Pa­ci­en­tes de cân­cer com a covid-​19 e que fo­ram tra­ta­dos com uma com­bi­na­ção de me­di­ca­men­tos pro­mo­vi­da pe­lo pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos, Do­nald Trump, pa­ra com­ba­ter o no­vo co­ro­na­ví­rus têm três ve­zes mais chan­ces de mor­rer em 30 di­as do que os que to­ma­ram qual­quer um dos me­di­ca­men­tos so­zi­nhos, afir­ma­ram pes­qui­sa­do­res norte-​americanos nes­sa quinta-​feira (28).

Di­e­go Vara/​Reuters

Re­sul­ta­dos pre­li­mi­na­res su­ge­rem que mé­di­cos po­de­ri­am se abs­ter de pres­cre­ver o me­di­ca­men­to hi­dro­xi­clo­ro­qui­na, que é uti­li­za­do em com­bi­na­ção com o an­ti­bió­ti­co azi­tro­mi­ci­na há dé­ca­das pa­ra o tra­ta­men­to da ma­lá­ria. Os pes­qui­sa­do­res pe­dem que aguar­dem mais es­tu­dos.

“O tra­ta­men­to com a hi­dro­xi­clo­ro­qui­na e a azi­tro­mi­ci­na es­tão for­te­men­te as­so­ci­a­dos com o ris­co ele­va­do de mor­te”, afir­mou o Dr. Howard Bur­ris, pre­si­den­te da So­ci­e­da­de Ame­ri­ca­na de On­co­lo­gia Clí­ni­ca (As­co, na si­gla em in­glês), em con­ver­sa com jor­na­lis­tas so­bre os re­sul­ta­dos.

Ini­ci­al­men­te, acreditava-​se que a com­bi­na­ção de me­di­ca­men­tos po­de­ria aju­dar os pa­ci­en­tes de covid-​19, mas da­dos re­cen­tes co­lo­ca­ram o pro­to­co­lo em dú­vi­da.

Os acha­dos pre­li­mi­na­res, que se­rão apre­sen­ta­dos nes­ta se­ma­na em uma reu­nião ci­en­tí­fi­ca vir­tu­al da As­co, mos­tram que a com­bi­na­ção apre­sen­ta ris­co sig­ni­fi­ca­ti­vo pa­ra pa­ci­en­tes com cân­cer.

“To­mar a com­bi­na­ção ga­ran­te um ris­co três ve­zes mai­or de mor­te em 30 di­as e de qual­quer cau­sa”, dis­se o Dr. Je­remy War­ner, do Sis­te­ma Mé­di­co da Uni­ver­si­da­de Van­der­bilt.

Trump, que de­fen­deu o uso da hi­dro­xi­clo­ro­qui­na, cha­mou a com­bi­na­ção em um tuí­te no dia 21 de mar­ço de po­ten­ci­al­men­te “um dos mai­o­res di­vi­so­res de águas na his­tó­ria da me­di­ci­na”.

A afir­ma­ção foi ba­se­a­da em es­tu­do com me­nos de 40 pa­ci­en­tes do Jor­nal In­ter­na­ci­o­nal de Agen­tes An­ti­mi­cro­bi­a­nos. Es­tu­dos re­cen­tes, no en­tan­to, mos­tra­ram pou­cos ou ne­nhum be­ne­fí­cio, além de ris­cos mai­o­res.

War­ner e seus co­le­gas ana­li­sa­ram da­dos de 925 pa­ci­en­tes com cân­cer que se in­fec­ta­ram com o no­vo co­ro­na­ví­rus en­tre mar­ço e abril e ve­ri­fi­ca­ram que 13% de­les mor­re­ram nos 30 di­as se­guin­tes ao di­ag­nós­ti­co.

De ma­nei­ra ge­ral, pa­ci­en­tes com cân­cer em es­tá­gio pro­gres­si­vo no mo­men­to da in­fec­ção apre­sen­ta­ram cin­co ve­zes mais chan­ces de mor­ta­li­da­de, em um pe­río­do de 30 di­as, do que os que es­ta­vam em re­mis­são ou que não ti­nham evi­dên­ci­as de cân­cer no mo­men­to do tra­ta­men­to.

No es­tu­do, 180 pa­ci­en­tes to­ma­ram hi­dro­xi­clo­ro­qui­na em com­bi­na­ção com a azi­tro­mi­ci­na, e 90 to­ma­ram ape­nas a hi­dro­xi­clo­ro­qui­na.

A Ad­mi­nis­tra­ção de Ali­men­tos e Me­di­ca­men­tos dos EUA (FDA, na si­gla em in­glês) per­mi­tiu que agen­tes de saú­de pres­cre­ves­sem os me­di­ca­men­tos pa­ra a covid-​19 com uma au­to­ri­za­ção de uso emer­gen­ci­al, mas não apro­vou o tra­ta­men­to.

Os go­ver­nos da Fran­ça, Itá­lia e Bél­gi­ca agi­ram pa­ra sus­pen­der na quarta-​feira (27) o uso da hi­dro­xi­clo­ro­qui­na pa­ra pa­ci­en­tes de covid-​19, após uma de­ci­são da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS) de re­a­li­zar am­plo es­tu­do do me­di­ca­men­to de­vi­do a pre­o­cu­pa­ções de se­gu­ran­ça.

Fon­te: Agên­cia Brasil/​EBC

,