A So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de Imu­no­lo­gia (SBI) emi­tiu uma pa­re­cer so­bre uso de clo­ro­qui­na pa­ra o tra­ta­men­to de pa­ci­en­tes com covid-​19. O do­cu­men­to res­sal­ta que até o mo­men­to não exis­te te­ra­pia com­pro­va­da­men­te efe­ti­va pa­ra o tra­ta­men­to do co­ro­na­ví­rus e que es­se me­di­ca­men­to em ques­tão, tem efei­tos co­la­te­rais que po­dem le­var a mor­te de pa­ci­en­tes. Ig­no­ran­do as evi­dên­ci­as ci­en­tí­fi­cas, o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro faz cam­pa­nha in­ten­si­va do me­di­ca­men­to.

Re­pro­du­ção


Presidente Jair Bolsonaro defende a utilização da cloroquina

A clo­ro­qui­na ou hi­dro­xi­clo­ro­qui­na são al­gu­mas das es­tra­té­gi­as te­ra­pêu­ti­cas que têm si­do tes­ta­das pa­ra tra­tar a do­en­ça. Mas o do­cu­men­to da SBI res­sal­ta que, mes­mo que o re­mé­dio te­nha efi­cá­cia com­pro­va­da em ou­tras en­fer­mi­da­des, co­mo ma­lá­ria e do­en­ças reu­má­ti­cas, os fár­ma­cos apre­sen­tam des­cri­ção de efei­tos ad­ver­sos co­mo in­fla­ma­ções da re­ti­na ocu­lar, per­da de cons­ci­ên­cia, con­vul­são, pro­lon­ga­men­to QT (que se re­la­ci­o­na com al­te­ra­ção da frequên­cia car­día­ca) e to­xi­da­de car­día­ca, sen­do exi­gi­do con­tí­nuo mo­ni­to­ra­men­to mé­di­co dos in­di­ví­du­os em uso da clo­ro­qui­na ou hi­dro­xi­clo­ro­qui­na.

Em es­tu­do re­cen­te com 1.438 pa­ci­en­tes com covid-​19, que es­ta­vam em 25 hos­pi­tais di­fe­ren­tes, fo­ram ava­li­a­dos qua­tro tra­ta­men­tos: hi­dro­xi­clo­ro­qui­na e azi­tro­mi­ci­na, hi­dro­xi­clo­ro­qui­na, azi­tro­mi­ci­na e sem uso des­ses fár­ma­cos. Os pa­ci­en­tes que re­ce­be­ram “hi­dro­xi­clo­ro­qui­na e azi­tro­mi­ci­na apre­sen­ta­ram uma mai­or in­ci­dên­cia de fa­lên­cia car­día­ca quan­do com­pa­ra­do com o gru­po sem tra­ta­men­to”, de­mons­trou o es­tu­do.

Se­gun­do os ci­en­tis­tas, não hou­ve ne­nhu­ma “me­lho­ra sig­ni­fi­ca­ti­va quan­to à mor­ta­li­da­de quan­do fo­ram ava­li­a­dos os gru­pos de pa­ci­en­tes que re­ce­be­rem hi­dro­xi­clo­ro­qui­na, azi­tro­mi­ci­na ou am­bos os fár­ma­cos em as­so­ci­a­ção em com­pa­ra­ção com o gru­po sem tra­ta­men­to”.

Em ou­tro es­tu­do, fo­ram ava­li­a­dos 1.376 pa­ci­en­tes com co­ro­na­ví­rus. Nes­se es­tu­do os pa­ci­en­tes fo­ram ava­li­a­dos quan­to a ne­ces­si­da­de de in­tu­ba­ção oro­tra­que­al e óbi­to com du­as fren­tes: com ou sem tra­ta­men­to com hi­dro­xi­clo­ro­qui­na. “Es­se es­tu­do mos­trou que a in­tro­du­ção do tra­ta­men­to com hi­dro­xi­clo­ro­qui­na não foi as­so­ci­a­da com a di­mi­nui­ção ou au­men­to do ris­co de in­tu­ba­ção ou óbi­to quan­do com­pa­ra­do com os pa­ci­en­tes que não re­ce­be­ram es­se fár­ma­co” apon­ta a So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de Imu­no­lo­gia.

A mai­o­ria dos pa­ci­en­tes dos es­tu­dos aci­ma men­ci­o­na­dos, já es­ta­vam em es­ta­do gra­ve quan­do re­ce­be­ram es­ses fár­ma­cos. Por is­so, re­cen­te­men­te, fo­ram ava­li­a­dos pa­ci­en­tes com covid-​19 em es­ta­do mo­de­ra­do. Nes­se es­tu­do fo­ram ava­li­a­dos 150 pa­ci­en­tes em du­as fren­tes: com ou sem tra­ta­men­to com hi­dro­xi­clo­ro­qui­na. O re­sul­ta­do foi que não hou­ve di­fe­ren­ça quan­to à evo­lu­ção dos pa­ci­en­tes que usa­ram ou não es­se fár­ma­co, po­rém fo­ram ob­ser­va­dos vá­ri­os efei­tos co­la­te­rais.

Um ou­tro es­tu­do com 90 pa­ci­en­tes com covid-​19, ob­ser­vou que os in­di­ví­du­os em uso da hi­dro­xi­clo­ro­qui­na ti­ve­ram um ris­co au­men­ta­do de apre­sen­tar pro­ble­mas car­día­cos.

Em ou­tro es­tu­do foi ob­ser­va­do que pa­ci­en­tes gra­ves com covid-​19, não de­vem ser sub­me­ti­dos a uti­li­za­ção de al­ta do­se de clo­ro­qui­na co­mo tra­ta­men­to úni­co ou em as­so­ci­a­ção com azi­tro­mi­ci­na ou osel­ta­mi­vir, de­vi­do a se­gu­ran­ça far­ma­co­ló­gi­ca re­la­ci­o­na­da aos pro­ble­mas car­día­cos e a le­ta­li­da­de.

“Ba­se­a­dos nas evi­dên­ci­as atu­ais que ava­li­a­ram a uti­li­za­ção da hi­dro­xi­clo­ro­qui­na pa­ra a te­ra­pêu­ti­ca da COVID-​19, a So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de Imu­no­lo­gia con­clui que ain­da é pre­co­ce a re­co­men­da­ção de uso des­te me­di­ca­men­to na COVID-​19, vis­to que di­fe­ren­tes es­tu­dos mos­tram não ha­ver be­ne­fí­ci­os pa­ra os pa­ci­en­tes que uti­li­za­ram hi­dro­xi­clo­ro­qui­na”, afir­mou a SBI.

Os es­pe­ci­a­lis­tas res­sal­tam que o me­di­ca­men­to con­tém efei­tos “ad­ver­sos gra­ves que de­vem ser le­va­dos em con­si­de­ra­ção”. “Des­ta for­ma, a SBI for­te­men­te re­co­men­da que se­jam aguar­da­dos os re­sul­ta­dos dos es­tu­dos ran­do­mi­za­dos mul­ti­cên­tri­cos em an­da­men­to, in­cluin­do o es­tu­do co­or­de­na­do pe­la OMS [Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de], pa­ra ob­ter uma me­lhor con­clu­são quan­to à re­al efi­cá­cia da hi­dro­xi­clo­ro­qui­na e su­as as­so­ci­a­ções pa­ra o tra­ta­men­to da COVID-​19”.

A en­ti­da­de res­sal­ta ain­da que, “até que te­nha­mos va­ci­nas efe­ti­vas e me­lho­res pos­si­bi­li­da­des te­ra­pêu­ti­cas com­pro­va­das pa­ra o tra­ta­men­to des­sa do­en­ça, o iso­la­men­to so­ci­al pa­ra con­ter a dis­se­mi­na­ção do SARS-​CoV-​2 ain­da é a me­lhor al­ter­na­ti­va nes­se mo­men­to. Da­dos co­lhi­dos em vá­ri­os paí­ses do mun­do mos­tram que es­ta é a úni­ca me­di­da efe­ti­va pa­ra de­sa­ce­le­rar as cur­vas de cres­ci­men­to des­sa in­fec­ção”.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,