En­quan­to o de­ba­te so­bre o des­ti­no dos tra­ba­lha­do­res bra­si­lei­ros re­ve­la um go­ver­no sem ru­mo, go­ver­nos eu­ro­peus ten­tam evi­tar a re­pe­ti­ção da cri­se de 2008 e abrem seus co­fres pa­ra ban­car os sa­lá­ri­os de mi­lhões de pes­so­as.

Ser­gio Perez/​Reuters


Plaza Mayor, marco de Madri, vazia após surto de coronavírus na Espanha

A pre­vi­são da Or­ga­ni­za­ção In­ter­na­ci­o­nal do Tra­ba­lho é de que, em 2020, o de­sem­pre­go no mun­do da­rá um sal­to de 25 mi­lhões de pes­so­as di­an­te da pa­ra­li­sia ge­ra­da pe­la pan­de­mia. Pa­ra evi­tar que tal ce­ná­rio se trans­for­me em uma cri­se hu­ma­ni­tá­ria e o apro­fun­da­men­to da po­bre­za, go­ver­nos eu­ro­peus têm mer­gu­lha­do em no­vos pla­nos de res­ga­te.

Na UE, to­dos es­tão ci­en­tes de que is­so vai ge­rar um de­se­qui­lí­brio nas con­tas dos es­ta­dos, a re­gra de ou­ro pa­ra a exis­tên­cia do eu­ro. Mas os li­mi­tes fo­ram abo­li­dos, jus­ta­men­te pa­ra im­pe­dir que a so­ci­e­da­de não se­ja as­fi­xi­a­da.

A es­tra­té­gia mais com­ple­ta foi ado­ta­da pe­la Sué­cia. O go­ver­no in­di­cou que po­de­rá sub­si­di­ar os tra­ba­lha­do­res pa­ra que pos­sam re­ce­ber 90% de seus sa­lá­ri­os, mes­mo que tra­ba­lhem ho­ras re­du­zi­das ou em ca­sa. Pa­ra ali­vi­ar os em­pre­ga­do­res, to­dos os im­pos­tos fo­ram adi­a­dos pa­ra 2021. Pa­ra ar­car com o pla­no, o go­ver­no vai des­ti­nar 6% do PIB do país, cer­ca de 27 bi­lhões de eu­ros.

A Ale­ma­nha in­di­cou que de­ve re­pe­tir a es­tra­té­gia que ado­tou em 2008 quan­do, pa­ra evi­tar um sal­to no de­sem­pre­go, fe­chou um acor­do com mi­lha­res de em­pre­sas pa­ra ar­car com uma par­ce­la do sa­lá­rio dos tra­ba­lha­do­res. No to­tal, 1,5 mi­lhão de ale­mães fo­ram be­ne­fi­ci­a­dos.

Na vi­zi­nha Di­na­mar­ca, o go­ver­no vai sub­si­di­ar 75% dos sa­lá­ri­os dos tra­ba­lha­do­res, com a con­di­ção de que a em­pre­sa não pro­mo­va de­mis­sões. Na Suí­ça, uma es­pé­cie de seguro-​desemprego foi am­pli­a­do, com um va­lor men­sal de US$ 2,5 mil pa­ra ga­ran­tir que fa­mí­li­as não pas­sem ne­ces­si­da­de.

Na Fran­ça, o go­ver­no fez uma pro­pos­ta ou­sa­da: não dei­xar ne­nhu­ma em­pre­sa fa­lir. Pa­ra is­so, vai des­pe­jar 45 bi­lhões de eu­ros. Pa­ris ain­da re­pe­te o sis­te­ma de pa­ga­men­to de sa­lá­ri­os e ain­da ar­ca­rá com li­cen­ças por do­en­ça, mes­mo que as pes­so­as não es­te­jam do­en­te. Di­an­te do fe­cha­men­to das es­co­las, mi­lha­res de pais são obri­ga­dos a cui­dar de seus fi­lhos, aban­do­nan­do o tra­ba­lho.

A op­ção na Es­pa­nha foi a de de­cre­tar mo­ra­tó­ri­as so­bre o pa­ga­men­to de hi­po­te­cas e con­tas de ser­vi­ços pú­bli­cos pa­ra as pes­so­as cu­jos sa­lá­ri­os fo­ram cor­ta­dos.

Na OIT, o aler­ta é ain­da que cer­tos gru­pos se­rão des­pro­por­ci­o­nal­men­te afe­ta­dos pe­la cri­se do em­pre­go, o que po­de­ria au­men­tar a de­si­gual­da­de. Es­tes gru­pos in­clu­em pes­so­as em em­pre­gos me­nos pro­te­gi­dos e mal re­mu­ne­ra­dos, es­pe­ci­al­men­te jo­vens e tra­ba­lha­do­res mais ve­lhos. As mu­lhe­res e os mi­gran­tes tam­bém. “Es­tes úl­ti­mos são vul­ne­rá­veis de­vi­do à fal­ta de pro­te­ção so­ci­al e de di­rei­tos”, apon­tou a en­ti­da­de.

“Em tem­pos de cri­se co­mo o atu­al, te­mos du­as fer­ra­men­tas que po­dem aju­dar a mi­ti­gar os da­nos e res­tau­rar a con­fi­an­ça do pú­bli­co. Em pri­mei­ro lu­gar, o diá­lo­go so­ci­al, o en­vol­vi­men­to com tra­ba­lha­do­res e em­pre­ga­do­res e seus re­pre­sen­tan­tes, é vi­tal pa­ra cons­truir a con­fi­an­ça pú­bli­ca e o apoio às me­di­das que pre­ci­sa­mos pa­ra su­pe­rar es­ta cri­se”, de­fen­deu Guy Ry­der, diretor-​geral da en­ti­da­de.

“Em se­gun­do lu­gar, as nor­mas in­ter­na­ci­o­nais do tra­ba­lho for­ne­cem uma ba­se com­pro­va­da e con­fiá­vel pa­ra res­pos­tas po­lí­ti­cas que se con­cen­tram em uma re­cu­pe­ra­ção que se­ja sus­ten­tá­vel e equi­ta­ti­va. Tu­do pre­ci­sa ser fei­to pa­ra mi­ni­mi­zar os da­nos às pes­so­as nes­te mo­men­to di­fí­cil”, con­cluiu Ry­der.

Fon­te: UOL/​Coluna do Ja­mil Cha­de

,