O mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gue­des, dis­se em en­tre­vis­ta ao Glo­bo que hou­ve er­ro de re­da­ção na Me­di­da Pro­vi­só­ria (MP) 927/​2020, no tre­cho que per­mi­te a sus­pen­são do con­tra­to de tra­ba­lho por até qua­tro me­ses sem o pa­ga­men­to de sa­lá­rio. Se­gun­do o mi­nis­tro, a equi­pe econô­mi­ca pre­ten­de pre­ser­var os vín­cu­los tra­ba­lhis­tas. O tre­cho se­rá re­vo­ga­do, con­for­me adi­an­tou o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, após for­te re­a­ção do Con­gres­so.

Wil­son Dias/​Agência Bra­sil


Ministro da Economia, Paulo Guedes

“Is­so (sus­pen­são de sa­lá­rio) ja­mais foi con­si­de­ra­do. Hou­ve um er­ro na re­da­ção da MP. O que se que­ria era evi­tar as de­mis­sões em mas­sa, dan­do al­gu­ma fle­xi­bi­li­da­de de sa­lá­rio, mas com o go­ver­no com­ple­men­tan­do, co­mo es­tá sen­do fei­ta em vá­ri­as eco­no­mi­as, afir­mou Gue­des.

A equi­pe econô­mi­ca vai ela­bo­rar me­di­das pa­ra evi­tar de­mis­sões em se­to­res es­pe­cí­fi­cos, co­mo ba­res, res­tau­ran­tes e ho­téis, afe­ta­dos pe­las res­tri­ções im­pos­tas pe­la qua­ren­te­na pro­vo­ca­da pe­la cri­se do co­ro­na­ví­rus. Nes­se ca­so, adi­an­tou ele, em­pre­sas po­de­ri­am pa­gar ape­nas um ter­ço do sa­lá­rio de­vi­do aos em­pre­ga­do­res. O go­ver­no en­tra­ria com uma com­ple­men­ta­ção de mais um ter­ço.

Na se­ma­na pas­sa­da, o go­ver­no anun­ci­ou que per­mi­ti­ria que em­pre­ga­do­res re­du­zis­sem até pe­la me­ta­de sa­lá­ri­os e jor­na­da de tra­ba­lho de fun­ci­o­ná­ri­os. Em com­pen­sa­ção, tra­ba­lha­do­res com ren­da mais bai­xa afe­ta­dos pe­los cor­tes po­de­ri­am an­te­ci­par até 25% do va­lor do seguro-​desemprego a que te­ri­am di­rei­to.

Se­gun­do o dis­po­si­ti­vo da MP que se­rá re­vo­ga­do, du­ran­te o es­ta­do de ca­la­mi­da­de pú­bli­ca, o con­tra­to de tra­ba­lho po­de­ria ser sus­pen­so, pe­lo pra­zo de até qua­tro me­ses, pa­ra par­ti­ci­pa­ção do em­pre­ga­do em cur­so ou pro­gra­ma de qua­li­fi­ca­ção pro­fis­si­o­nal não pre­sen­ci­al ofe­re­ci­do pe­lo em­pre­ga­dor, com du­ra­ção equi­va­len­te à sus­pen­são con­tra­tu­al.

A sus­pen­são não de­pen­de­ria de acor­do ou con­ven­ção co­le­ti­va, po­den­do ser acor­da­da in­di­vi­du­al­men­te com o em­pre­ga­do ou o gru­po de em­pre­ga­dos e se­ria re­gis­tra­da em car­tei­ra de tra­ba­lho fí­si­ca ou ele­trô­ni­ca.

Além dis­so, o em­pre­ga­dor po­de­ria con­ce­der aju­da com­pen­sa­tó­ria men­sal, sem na­tu­re­za sa­la­ri­al, du­ran­te o pe­río­do de sus­pen­são con­tra­tu­al.

O go­ver­no fe­de­ral pro­me­te en­vi­ar ain­da nes­ta se­ma­na uma no­va me­di­da pro­vi­só­ria pa­ra re­gu­la­men­tar a des­ti­na­ção de seguro-​desemprego pa­ra tra­ba­lha­do­res que ti­ve­rem seus con­tra­tos sus­pen­sos. Uma pri­mei­ra MP, pu­bli­ca­da em edi­ção ex­tra do Diá­rio Ofi­ci­al da União, per­mi­te ao em­pre­ga­dor a sus­pen­são das jor­na­das de tra­ba­lho de seus fun­ci­o­ná­ri­os por até qua­tro me­ses sem o pa­ga­men­to de sa­lá­ri­os. O tex­to foi mal re­ce­bi­do no Con­gres­so, tan­to pe­la opo­si­ção quan­to por ali­a­dos do go­ver­no.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,