Ser­gio Mo­ro dis­se nes­ta sexta-​feira (24), ao dei­xar o car­go de Mi­nis­tro da Jus­ti­ça e Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, que a de­ci­são de mu­dar o co­man­do da Po­lí­cia Fe­de­ral foi mo­ti­va­da por uma pre­o­cu­pa­ção do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro com um inqué­ri­to no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF).

Mar­ce­lo Camargo/​Agência Brasil

“Pre­si­den­te tam­bém me in­for­mou que ti­nha pre­o­cu­pa­ção com inqué­ri­tos em cur­sos no STF e que a tro­ca em cur­so se­ria por es­se mo­ti­vo”. O ago­ra ex-​ministro não men­ci­o­nou qual é a in­ves­ti­ga­ção. O fi­lho mais ve­lho do pre­si­den­te, se­na­dor Flá­vio Bol­so­na­ro (Republicanos-​RJ), tem um inqué­ri­to aber­to con­tra ele por sus­pei­tas de la­va­gem de di­nhei­ro ao acu­mu­lar sa­lá­ri­os de assessores.

Mo­ro dis­se que fi­cou sur­pre­en­di­do e achou ofen­si­vo o mo­do co­mo foi pu­bli­ca­da a de­mis­são de Mau­rí­cio Va­lei­xo do co­man­do da Po­lí­cia Fe­de­ral no Diá­rio Ofi­ci­al da União.

A edi­ção des­ta sexta-​feira in­for­ma­va que a de­mis­são ha­via si­do a pe­di­do de Va­lei­xo e con­ta­va com au­to­ri­za­ção de Mo­ro. “A exo­ne­ra­ção que foi pu­bli­ca­da, fi­quei sa­ben­do pe­lo DOU, não as­si­nei es­se de­cre­to, em ne­nhum mo­men­to is­so foi tra­zi­do e em ne­nhum mo­men­to foi pedido”.

Ao fa­lar so­bre a Po­lí­cia Fe­de­ral, Mo­ro fez um elo­gio ao go­ver­no da ex-​presidente Dil­ma Rous­seff (PT) e dis­se que a ad­mi­nis­tra­ção da­que­la épo­ca per­mi­tiu a PF tra­ba­lhar de for­ma autô­no­ma. No en­tan­to, ele res­sal­tou que o go­ver­no da ex-​presidente era fo­co de ca­sos de corrupção.

O no­me apon­ta­do co­mo pre­fe­ri­do por Bol­so­na­ro pa­ra ocu­par o car­go de Mo­ro é do atu­al mi­nis­tro da Se­cre­ta­ria Ge­ral, Jor­ge Oliveira.

Se­na­do­res ali­a­dos de Mo­ro ou­vi­dos pe­lo Con­gres­so em Fo­co ava­li­am que a es­co­lha de Jor­ge Oli­vei­ra, ma­jor re­for­ma­do da Po­lí­cia Mi­li­tar, vai am­pli­ar ain­da mais o atri­to da clas­se de de­le­ga­dos da PF com o governo.

Ao fa­lar so­bre seu fu­tu­ro, o ex-​juiz afir­mou que em um pri­mei­ro mo­men­to vai des­can­sar. “Aban­do­nei 22 anos de ma­gis­tra­tu­ra, in­fe­liz­men­te é um ca­mi­nho sem vol­ta, mas eu sa­bia dos ris­cos. vou des­can­sar um pou­co. Vou pro­cu­rar mais adi­an­te um em­pre­go, não en­ri­que­ci no ser­vi­ço pu­bli­co, nem co­mo ma­gis­tra­do nem co­mo ministro”.

A re­la­ção en­tre Bol­so­na­ro e Mo­ro es­ta­va es­tre­me­ci­da há me­ses de­vi­do às in­ter­fe­rên­ci­as de Bol­so­na­ro no co­man­do da ins­ti­tui­ção. A mu­dan­ça no co­man­do da PF es­ta­va sen­do con­si­de­ra­da des­de o iní­cio do se­gun­do se­mes­tre de 2019 e che­gou a ser vo­ca­li­za­da mais de uma vez por Bol­so­na­ro em en­tre­vis­tas coletivas.

A re­la­ção en­tre Bol­so­na­ro e Mo­ro tem si­do mar­ca­da por con­fli­tos des­de o iní­cio do go­ver­no. O pri­mei­ro acon­te­ceu ain­da em ja­nei­ro do ano pas­sa­do, quan­do Bol­so­na­ro ig­no­rou as su­ges­tões do seu mi­nis­tro da Jus­ti­ça e da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca ao as­si­nar o de­cre­to que afrou­xou o con­tro­le de armas.

Em fe­ve­rei­ro, Mo­ro pas­sou pe­lo cons­tran­gi­men­to de des­con­vi­dar a es­pe­ci­a­lis­ta em se­gu­ran­ça Ilo­na Sza­bó pa­ra uma va­ga de su­plen­te no Con­se­lho Na­ci­o­nal de Po­lí­ti­ca Cri­mi­nal e Pe­ni­ten­ciá­ria, ór­gão con­sul­ti­vo do Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça, após o no­me de­la ser ata­ca­do nas re­des so­ci­ais por bolsonaristas.

Sér­gio Mo­ro tam­bém fi­cou so­li­tá­rio na de­fe­sa da per­ma­nên­cia do Con­se­lho de Con­tro­le de Ati­vi­da­des Fi­nan­cei­ras (Co­af) no Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça. Não só o ór­gão foi trans­fe­ri­do pa­ra o Ban­co Cen­tral co­mo foi de­mi­ti­do o seu pre­si­den­te, Ro­ber­to Le­o­nel, au­di­tor fis­cal de car­rei­ra que atu­ou na La­va Ja­to e foi in­di­ca­do por Mo­ro pa­ra a função.

Em ja­nei­ro des­te ano, Bol­so­na­ro vol­tou a fus­ti­gar Mo­ro e dis­se em en­tre­vis­ta co­le­ti­va que co­gi­ta­va re­cri­ar o Mi­nis­té­rio da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, es­va­zi­an­do ações da pas­ta co­man­da­da pe­lo ex-juiz.

Fon­te: Con­gres­so em Foco

,