O Se­na­do re­a­li­za ses­são re­mo­ta nes­ta quinta-​feira (14), a par­tir das 16h, pa­ra vo­tar o pro­je­to que es­ta­be­le­ce um te­to de 20% ao ano nos ju­ros dos car­tões de cré­di­to e che­que es­pe­ci­al pa­ra dí­vi­das con­traí­das en­tre os me­ses de mar­ço de 2020 e ju­lho de 2021 (PL 1542/​2020). De acor­do com o tex­to, o Ban­co Cen­tral se­rá o res­pon­sá­vel pe­la re­gu­la­men­ta­ção e fis­ca­li­za­ção. Du­ran­te es­se pe­río­do, os ban­cos e ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras não po­de­rão re­du­zir o li­mi­te de cré­di­to de seus cli­en­tes.

Mar­cos Santos/​USP


Juros cobrados por cartões de crédito no Brasil estão entre os mais altos do mundo

A me­di­da faz par­te do pa­co­te de ini­ci­a­ti­vas do Con­gres­so pa­ra ame­ni­zar a cri­se econô­mi­ca de­sen­ca­de­a­da pe­la pan­de­mia de covid-​19. Se­gun­do o Ban­co Cen­tral, o ju­ro mé­dio do che­que es­pe­ci­al fi­cou em 130% ao ano pa­ra pes­so­as fí­si­cas em mar­ço. No ca­so do car­tão de cré­di­to, a ta­xa mé­dia do ro­ta­ti­vo re­gu­lar (quan­do há pe­lo me­nos o pa­ga­men­to da fa­tu­ra mí­ni­ma) fi­cou em 296,1% ao ano.

Au­tor do pro­je­to, o lí­der do Po­de­mos no Se­na­do, Al­va­ro Di­as (PR), afir­ma que a fi­xa­ção de um te­to já era ne­ces­sá­ria em con­di­ções nor­mais, mas se tor­nou ain­da mais ur­gen­te ago­ra de­vi­do às di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras en­fren­ta­das por quem per­deu em­pre­go ou te­ve o sa­lá­rio re­du­zi­do des­de o iní­cio da cri­se.

“O pe­que­no em­pre­sá­rio, o pro­fis­si­o­nal li­be­ral ou o em­pre­ga­do que dei­xar de ter ren­da e pos­suir car­tão de cré­di­to, se­gu­ra­men­te vai usar es­se car­tão pa­ra com­prar o que pre­ci­sar. Con­ti­nu­an­do sem ren­da, mui­tos, nes­ses me­ses de pa­ra­li­sa­ção e no iní­cio da re­to­ma­da da eco­no­mia, não con­se­gui­rão pa­gar a to­ta­li­da­de da fa­tu­ra dos car­tões e en­tra­rão no par­ce­la­men­to ro­ta­ti­vo, on­de os ju­ros su­pe­ram 300% ao ano”, jus­ti­fi­ca o se­na­dor.

Se­gun­do Al­va­ro, o en­di­vi­da­men­to no car­tão de cré­di­to e che­que es­pe­ci­al cria um pas­si­vo enor­me, dre­na os re­cur­sos das fa­mí­li­as bra­si­lei­ras e di­fi­cul­ta ain­da mais a re­to­ma­da da ati­vi­da­de econô­mi­ca. “Os ju­ros al­tos in­du­zem a ina­dim­plên­cia, que por sua vez, ele­vam o ris­co e o cus­to da ope­ra­ção”, ob­ser­va o lí­der do Po­de­mos.

Nes­ta se­ma­na de es­for­ço con­cen­tra­do, os se­na­do­res tam­bém de­ve­rão ana­li­sar as se­guin­tes ma­té­ri­as: sus­pen­são do ajus­te anu­al dos pre­ços de me­di­ca­men­tos e dos pla­nos e se­gu­ros de saú­de (PL 1542/​2020), in­clu­são na co­ber­tu­ra de se­gu­ros de vi­da óbi­tos de­cor­ren­tes de epi­de­mi­as ou pan­de­mi­as (PL 890/​2020) e o pro­je­to que au­to­ri­za ins­ti­tui­ções de en­si­no a an­te­ci­par re­ce­bí­veis (PL 1886/​2020).

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,