Uma no­va es­tra­té­gia de co­mu­ni­ca­ção a res­pei­to da covid-​19 es­tá em cur­so nas re­des so­ci­ais do go­ver­no. Há três di­as, os da­dos de ca­sos con­fir­ma­dos e óbi­tos de­cor­ren­tes da covid-​19 pa­ra­ram de ser di­vul­ga­dos pe­las re­des so­ci­ais ofi­ci­ais do Mi­nis­té­rio da Saú­de. Nas pu­bli­ca­ções no Twit­ter e no Fa­ce­bo­ok, o link pa­ra o pai­nel com­ple­to não é es­con­di­do, mas as pos­ta­gens fa­zem re­fe­rên­cia ape­nas aos nú­me­ros de bra­si­lei­ros cu­ra­dos e em tra­ta­men­to.

An­der­son Riedel/​PR

A pos­tu­ra re­fle­te uma mu­dan­ça no tom ado­ta­do pe­la Se­cre­ta­ria de Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al da Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca (Se­com). Nes­ta se­ma­na, a Se­com pas­sou a di­vul­gar um “Pla­car da vi­da”, que traz o nú­me­ro de in­fec­ta­dos pe­lo co­ro­na­ví­rus no país, pa­ci­en­tes cu­ra­dos e em re­cu­pe­ra­ção, omi­tin­do o nú­me­ro de mor­tes. Na terça-​feira (19), dia em que o país ba­teu, pe­la pri­mei­ra vez, a mar­ca de mais de mil mor­tos pe­la covid-​19 em um úni­co dia, o ór­gão re­pli­cou pu­bli­ca­ção da Se­com que não fa­zia men­ção di­re­ta ao nú­me­ro.

Na­que­le dia, o si­te O An­ta­go­nis­ta cri­ti­cou a co­me­mo­ra­ção de vi­das sal­vas, afir­man­do que a pu­bli­ca­ção mos­tra­va des­ca­so pe­las fa­mí­li­as dos bra­si­lei­ros mor­tos pe­lo no­vo co­ro­na­ví­rus. Em res­pos­ta, a Se­com es­cla­re­ceu que a pu­bli­ca­ção ci­ta­da era do dia an­te­ri­or, sem men­ci­o­nar, po­rém, que a pu­bli­ca­ção da­que­le dia (19) se­guia na mes­ma to­a­da.

“O Go­ver­no Fe­de­ral não ig­no­ra a re­a­li­da­de do pro­ble­ma e por is­so tra­ba­lha sem pa­rar. So­men­te em va­lo­res, já fo­ram mais de R$ 350 bi­lhões em­pe­nha­dos no com­ba­te à pan­de­mia e às su­as con­sequên­ci­as. Do mes­mo mo­do, nin­guém po­de ig­no­rar a re­a­li­da­de de que há, sim, de­ze­nas de mi­lha­res de vi­das sen­do sal­vas. Ca­da vi­da per­di­da tem um va­lor ines­ti­má­vel e de­ve ser la­men­ta­da. Do mes­mo mo­do, ca­da vi­da sal­va de­ve ser ce­le­bra­da. In­fe­liz­men­te, há quem pre­fi­ra con­cen­trar su­as for­ças em ex­plo­rar o so­fri­men­to alheio pa­ra des­gas­tar a ima­gem do Go­ver­no”, diz a res­pos­ta da Se­com.

A ta­be­la com da­dos da si­tu­a­ção epi­de­mi­o­ló­gi­ca no país, que é re­pas­sa­da di­a­ri­a­men­te aos jor­na­lis­tas com in­for­ma­ções por es­ta­do, dei­xou de ser pu­bli­ca­da nas re­des so­ci­ais tan­to do mi­nis­té­rio quan­to da Se­com. A úl­ti­ma vez em que ela foi pos­ta­da foi na segunda-​feira (18).

Na quarta-​feira (21), quan­do o país ul­tra­pas­sou a mar­ca de 20 mil mor­tes, nem o Mi­nis­té­rio da Saú­de, nem a Se­com pu­bli­ca­ram o da­do em su­as re­des so­cais.

Com mais de 1 mi­lhão de se­gui­do­res no Twit­ter, o fo­co das pos­ta­gens da pas­ta da saú­de pas­sou a ser em in­for­ma­ções en­qua­dra­das co­mo po­si­ti­vas, co­mo a ha­bi­li­ta­ção de no­vos lei­tos de UTI pa­ra pa­ci­en­tes com covid-​19 e a des­ti­na­ção de equi­pa­men­tos e ou­tros in­su­mos de saú­de pa­ra pro­fis­si­o­nais que atu­am na li­nha de fren­te do com­ba­te à do­en­ça. Tam­bém são re­pli­ca­das re­des so­ci­ais as co­le­ti­vas que téc­ni­cos do mi­nis­té­rio con­ce­dem di­a­ri­a­men­te à im­pren­sa no Pa­lá­cio do Pla­nal­to.

Nas re­des de am­bos os ór­gãos tam­bém há pu­bli­ca­ções re­fe­ren­tes às no­vas di­re­tri­zes do Mi­nis­té­rio da Saú­de quan­to ao uso da clo­ro­qui­na. As no­vas re­gras per­mi­tem que mé­di­cos de to­do o Bra­sil pres­cre­vam clo­ro­qui­na e hi­dro­xi­clo­ro­qui­na pa­ra pa­ci­en­tes com sin­to­mas le­ves ou avan­ça­dos da covid-​19. A Se­com se re­fe­re ao do­cu­men­to co­mo “no­vo pro­to­co­lo”, en­quan­to o mi­nis­té­rio cha­ma de “no­va ori­en­ta­ção”.

Co­man­da­da pe­lo em­pre­sá­rio Fa­bio Wajn­gar­ten, a Se­com já foi al­vo de di­ver­sas crí­ti­cas por ado­tar uma li­nha de co­mu­ni­ca­ção ide­o­ló­gi­ca. Um dos exem­plos des­sas pu­bli­ca­ções é a que di­vul­gou o ato de 15 de mar­ço em de­fe­sa do go­ver­no.

Re­cen­te­men­te, a con­ta ofi­ci­al da Se­com no Twit­ter vei­cu­lou uma men­sa­gem que elo­gi­a­va as ações mi­li­ta­res na Guer­ri­lha do Ara­guaia, já con­de­na­das pe­la Cor­te In­te­ra­me­ri­ca­na de Di­rei­tos Hu­ma­nos. A pos­ta­gem clas­si­fi­ca co­mo “he­róis do Bra­sil” os agen­tes pú­bli­cos que atu­a­ram na re­pres­são à guer­ri­lha du­ran­te o re­gi­me mi­li­tar. A pu­bli­ca­ção foi ob­je­to de uma re­pre­sen­ta­ção na Pro­cu­ra­do­ria da Re­pú­bli­ca no Dis­tri­to Fe­de­ral.

O Bra­sil ul­tra­pas­sou nes­ta quinta-​feira (21) a mar­ca de 20 mil mor­tes por covid-​19. Se­gun­do da­dos do Mi­nis­té­rio da Saú­de di­vul­ga­dos no co­me­ço da noi­te, o país já re­gis­tra 20.047 óbi­tos e 310.087 ca­sos con­fir­ma­dos da do­en­ça. Nas úl­ti­mas 24 ho­ras, 1.188 pes­so­as mor­re­ram de covid-​19 e 20.047 no­vas in­fec­ções fo­ram de­tec­ta­das.

O Mi­nis­té­rio da Saú­de e a Se­com fo­ram pro­cu­ra­dos pe­la re­por­ta­gem, mas não emi­ti­ram po­si­ci­o­na­men­to até o fe­cha­men­to des­ta re­por­ta­gem. O es­pa­ço se­gue aber­to pa­ra ma­ni­fes­ta­ções.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,