Os ca­mi­nho­nei­ros de­vem man­ter o pro­tes­to pre­vis­to pa­ra es­ta quarta-​feira (19), mes­mo com o adi­a­men­to do jul­ga­men­to no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) so­bre a cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de da ta­be­la do fre­te. A in­for­ma­ção é do pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra dos Con­du­to­res de Veí­cu­los Au­to­mo­to­res (Abra­va), Wa­la­ce Lan­dim, mais co­nhe­ci­do co­mo Cho­rão.

To­maz Silva/​Agência Bra­sil


Caminhoneiros fizeram greve entre maio e junho do ano passado

Em en­tre­vis­ta ao Con­gres­so em Fo­co nes­ta segunda-​feira (17), o lí­der sin­di­cal ex­pli­cou que a pa­ra­li­sa­ção es­ta­va pre­vis­ta pa­ra mos­trar à so­ci­e­da­de a im­por­tân­cia e a união da ca­te­go­ria, du­ran­te o jul­ga­men­to do me­ca­nis­mo que de­li­mi­ta o va­lor mí­ni­mo dos ser­vi­ços pres­ta­dos pe­los ca­mi­nho­nei­ros.

O jul­ga­men­to que es­ta­va pre­vis­to pa­ra es­ta quar­ta, no en­tan­to, foi adi­a­do pe­lo re­la­tor do ca­so no Su­pre­mo, mi­nis­tro Luiz Fux, a pe­di­do da Ad­vo­ca­cia Ge­ral da União (AGU). O ma­gis­tra­do de­ter­mi­nou tam­bém uma au­di­ên­cia de con­ci­li­a­ção en­tre as par­tes en­vol­vi­das pa­ra 10 de mar­ço.

Cho­rão ex­pli­ca que, mes­mo com o adi­a­men­to, a ca­te­go­ria de­ci­diu man­ter a pa­ra­li­sa­ção, que de­ve ocor­rer das 6h às 18h. A ideia é que os ca­mi­nho­nei­ros não cir­cu­lem, mas não im­pe­çam a pas­sa­gem de ou­tros au­to­mó­veis nas ro­do­vi­as, co­mo ocor­reu na gre­ve an­te­ri­or. “É uma mo­bi­li­za­ção pa­ra mos­trar a união da ca­te­go­ria”, co­men­ta.

Ques­ti­o­na­do se acre­di­ta em uma con­ci­li­a­ção no Su­pre­mo, o pre­si­den­te da Abra­va afir­ma que a ca­te­go­ria quer que a lei vi­gen­te se­ja cum­pri­da e que não ha­ja re­tro­ces­sos. “A OAB tem uma ta­be­la de ho­no­rá­rio há mui­tos anos, os mé­di­cos têm, os en­ge­nhei­ros têm, den­tro do agro tam­bém tem, por que que só pra nós [não ha­ve­ria ta­be­la­men­to]?”, de­fen­de.

O lí­der sin­di­cal ex­pli­ca que per­ma­ne­ce de­fen­den­do a cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de da ta­be­la e afir­ma que, ca­so o Su­pre­mo en­ten­da o con­trá­rio, os ca­mi­nho­nei­ros de­vem pa­ra­li­sar as ati­vi­da­des em se­gui­da. “Nós va­mos de­fen­der is­so até o fim, por­que ela é cons­ti­tu­ci­o­nal”, diz.

'Paralisação é desgaste'

Ou­tro par­ti­ci­pan­te da gre­ve de 2018, o ca­mi­nho­nei­ro Wan­der­lei Al­ves, mais co­nhe­ci­do co­mo De­de­co, de­fen­de que uma pa­ra­li­sa­ção nes­te mo­men­to é um “des­gas­te pa­ra to­do mun­do”. “Não tem o que fa­zer. Mo­vi­men­to ne­nhum vai con­se­guir se le­van­tar nes­te país, en­quan­to o go­ver­no ti­ver uma boa po­pu­la­ri­da­de. Is­so ai é só des­gas­tan­te”, afir­ma.

Ele acre­di­ta que a mo­vi­men­ta­ção des­ta quar­ta não se­rá gran­de e de­se­ja “boa sor­te” aos que de­ci­di­rem pa­ra­li­sar. “Te­nho cer­te­za que se um dia ti­ver que pa­rar va­mos pa­rar, mas não ve­jo pos­si­bi­li­da­de dis­so acon­te­cer nes­te go­ver­no”, afir­ma.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,