O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro fez um ba­lan­ço de seus 400 di­as de go­ver­no, com­ple­ta­dos nes­sa quarta-​feira (5), pe­lo Twit­ter. Em dez tó­pi­cos, Bol­so­na­ro es­cre­veu que o Bra­sil “já mu­dou” des­de o iní­cio de sua ges­tão, que a eco­no­mia es­tá se re­cu­pe­ran­do, com a re­du­ção do de­sem­pre­go e o con­tro­le da in­fla­ção, e que a cor­rup­ção dei­xou de ser ge­ne­ra­li­za­da.

Ca­ro­li­na Antunes/​PR


Bolsonaro na cerimônia de balanço dos 400 dias de governo

“400 di­as em que, após um lon­go pe­río­do de cri­se econô­mi­ca, éti­ca e mo­ral, o país pas­sou a ter, à fren­te do po­der exe­cu­ti­vo, pes­so­as que amam o Bra­sil aci­ma de tu­do e Deus aci­ma de to­dos”, des­ta­cou. O pre­si­den­te dis­se que en­tre­ga­rá um país me­lhor do que re­ce­beu.

Em­bo­ra man­te­nha em seu en­tor­no dois acu­sa­dos de cor­rup­ção - o se­cre­tá­rio de Co­mu­ni­ca­ção da Pre­si­dên­cia, Fá­bio Wajn­gar­ten, e o mi­nis­tro do Tu­ris­mo, Mar­ce­lo Ál­va­ro Antô­nio -, Bol­so­na­ro afir­mou que ata­ca es­se ti­po de cri­me na “raiz”. On­tem o pre­si­den­te dis­se que Wajn­gar­ten es­tá “mais fir­me que nun­ca”. O mi­nis­tro do Meio Am­bi­en­te, Ri­car­do Sal­les, é in­ves­ti­ga­do pe­la sus­pei­ta de en­ri­que­ci­men­to ilí­ci­to.

A cor­rup­ção, ou­tro­ra ge­ne­ra­li­za­da, é ata­ca­da na raiz, quan­do es­co­lhe­mos uma equi­pe téc­ni­ca pa­ra os mi­nis­té­ri­os, ban­cos e es­ta­tais. Es­sas ins­ti­tui­ções não mais são usa­das pa­ra pro­mo­ção de pro­je­tos de po­der co­mo an­ti­ga­men­te, mas pa­ra pro­mo­ver o Bra­sil e o seu po­vo”, res­sal­tou.

O pre­si­den­te tam­bém des­ta­cou a re­du­ção dos ín­di­ces de cri­mi­na­li­da­de, prin­ci­pal­men­te em re­la­ção ao nú­me­ro de ho­mi­cí­di­os e apre­en­são de dro­gas. “Qua­se 10 mil vi­das sal­vas das mãos de as­sas­si­nos”, afir­mou. Bol­so­na­ro dis­se, ain­da, que o Bra­sil es­tá aber­to ao mun­do, mas sem per­der sua so­be­ra­nia so­bre flo­res­tas, ri­que­zas e va­lo­res.

Veja a sequência de tuítes do presidente:

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,