A se­ma­na co­me­çou ten­sa em Bra­sí­lia com mais uma su­ces­são de epi­só­di­os que re­fle­tem um pre­si­den­te ca­da vez mais iso­la­do e dis­pos­to a ten­si­o­nar os li­mi­tes da de­mo­cra­cia e da go­ver­na­bi­li­da­de. O pon­to co­mum dos em­ba­tes foi a atu­a­ção do mi­nis­tro da Saú­de, Luiz Hen­ri­que Man­det­ta - que vi­rou al­vo de bol­so­na­ris­tas nas re­des so­ci­ais após o pre­si­den­te dar o si­nal, di­zen­do que seu su­bor­di­na­do ha­via “exa­ge­ra­do” e que pre­ci­sa­va ser “mais hu­mil­de”.

Mar­cel­lo Ca­sal Jr/​Agência Bra­sil


Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta

Ten­tan­do res­ta­be­le­cer a or­dem na­tu­ral de um go­ver­no, em que o pre­si­den­te é fi­gu­ra pú­bli­ca com mais pres­tí­gio que seus mi­nis­tros, ali­a­dos de Bol­so­na­ro ata­ca­ram Man­det­ta por di­ver­sos flan­cos. Com o vo­ca­bu­lá­rio ha­bi­tu­al, Ola­vo de Car­va­lho pe­diu sua saí­da do Mi­nis­té­rio: “Fo­ra, mi­nis­tro Pu­nhet­ta!”. Ao mes­mo tem­po, um dos bra­ços da co­mu­ni­ca­ção da re­de bol­so­na­ris­ta acu­sou o mi­nis­tro de ob­ter o apoio da im­pren­sa por meio de con­tra­tos de pu­bli­ci­da­de fir­ma­dos pe­la pas­ta.

O des­gas­te en­tre pre­si­den­te e mi­nis­tro, que já era evi­den­te des­de a se­ma­na pas­sa­da, foi acir­ra­do pe­la par­ti­ci­pa­ção de Man­det­ta na li­ve a du­pla ser­ta­ne­ja Jor­ge e Matheus, que al­can­çou mais de 3 mi­lhões de vi­su­a­li­za­ções si­mul­tâ­ne­as na noi­te de sá­ba­do (4).

Mandetta contraria Bolsonaro e volta a pedir para que não haja aglomerações

A ten­são cri­a­da den­tro do bol­so­na­ris­mo al­can­çou seu ápi­ce no meio da tar­de, quan­do a de­mis­são de Man­det­ta pas­sou a ser vis­ta co­mo cer­ta. O jor­nal O Glo­bo che­gou a no­ti­ci­ar que a de­ci­são de Bol­so­na­ro já ti­nha si­do to­ma­da e o mi­nis­tro se­ria de­mi­ti­do ain­da nes­ta segunda-​feira. A in­for­ma­ção não era ape­nas d’O Glo­bo. De den­tro do Mi­nis­té­rio da Saú­de, o de­pu­ta­do Hi­ran Gon­çal­ves (PP-​RR), que pre­si­de a fren­te par­la­men­tar da me­di­ci­na, fez um ví­deo do que se­ri­am os úl­ti­mos mo­men­tos de Man­det­ta no co­man­do da pas­ta.

Deputado Hiran Gonçalves fala sobre possível demissão de Mandetta

O qua­dro co­me­çou a mu­dar quan­do as re­a­ções a ame­a­ça de Bol­so­na­ro co­me­ça­ram a vir de vá­ri­os pon­tos de Bra­sí­lia. Do Se­na­do, o pre­si­den­te Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-​AP) fez che­gar ao pre­si­den­te que os se­na­do­res apoi­am o mi­nis­tro da Saú­de; da ala mi­li­tar, a lei­tu­ra de que a de­mis­são po­de­ria abrir es­pa­ço pa­ra que o Con­gres­so aco­lhes­se um dos pe­di­dos de im­pe­a­ch­ment que fo­ram apre­sen­ta­dos con­tra o pre­si­den­te.

Em en­tre­vis­ta co­le­ti­va con­ce­di­da per­to das 20h30, Man­det­ta con­fir­mou que su­as pró­pri­as ga­ve­tas fo­ram es­va­zi­a­das nes­ta tar­de.

Quem faz uma lei­tu­ra acu­ra­da do que en­se­ja tan­ta ten­são den­tro do go­ver­no é o ci­en­tis­ta po­lí­ti­co e eco­no­mis­ta Ri­car­do de João Bra­ga, co­au­tor do Fa­rol Po­lí­ti­co.

“Te­mos um pre­si­den­te com sé­ri­as li­mi­ta­ções no mo­men­to. A com­pre­en­são da cri­se, do mun­do e do pa­pel do Bra­sil e do go­ver­no pa­re­ce lhe es­ca­par. Tam­bém tem se mos­tra­do fra­co po­li­ti­ca­men­te, co­mo ve­mos até quan­do seus mi­nis­tros o de­sau­to­ri­zam. Se o pro­ces­so de per­da de po­pu­la­ri­da­de per­sis­tir e o pre­si­den­te con­ti­nu­ar nes­sa bus­ca in­ces­san­te por um po­der qua­se pa­tri­ar­cal, cul­ti­van­do es­sa ima­gem do mi­to que as pes­so­as têm que se­guir ce­ga­men­te, ve­jo pos­si­bi­li­da­de de tu­do is­so de­sem­bo­car no im­pe­a­ch­ment. Até por­que Bol­so­na­ro de­ve­ria es­tar pro­du­zin­do re­sul­ta­dos pa­ra os seus elei­to­res e pa­ra os em­pre­sá­ri­os que apos­ta­ram ne­le, e es­ses re­sul­ta­dos até ago­ra não apa­re­ce­ram e se tor­na­ram bem mais im­pro­vá­veis com a pan­de­mia. E re­sul­ta­do é a palavra-​chave, ele­men­to so­ter­ra­do e es­que­ci­do em­bai­xo de po­lê­mi­cas e re­des so­ci­ais.”

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,