do nes­ta segunda-​feira (27) pe­lo pro­cu­ra­dor Fre­de­rick Lus­to­sa, da Pro­cu­ra­do­ria da Re­pú­bli­ca no Dis­tri­to Fe­de­ral, após o ór­gão re­ce­ber re­pre­sen­ta­ções de ci­da­dãos, pe­din­do a in­ves­ti­ga­ção.

As so­li­ci­ta­ções são ba­se­a­das em re­por­ta­gens da Fo­lha, que re­ve­la­ram que uma em­pre­sa de Wajn­gar­ten tem co­mo cli­en­tes em­pre­sas que pres­tam ser­vi­ço pa­ra a Se­com. Pro­cu­ra­dor pe­lo jor­nal, o pu­bli­ci­tá­rio não se ma­ni­fes­tou. Ele tem ne­ga­do ir­re­gu­la­ri­da­des.

Outras investigações

O pe­di­do des­ta se­gun­da abre uma no­va fren­te de in­ves­ti­ga­ção no ca­so. Além des­sa, Wajn­gar­ten tam­bém é al­vo de pro­ces­so ad­mi­nis­tra­ti­vo no Tri­bu­nal de Con­tas da União (TCU), por su­pos­to di­re­ci­o­na­men­to po­lí­ti­co de ver­bas de pro­pa­gan­da pa­ra TVs con­si­de­ra­das pró­xi­mas do go­ver­no.

O pu­bli­ci­tá­rio tam­bém en­fren­ta uma ava­li­a­ção da Co­mis­são de Éti­ca Pú­bli­ca da Pre­si­dên­cia por pos­sí­veis con­fli­tos de in­te­res­ses. Ele foi in­ti­ma­do a se pro­nun­ci­ar so­bre o ca­so na quarta-​feira pas­sa­da (22) e tem dez di­as pa­ra dar uma res­pos­ta.

De acor­do com a le­gis­la­ção, in­te­gran­tes da cú­pu­la do go­ver­no são proi­bi­dos de man­ter ne­gó­ci­os com pes­so­as fí­si­cas ou ju­rí­di­cas que pos­sam ser afe­ta­das pro su­as de­ci­sões. A prá­ti­ca tam­bém po­de con­fi­gu­rar ato de im­pro­bi­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va, ca­so ha­ja a com­pro­va­ção do be­ne­fí­cio in­de­vi­do.

A re­por­ta­gem da Fo­lha afir­ma que a mai­or par­te dos in­te­gran­tes da co­mis­são en­ten­de que Wajn­gar­ten in­cor­reu em con­fli­to de in­te­res­ses. Eles iden­ti­fi­cam in­dí­ci­os de ir­re­gu­la­ri­da­de, o que jus­ti­fi­ca­ria a apli­ca­ção de uma pe­na.

Ca­so ele se­ja con­si­de­ra­do cul­pa­do, Wajn­gar­ten po­de re­ce­ber ad­ver­tên­cia pú­bli­ca, cen­su­ra éti­ca ou, em ca­sos mais gra­ves, re­co­men­dar ao pre­si­den­te que exo­ne­re o ser­vi­dor. A de­ci­são, no en­tan­to, é de Jair Bol­so­na­ro.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,