Du­ran­te uma con­fe­rên­cia on­li­ne re­a­li­za­da na ma­nhã des­ta terça-​feira (7), o epi­de­mi­o­lo­gis­ta da Or­ga­ni­za­ção Pan-​Americana da Saú­de (OPAS), Jar­bas Bar­bo­sa da Sil­va, co­men­tou so­bre a pan­de­mia da covid-​19, e as ações que de­vem ser de­sem­pe­nha­das pe­los go­ver­nos dos paí­ses.

Tâ­nia Rêgo/​Agência Bra­sil


Espaço público para exercícios é interditado pela Defesa Civil no RJ

Jar­bas Bar­bo­sa é sub­di­re­tor da OPAS, que é o bra­ço da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS) nas Amé­ri­cas. Ele ava­lia que o iso­la­men­to so­ci­al e a sus­pen­são das ati­vi­da­des são im­por­tan­tes pa­ra de­sa­fo­gar o sis­te­ma de saú­de. “Quan­do a gen­te ‘pa­ra’ as ati­vi­da­des de um país, man­ten­do ape­nas as es­sen­ci­ais, a gen­te es­tá com­pran­do tem­po pa­ra que as UTIs e res­pi­ra­do­res não fi­quem so­bre­car­re­ga­dos e que as pes­so­as não mor­ram por cau­sa dis­so”, diz. Sem o dis­tan­ci­a­men­to so­ci­al, o ris­co é de que mui­tas pes­so­as fi­quem do­en­tes ao mes­mo tem­po e que o nú­me­ro de hos­pi­tais não con­si­gam aten­der à de­man­da.

O re­tor­no às ati­vi­da­des ain­da não pos­sui pre­vi­são, mas ca­so o mo­men­to che­gue, o epi­de­mi­o­lo­gis­ta ana­li­sa que a tran­si­ção pre­ci­sa ser fei­ta es­tra­te­gi­ca­men­te. “A vol­ta pre­ci­sa ser cui­da­do­sa e pla­ne­ja­da, olhan­do a di­nâ­mi­ca de trans­mis­são e ní­vel de ocu­pa­ção das UTIs e res­pi­ra­do­res. Es­se é um ca­mi­nho cui­da­do­so e pla­ne­ja­do”, co­men­ta.

As ava­li­a­ções do es­pe­ci­a­lis­ta acon­te­ce­ram du­ran­te um o we­bi­nar Saú­de e Co­mu­ni­ca­ção Co­nec­ta­das — No­vas pers­pec­ti­vas pa­ra as li­de­ran­ças em épo­ca de co­ro­na­ví­rus. Além do mé­di­co, par­ti­ci­pa­ram do en­con­tro vir­tu­al o edu­ca­dor Cláu­dio The­bas, pu­bli­ci­tá­rio, pa­lha­ço e es­cri­tor; e a jor­na­lis­ta Pa­tri­cia Ma­rins, sócia-​diretora da In Press Ofi­ci­na. A me­di­a­ção foi fei­ta pe­la jor­na­lis­ta Fer­nan­da Lam­ba­ch.

Importância da comunicação

Pa­ra o epi­de­mi­o­lo­gis­ta, quan­do o go­ver­no ado­ta a pos­tu­ra de es­cla­re­cer à po­pu­la­ção a ne­ces­si­da­de de cum­prir o iso­la­men­to so­ci­al e ou­tras me­di­das pre­ven­ti­vas, ele se­gue uma es­tra­té­gia que sal­va vi­das. “É mui­to im­por­tan­te pri­mei­ro que o go­ver­no aja co­mo um to­do, to­man­do to­das as me­di­das pa­ra re­du­zir o im­pac­to so­ci­al e econô­mi­co que vai ocor­rer e, ao mes­mo tem­po, pro­vi­den­ci­an­do in­for­ma­ções de ma­nei­ra que as pes­so­as sai­bam exa­ta­men­te o que es­tá ocor­ren­do e o que is­so es­tá pou­pan­do de vi­das e re­du­zin­do a so­bre­car­ga nos lei­tos de UTI e res­pi­ra­do­res”.

Se­gun­do ele, quan­do há cons­ci­en­ti­za­ção so­bre os be­ne­fí­ci­os cau­sa­dos ao se­guir as ori­en­ta­ções sa­ni­tá­ri­as pro­pos­tas pe­lo go­ver­no, é pos­sí­vel um au­men­to na ade­são de­las. “É im­por­tan­te que is­so se­ja bem co­mu­ni­ca­do pa­ra que as pes­so­as sai­bam que não é uma in­ven­ção de nin­guém e que se tra­ta de uma ame­ça à saú­de pu­bli­ca re­al e que nós te­mos os mei­os pa­ra enfrentá-​la, se es­ses mei­os fo­rem uti­li­za­dos de ma­nei­ra ple­na com o apoio mui­to gran­de da so­ci­e­da­de”, en­fa­ti­za.

Jar­bas con­si­de­ra co­mo “ab­so­lu­ta­men­te ina­cei­tá­vel” a ação dos Es­ta­dos Uni­dos de pa­gar va­lo­res mui­to aci­ma do pre­ço de mer­ca­do pa­ra ad­qui­ri­rem car­gas de equi­pa­men­tos de pro­te­ção in­di­vi­du­al (EPIs) con­tra o covid-​19, que es­ta­vam des­ti­na­das a abas­te­cer ou­tros paí­ses. A prá­ti­ca foi de­nun­ci­a­da por di­ver­sos paí­ses, en­tre eles, a Fran­ça. “Is­so que a gen­te es­ta ven­do no mun­do ho­je nos Es­ta­dos Uni­dos, na Tur­quia e na Eu­ro­pa de se­gu­rar car­ga de ou­tros paí­ses é ab­so­lu­ta­men­te ina­cei­tá­vel. Creio que o mun­do vai ter que de­ba­ter co­mo cri­ar me­ca­nis­mos que ga­ran­tam aces­so equi­ta­ti­vo pa­ra que os paí­ses po­bres não dei­xem de ter ins­tru­men­tos que po­dem sal­var vi­das”, fri­sou.

Sem medicamentos aprovados

Quan­to a clo­ro­qui­na e ou­tros me­di­ca­men­tos que tem si­dos apre­sen­ta­dos co­mo pro­mes­sa de uma pos­sí­vel cu­ra ou tra­ta­men­to pa­ra a do­en­ça, ele en­fa­ti­za que ain­da não exis­te um me­di­ca­men­to ca­paz de ame­ni­zar os sin­to­mas e qua­dro do covid-​19. “É al­go que po­de­mos di­zer com to­da a fran­que­za: nós não te­mos ain­da um me­di­ca­men­to ca­paz de re­du­zir a gra­vi­da­de do covid-​19. Os es­tu­dos que fo­ram pu­bli­ca­dos so­bre a clo­ro­qui­na, por exem­plo, quan­do se faz uma re­vi­são sis­te­má­ti­ca so­bre eles, eles são ab­so­lu­ta­men­te in­ca­pa­zes de pro­var que a clo­ro­qui­na es­te­ja fa­zen­do com que os pa­ci­en­tes não mor­ram ou que os pa­ci­en­tes não evo­lu­am pa­ra uma gra­vi­da­de”, ex­pli­ca.

Mes­mo sem a efi­cá­cia com­pro­va­da ci­en­ti­fi­ca­men­te, o uso da clo­ro­qui­na con­tra o covid-​19 foi de­fen­di­do em di­ver­sas oca­siões pe­lo pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jair Bol­so­na­ro.

Assista ao vídeo completo

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,