O ex-​ministro Ser­gio Mo­ro dis­se ao Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), atra­vés de seus ad­vo­ga­dos, que abre mão do si­gi­lo do de­poi­men­to que pres­tou na Po­lí­cia Fe­de­ral no úl­ti­mo sá­ba­do (2). Se­gun­do o do­cu­men­to, Mo­ro quer a di­vul­ga­ção do de­poi­men­to pa­ra evi­tar in­ter­pre­ta­ções fo­ra de contexto.

Fa­bio Ro­dri­gues Pozzebom/​Agência Brasil


O ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro

O de­poi­men­to faz par­te do inqué­ri­to que apu­ra uma pos­sí­vel in­ter­fe­rên­cia do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro nos tra­ba­lhos da PF. De acor­do com Mo­ro, o pre­si­den­te ten­tou in­ter­fe­rir po­li­ti­ca­men­te na Po­lí­cia Fe­de­ral. A de­fe­sa de Mo­ro afir­ma que to­dos os fa­tos re­le­van­tes do inqué­ri­to são de in­te­res­se público.

De acor­do com a co­lu­nis­ta Be­la Me­ga­le, do jor­nal O Glo­bo, em seu de­poi­men­to Mo­ro re­for­çou acu­sa­ções e en­ca­mi­nhou pro­vas no­vas con­tra o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro em re­la­ção à acu­sa­ção de in­ter­ven­ção na PF.

A re­vis­ta Ve­ja afir­mou que além das men­sa­gens de What­sapp, o ex-​juiz tam­bém en­tre­gou pa­ra a po­lí­cia, men­sa­gens de áu­dio do pre­si­den­te da República.

O pe­di­do de de­poi­men­to foi fei­to pe­lo mi­nis­tro do STF Cel­so de Mel­lo, que re­la­ta o ca­so na Cor­te. A in­ves­ti­ga­ção foi aber­ta a pe­di­do do pro­cu­ra­dor ge­ral da Re­pú­bli­ca, Au­gus­to Aras, e au­to­ri­za­da pe­lo Supremo.

O inqué­ri­to so­li­ci­ta­do por Aras vi­sa apu­rar tan­to a con­du­ta de Bol­so­na­ro quan­to a ve­ra­ci­da­de das acu­sa­ções de Mo­ro. Se o ex-​juiz es­ti­ver men­tin­do, te­rá de res­pon­der por de­nun­ci­a­ção caluniosa.

Em en­tre­vis­ta à re­vis­ta Ve­ja, Mo­ro clas­si­fi­cou co­mo “in­ti­mi­da­tó­ria” a re­qui­si­ção de aber­tu­ra de inqué­ri­to que o co­lo­ca co­mo pos­sí­vel res­pon­sá­vel por ca­lú­nia e de­nun­ci­a­ção caluniosa.

A pro­cu­ra­do­ria dis­se, em no­ta, que a pe­ti­ção de inqué­ri­to “ape­nas nar­ra fa­tos e se con­tém nos li­mi­tes do exer­cí­cio das prer­ro­ga­ti­vas do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, sem po­ten­ci­al de­ci­só­rio pa­ra pren­der, con­du­zir co­er­ci­ti­va­men­te, re­a­li­zar bus­ca e apre­en­são, atos tí­pi­cos de juí­zes - e, só por is­so, não tem ca­rá­ter intimidatório”.

Fon­te: Con­gres­so em Foco

,