Con­gres­so Na­ci­o­nal tra­ba­lha com três fon­tes de fi­nan­ci­a­men­to pa­ra apro­var a me­di­da pro­vi­só­ria (MP) que tor­na per­ma­nen­te o pa­ga­men­to do 13º do Bol­sa Fa­mí­lia e o es­ten­de aos con­tem­pla­dos pe­lo Be­ne­fí­cio de Pres­ta­ção Con­ti­nu­a­da (BPC). Par­la­men­ta­res go­ver­nis­tas têm fal­ta­do às reu­niões, com a es­tra­té­gia de dei­xar a MP ca­du­car, con­for­me de­fen­de nos bas­ti­do­res o Pa­lá­cio do Pla­nal­to. O tex­to ini­ci­al pre­via ape­nas o pa­ga­men­to do 13º do Bol­sa Fa­mí­lia em 2019.

Reprodução/​Congresso em Fo­co


Governo resiste a tornar permanente pagamento do 13º do Bolsa Família

As al­te­ra­ções fo­ram fei­tas pe­lo re­la­tor, se­na­dor Ran­dol­fe Ro­dri­gues (Rede-​AP). Em seu re­la­tó­rio, Ran­dol­fe pro­põe que a re­cei­ta pa­ra es­sas des­pe­sas saia da tri­bu­ta­ção so­bre lu­cros e di­vi­den­dos. Mas, di­an­te da re­sis­tên­cia do Con­gres­so e do go­ver­no à ideia, o re­la­tor con­cor­da em re­cor­rer a ou­tras du­as fon­tes de re­cur­so, pro­pos­tas pe­lo de­pu­ta­do Mar­ce­lo Ra­mos (PL-​AM), in­te­gran­te da co­mis­são mis­ta da MP.

Uma de­las vi­ria do au­men­to da Con­tri­bui­ção so­bre o Lu­cro Lí­qui­do (CSLL) so­bre os ban­cos, apro­va­do com a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. A ou­tra se­ria a co­bran­ça do Im­pos­to de Ren­da so­bre apli­ca­ções dos fun­dos fe­cha­dos – atu­al­men­te pa­go so­men­te no mo­men­to do sa­que.

“O pe­que­no in­ves­ti­dor, que apli­ca em fun­dos aber­tos, tem de pa­gar a ca­da seis me­ses, in­de­pen­den­te­men­te de ter re­ti­ra­do ou não o di­nhei­ro”, dis­se Mar­ce­lo ao Con­gres­so em Fo­co.

Come-cotas

O de­pu­ta­do su­ge­riu a Ran­dol­fe que in­cor­po­re ao seu re­la­tó­rio um pro­je­to de lei en­vi­a­do pe­lo ex-​presidente Mi­chel Te­mer ao Con­gres­so ba­ti­za­do de come-​cotas. A pro­pos­ta foi en­ga­ve­ta­da em co­mis­são da Câ­ma­ra. Com es­sa me­di­da, pe­los cál­cu­los do de­pu­ta­do, se­rá pos­sí­vel ar­re­ca­dar R$ 10,7 bi­lhões.

O 13º do Bol­sa Fa­mí­lia de­ve ge­rar des­pe­sa de R$ 2,7 bi­lhões por ano. Já o BPC, que não apa­re­cia na MP de Bol­so­na­ro, R$ 4,7 bi­lhões. “Ain­da so­bra­ri­am mais de R$ 3 bi­lhões”, ob­ser­va Mar­ce­lo. “Sou a fa­vor da tri­bu­ta­ção de lu­cros e di­vi­den­dos. Mas te­nho con­vic­ção de que a tri­bu­ta­ção tem de es­tar li­ga­da à re­du­ção da car­ga tri­bu­tá­ria so­bre o con­su­mo”, jus­ti­fi­ca.

Ran­dol­fe Ro­dri­gues dis­se ao Con­gres­so em Fo­co que es­tá aber­to ao diá­lo­go e que con­si­de­ra um er­ro a es­tra­té­gia do go­ver­no de dei­xar a MP ca­du­car. “É ruim pa­ra o pró­prio go­ver­no. Vai fi­car no­tó­rio que o 13º era de­ma­go­gia de fi­nal de ano em ano pré-​eleitoral”, afir­mou. “Es­tou aber­to a dis­cu­tir ou­tras fon­tes de fi­nan­ci­a­men­to”, res­sal­tou.

Na ter­ça, Ran­dol­fe, Mar­ce­lo Ra­mos e o pre­si­den­te da co­mis­são mis­ta, de­pu­ta­do Ca­mi­lo Ca­pi­be­ri­be (PSB-​AP), vão se reu­nir com téc­ni­cos do Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia e da Ca­sa Ci­vil. “Não po­de­mos fi­car vo­tan­do só ini­ci­a­ti­va fis­cal. Te­mos vis­to a am­pli­a­ção da mi­sé­ria no país. O Es­ta­do tem de au­men­tar seu co­ber­tor de pro­te­ção so­ci­al. Do con­trá­rio, os in­cluí­dos vão ba­ter à por­ta, com vi­o­lên­cia”, dis­se. “Não se po­de tra­tar a po­bre­za no Bra­sil des­sa for­ma”, emen­dou.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,