Di­plo­ma­tas es­tran­gei­ros ba­se­a­dos em Bra­sí­lia re­a­gi­ram com mui­ta pre­o­cu­pa­ção à no­tí­cia, di­vul­ga­da sá­ba­do (4) pe­lo Mi­nis­té­rio da Saú­de, de que em ape­nas 24 ho­ras au­men­tou em 20% o to­tal de mor­tes por covid-​19 ofi­ci­al­men­te re­gis­tra­das no Bra­sil. Até on­tem eram 10.278 ca­sos con­fir­ma­dos e 432 óbi­tos.

BBC

Is­so sig­ni­fi­ca mais do que o do­bro do nú­me­ro de ví­ti­mas fa­tais do aci­den­te da TAM ocor­ri­do em São Pau­lo, em ju­lho de 2007. Foi um dos mai­o­res de­sas­tres da his­tó­ria da avi­a­ção bra­si­lei­ra e ne­le mor­re­ram 199 pes­so­as. Nes­te do­min­go (5), os nú­me­ros atu­a­li­za­dos in­di­cam 11.130 ca­sos con­fir­ma­dos e 486 mor­tes no país.

Mais que o nú­me­ro, po­rém, re­pre­sen­tan­tes de go­ver­nos es­tran­gei­ros se as­sus­ta­ram com o ín­di­ce de cres­ci­men­to por dia. Se ele per­sis­tir, o to­tal de mor­tes pas­sa­rá de 1 mil em cin­co di­as e de 2,2 mil em so­men­te dez di­as. As pre­o­cu­pa­ções de re­pre­sen­tan­tes de go­ver­nos ali­a­dos, que po­dem le­var vá­ri­as na­ções a fe­char os vo­os do e pa­ra o Bra­sil, são com­par­ti­lha­das pe­la co­mu­ni­da­de ci­en­tí­fi­ca.

O fa­to é que a pan­de­mia no país pas­sou da fa­se ini­ci­al, de trans­mis­são di­ta “lo­ca­li­za­da”. Ela ocor­re quan­do é pos­sí­vel iden­ti­fi­car co­mo a pes­soa foi in­fec­ta­da pe­lo no­vo co­ro­na­ví­rus e até de quem pe­gou. Nes­sa pri­mei­ra eta­pa, as ví­ti­mas eram ge­ral­men­te bra­si­lei­ros e bra­si­lei­ras de bom pa­drão econô­mi­co e so­ci­al, que ha­vi­am vi­a­ja­do re­cen­te­men­te ao ex­te­ri­or.

Os es­ta­dos mais vul­ne­rá­veis no mo­men­to à rá­pi­da ex­pan­são da covid-​19 – Rio de Ja­nei­ro, São Pau­lo, Ce­a­rá, Ama­zo­nas e Dis­tri­to Fe­de­ral, se­gun­do o pró­prio Mi­nis­té­rio da Saú­de – pos­su­em al­ta con­cen­tra­ção ae­ro­por­tuá­ria e re­ce­bem gran­des quan­ti­da­des de pas­sa­gei­ros vin­dos do ex­te­ri­or, em es­pe­ci­al dos Es­ta­dos Uni­dos e da Eu­ro­pa, áre­as mui­to afe­ta­das pe­la pan­de­mia.

Ago­ra, es­ta­mos as­sis­tin­do à “trans­mis­são co­mu­ni­tá­ria”, fa­se na qual é im­pos­sí­vel iden­ti­fi­car co­mo a pes­soa foi in­fec­ta­da e em que o ví­rus se pro­pa­ga en­tre mo­ra­do­res de uma mes­ma ci­da­de ou lo­cal, mes­mo que eles não vi­a­ja­do.

Pa­ra o di­re­tor ci­en­tí­fi­co da So­ci­e­da­de de In­fec­to­lo­gia do Dis­tri­to Fe­de­ral, Jo­sé Da­vi Ur­ba­ez, o Bra­sil não dis­põe mais do tem­po que te­ve pa­ra ob­ser­var e apren­der com os exem­plos de ou­tras na­ções, preparando-​se ade­qua­da­men­te pa­ra en­fren­tar a do­en­ça. Ago­ra, diz ele, o mais im­por­tan­te é ga­ran­tir que a pro­pa­ga­ção do ví­rus ocor­ra de for­ma mais len­ta.

De acor­do com o mé­di­co in­fec­to­lo­gis­ta, ain­da não é pos­sí­vel fa­zer pre­vi­sões so­bre o tem­po de du­ra­ção do sur­to no país. “Es­ta­mos tro­can­do o pneu de um car­ro com ele an­dan­do”, en­fa­ti­zou. De qual­quer for­ma, o es­pe­ci­a­lis­ta acre­di­ta que o Bra­sil en­tra­rá, nas pró­xi­mas du­as ou três se­ma­nas, em uma fa­se mais in­ten­sa de dis­se­mi­na­ção do ví­rus.

“Pro­va­vel­men­te as 20 se­ma­nas na fren­te vão re­que­rer de vo­cê, de mim, de to­dos, es­tru­tu­ra que a gen­te nun­ca te­ve. Se­rão di­as mui­to du­ros, de mui­tos pa­ci­en­tes”, acres­cen­tou.

Aspectos estruturais e conjunturais

As epi­de­mi­as de­cor­ren­tes de do­en­ças vi­rais se­guem um pa­drão da ma­te­má­ti­ca cha­ma­do de fun­ção ex­po­nen­ci­al. Es­sa fun­ção se ma­ni­fes­ta em exem­plos prá­ti­cos do dia a dia, des­de fenô­me­nos na­tu­rais até mo­de­los econô­mi­cos de ju­ros.

A di­fe­ren­ça é que, no ca­so das epi­de­mi­as, as va­riá­veis não são con­tro­lá­veis. O pro­fes­sor de ma­te­má­ti­ca Ri­car­do Su­zu­ki ex­pli­ca que ain­da não se sa­be qual é o fa­tor mul­ti­pli­ca­ti­vo da in­fec­ção por co­ro­na­ví­rus. Por­tan­to, não se sa­be qual se­rá a or­dem de cres­ci­men­to da do­en­ça.

Ini­ci­al­men­te, estimou-​se, a par­tir so­bre­tu­do da ex­pe­ri­ên­cia da Chi­na, que ca­da pes­soa in­fec­ta­da po­de­ria trans­mi­tir di­re­ta­men­te o ví­rus pa­ra ou­tras du­as ou três pes­so­as. Pes­qui­sa­do­res con­si­de­ram tal es­ti­ma­ti­va pe­que­na pa­ra paí­ses co­mo o Bra­sil. Pri­mei­ro, por al­gu­mas de nos­sas ca­rac­te­rís­ti­cas es­tru­tu­rais, tais co­mo: a pre­ca­ri­e­da­de dos ser­vi­ços de saú­de pa­ra aten­der a de­man­da mes­mo em tem­pos nor­mais; o gran­de nú­me­ro de ido­sos; o há­bi­to cul­tu­ral do ca­ri­nho, do abra­ço e do “chei­ro”; e o imen­so con­tin­gen­te da po­pu­la­ção que vi­ve amon­to­a­do em fa­ve­las e ca­sas su­per­po­vo­a­das.

Tu­do is­so po­de fa­ci­li­tar a dis­se­mi­na­ção. Há ain­da os as­pec­tos con­jun­tu­rais, as­so­ci­a­dos prin­ci­pal­men­te à qua­li­da­de da in­ter­ven­ção go­ver­na­men­tal. É aqui que o Bra­sil mais se com­pli­ca em ra­zão das su­ces­si­vas ten­ta­ti­vas do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro de mi­ni­mi­zar o pro­ble­ma, des­le­gi­ti­mar o mi­nis­tro da Saú­de e su­as ações e de dis­per­sar es­for­ços – ora ata­can­do go­ver­na­do­res, ora ata­can­do a mí­dia, em vez de unir a so­ci­e­da­de con­tra o co­ro­na­ví­rus.

O di­re­tor da So­ci­e­da­de de In­fec­to­lo­gia do DF clas­si­fi­ca o com­por­ta­men­to de Bol­so­na­ro de “an­ti­pa­trió­ti­co, cri­mi­no­so e ab­so­lu­ta­men­te ir­res­pon­sá­vel”. Se­gun­do ele, há mi­lha­res de pes­so­as que po­dem se­guir a opi­nião de um lí­der e ig­no­rar os fa­tos por me­do de en­ca­rar a re­a­li­da­de.

Crescimento exponencial

Pa­ra en­ten­der o que é cres­ci­men­to ex­po­nen­ci­al, ima­gi­ne uma pes­soa in­fec­ta­da e ad­mi­ta­mos que ela po­de trans­mi­tir o ví­rus pa­ra ape­nas ou­tras três pes­so­as. Con­si­de­re­mos que is­so ocor­reu quan­do o país fun­ci­o­na­va nor­mal­men­te , épo­ca em que Bol­so­na­ro e al­guns de seus se­gui­do­res qua­li­fi­ca­vam de “co­mu­nis­ta” quem se­guia a pres­cri­ção de qua­ren­te­na, fei­ta pe­los es­pe­ci­a­lis­tas qua­se à una­ni­mi­da­de. As­sim, te­ría­mos:

1º dia - 1 pes­soa in­fec­ta 3 = 1 x 3 = 3 pes­so­as in­fec­ta­das
2º dia - 3 pes­so­as in­fec­tam ca­da uma 3 = 3 x3 = 9 pes­so­as in­fec­ta­das
3º dia - 9 x 3 = 27 pes­so­as in­fec­ta­das
4º dia - 27 x 3 = 81 pes­so­as in­fec­ta­das
5º dia - 81 x 3 = 243 pes­so­as in­fec­ta­das
6º dia - 243 x 3 = 729 pes­so­as in­fec­ta­das
7º dia - 729 x 3 = 2.187 pes­so­as in­fec­ta­das

Em­bo­ra bas­tan­te sim­ples, o exem­plo aci­ma mos­tra que so­men­te uma pes­soa, ca­so não cum­pra as re­co­men­da­ções mé­di­cas da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Saú­de (OMS) e do Mi­nis­té­rio da Saú­de, po­de le­var à in­fec­ção de mais de 2 mil pes­so­as no in­ter­va­lo de uma se­ma­na. É o que se de­no­mi­na cres­ci­men­to ex­po­nen­ci­al.

Ci­en­tis­tas bra­si­lei­ros ob­ser­vam que a cur­va de evo­lu­ção do covid-​19 foi pou­co acen­tu­a­da nos pri­mei­ros di­as, mas ad­qui­riu in­cli­na­ção mui­to al­ta ao lon­go do tem­po. O grá­fi­co abai­xo mos­tra que a atu­al pan­de­mia cres­ce bem mais rá­pi­do do que ou­tras du­as do­en­ças vi­rais, cau­sa­das pe­los ví­rus H1N1 (a cha­ma­da gri­pe suí­na) e Sars (que é o “ve­lho” co­ro­na­ví­rus, cau­sa­dor da gri­pe co­mum):

As in­fec­ções por covid-​19 ex­pan­dem de ma­nei­ra mui­to ace­le­ra­da por cau­sa do gran­de po­ten­ci­al de dis­se­mi­na­ção do ví­rus no am­bi­en­te na­ci­o­nal, de­vi­do às con­di­ções es­tru­tu­rais e con­jun­tu­rais men­ci­o­na­das. Acha­tar a cur­va é o prin­ci­pal ob­je­ti­vo das ações de saú­de. “O pro­ble­ma é que pa­ra man­ter a cur­va acha­ta­da dá um tra­ba­lho da­na­do e, se vo­cê per­der o con­tro­le de­la de­pois, di­fi­cil­men­te vo­cê vol­ta ao mes­mo pa­ta­mar”, ex­pli­ca o ma­te­má­ti­co.

“A gen­te tem que tor­cer pa­ra que es­sa cri­se de­mo­re mais a pas­sar. Se a cri­se pas­sar rá­pi­do, ma­te­ma­ti­ca­men­te fa­lan­do is­so sig­ni­fi­ca que mui­ta gen­te vai fi­car sem aten­di­men­to e, con­se­quen­te­men­te, mais gen­te vai mor­rer”, com­ple­ta Ri­car­do Su­zu­ki.

Subnotificação

Su­zu­ki ex­pli­ca que a cons­tru­ção de grá­fi­cos pa­ra acom­pa­nha­men­to da do­en­ça ao lon­go do tem­po de­pen­de da tes­ta­gem de ca­sos. As au­to­ri­da­des fe­de­rais já ad­mi­ti­ram que há uma sub­no­ti­fi­ca­ção no país de­vi­do à fal­ta de tes­tes. Em al­guns ca­sos, fal­tam às se­cre­ta­ri­as es­ta­du­ais e mu­ni­ci­pais de saú­de os in­su­mos ne­ces­sá­ri­os pa­ra fa­zer a tes­ta­gem de to­dos os ca­sos sus­pei­tos.

Es­se da­do, in­clu­si­ve, pa­rou de ser di­vul­ga­do pe­lo Mi­nis­té­rio da Saú­de em mar­ço. Ago­ra, não é pos­sí­vel ter aces­so ao nú­me­ro de pa­ci­en­tes sus­pei­tos, mas so­men­te aos ca­sos con­fir­ma­dos e ao to­tal de óbi­tos re­gis­tra­dos.

A es­tra­té­gia pa­ra ma­ne­jo da epi­de­mia na Co­reia do Sul, por exem­plo, foi de tes­ta­gem am­pla, com iso­la­men­to ape­nas dos in­fec­ta­dos. A ideia no país foi fa­zer a iden­ti­fi­ca­ção o mais ce­do pos­sí­vel. Es­sa es­tra­té­gia, po­rém, exi­ge uma ca­pa­ci­da­de de tes­ta­gem que ne­nhum ou­tro país pos­sui. A Co­reia do Sul só foi ca­paz de ado­tar es­se pro­ce­di­men­to por­que en­fren­tou uma gra­ve cri­se em 2012 com a Mers (Sín­dro­me Res­pi­ra­tó­ria do Ori­en­te Mé­dio) e es­tá uti­li­zan­do ago­ra o que mon­ta­do pa­ra com­ba­te àque­la do­en­ça.

A pre­ca­ri­e­da­de no sis­te­ma de tes­ta­gem bra­si­lei­ro po­de ser con­tor­na­da por ou­tras me­di­ções, co­mo o nú­me­ro de res­pi­ra­do­res me­câ­ni­cos que es­tão sen­do de­man­da­dos e a quan­ti­da­de de lei­tos uti­li­za­dos, afir­ma o mé­di­co in­fec­to­lo­gis­ta Jo­sé Da­vi Ur­ba­ez.

Até a se­ma­na 13, hou­ve in­cre­men­to de 230% em 2020 nas hos­pi­ta­li­za­ções por sín­dro­me res­pi­ra­tó­ria agu­da gra­ve (SRAG) em re­la­ção ao mes­mo pe­río­do de 2019. Na úl­ti­ma se­ma­na, fo­ram 8.048 hos­pi­ta­li­za­ções, en­quan­to no mes­mo mo­men­to do ano pas­sa­do fo­ram re­gis­tra­das 1.123.

“Não há ne­nhu­ma dú­vi­da de que não é uma gri­pe­zi­nha e não há ne­nhu­ma dú­vi­da de que es­tá acon­te­cen­do um pro­ble­ma gra­ve”, dis­se o mé­di­co.

Isolamento social

O me­ca­nis­mo de iso­la­men­to so­ci­al po­de per­mi­tir que a do­en­ça se ma­ni­fes­te de for­ma mais bran­da, aler­tam o mé­di­co e o ma­te­má­ti­co, exa­ta­men­te por­que adi­am a mar­cha de evo­lu­ção das in­fec­ções.

De acor­do com Su­zu­ki, os da­dos de ou­tros paí­ses não dei­xam dú­vi­das de que o iso­la­men­to é uma for­ma efi­caz de con­ten­ção.

“Com cer­te­za ab­so­lu­ta ain­da não che­ga­mos nem per­to do pi­co de con­ta­mi­na­ção”, ga­ran­tiu. Por es­sa ra­zão, ele de­fen­de que se­jam man­ti­das as me­di­das de iso­la­men­to so­ci­al. “Con­tro­les mais ri­go­ro­sos são vi­tais pa­ra um cres­ci­men­to me­nos ace­le­ra­do da cur­va”, ad­ver­tiu.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,