O Mi­nis­té­rio da Saú­de apre­sen­tou nes­ta se­ma­na no­vas re­co­men­da­ções pa­ra o uso de más­ca­ras uti­li­za­das co­mo pro­te­ção con­tra o no­vo co­ro­na­ví­rus. Ago­ra, as más­ca­ras ci­rúr­gi­cas e as do mo­de­lo N95/​PFF2 - que são es­pe­ci­a­li­za­das e, por is­so, pos­su­em um cus­to maior- de­vem ser uti­li­za­das ex­clu­si­va­men­te por pro­fis­si­o­nais dos ser­vi­ços de saú­de, que es­tão na li­nha de fren­te no com­ba­te à pan­de­mia. Pa­ra os de­mais, pas­sa a ser re­co­men­da­da a uti­li­za­ção de más­ca­ras que po­dem ser fei­tas em ca­sa, sem a ne­ces­si­da­de de mui­ta ela­bo­ra­ção - as cha­ma­das de “ca­sei­ras”.

Pi­xa­bay


Ministério da Saúde recomenda a produção e uso de máscaras caseiras

O uso da más­ca­ra co­mo uma pro­te­ção fí­si­ca ao ví­rus não ex­clui a ne­ces­si­da­de de cum­prir as ou­tras re­co­men­da­ções do Mi­nis­té­rio, co­mo por exem­plo, o dis­tan­ci­a­men­to so­ci­al, evi­tar aglo­me­ra­ções e fa­zer o uso do ál­co­ol em gel . “O uso das más­ca­ras ca­sei­ras é mais uma in­ter­ven­ção a ser im­ple­men­ta­da jun­to com as de­mais me­di­das re­co­men­da­das pe­lo Mi­nis­té­rio da Saú­de co­mo o dis­tan­ci­a­men­to so­ci­al, a eti­que­ta res­pi­ra­tó­ria e hi­gi­e­ni­za­ção das mãos vi­san­do in­ter­rom­per o ci­clo da covid-​19”, aler­ta o ór­gão em no­ta téc­ni­ca.

Di­an­te da di­fi­cul­da­de do Bra­sil em ga­ran­tir o es­to­que de equi­pa­men­tos de pro­te­ção in­di­vi­du­al (EPIs), uti­li­za­dos pa­ra evi­tar a ex­po­si­ção ao co­ro­na­ví­rus, a pas­ta en­con­trou nas más­ca­ras ca­sei­ras uma al­ter­na­ti­va pa­ra di­re­ci­o­nar o uso dos ar­ti­gos hos­pi­ta­la­res a um gru­po es­pe­cí­fi­co e evi­tar o de­sa­bas­te­ci­men­to do ma­te­ri­al. “Ago­ra, é lu­tar com as ar­mas que a gen­te tem. Não adi­an­ta a gen­te la­men­tar que a Chi­na não es­tá pro­du­zin­do. Va­mos ter que cri­ar as nos­sas ar­mas, e elas se­rão aque­las que nós ti­ver­mos”, dis­se o mi­nis­tro da Saú­de Luiz Hen­ri­que Man­det­ta.

O Mi­nis­té­rio pu­bli­cou, no si­te ofi­ci­al , na noi­te des­ta quinta-​feira (2) uma car­ti­lha pa­ra ori­en­tar a po­pu­la­ção em co­mo pro­du­zir a pró­pria más­ca­ra. O ór­gão usou co­mo jus­ti­fi­ca­ti­va pa­ra a mu­dan­ça nas re­co­men­da­ções sa­ni­tá­ri­as al­gu­mas pes­qui­sas in­ter­na­ci­o­nais, en­tre elas, uma da Uni­ver­si­da­de de Cam­brid­ge (leia a pes­qui­sa) que de­mons­trou que as más­ca­ras fei­tas em ca­sa “im­pe­dem a dis­se­mi­na­ção de go­tí­cu­las ex­pe­li­das do na­riz ou da bo­ca do usuá­rio no am­bi­en­te”.

Veja abaixo as recomendações do Ministério:

- O uso da más­ca­ra é in­di­vi­du­al, por­tan­to, ela não po­de ser com­par­ti­lha­da. Ca­da pes­soa tem que ter a pró­pria;
- Ela de­ve ser usa­da por cer­ca de du­as ho­ras. De­pois des­se tem­po, é pre­ci­so tro­car. En­tão, o ide­al é que ca­da pes­soa te­nha pe­lo me­nos du­as más­ca­ras de pa­no;
- A más­ca­ra ser­ve de bar­rei­ra fí­si­ca ao ví­rus. Por is­so, é pre­ci­so que ela te­nha pe­lo me­nos du­as ca­ma­das de pa­no, ou se­ja, du­pla fa­ce e que se­ja fei­ta nas me­di­das cor­re­tas co­brin­do to­tal­men­te a bo­ca e na­riz e que es­te­ja bem ajus­ta­da ao ros­to, sem dei­xar es­pa­ços nas la­te­rais;
- Tam­bém é im­por­tan­te ter elás­ti­cos ou ti­ras pa­ra amar­rar aci­ma das ore­lhas e abai­xo da nu­ca. Des­se jei­to, o pa­no es­ta­rá sem­pre pro­te­gen­do a bo­ca e o na­riz e não res­ta­rão es­pa­ços no ros­to;
- Use a más­ca­ra sem­pre que pre­ci­sar sair de ca­sa. Saia sem­pre com pe­lo me­nos uma re­ser­va e le­ve uma sa­co­la pa­ra guar­dar a más­ca­ra su­ja, quan­do pre­ci­sar tro­car;
- Che­gan­do em ca­sa, la­ve as más­ca­ras usa­das com água sa­ni­tá­ria. Dei­xe de mo­lho por cer­ca de dez mi­nu­tos. Após a hi­gi­e­ni­za­ção, as más­ca­ras po­dem ser reu­ti­li­za­das;
- Pa­ra con­fec­ci­o­nar a más­ca­ra é ne­ces­sá­rio um te­ci­do gros­so. Al­guns dos te­ci­dos re­co­men­da­dos são os de al­go­dão, tri­co­li­ne e TNT.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,