O Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção tor­nou sem efei­to a Por­ta­ria nº 545/​2020, pu­bli­ca­da no úl­ti­mo dia 18, que re­vo­ga­va a Por­ta­ria nº 13/​2016, que es­ta­be­le­cia a ne­ces­si­da­de de cri­a­ção, na­que­le ano, de po­lí­ti­cas afir­ma­ti­vas nos cur­sos de pós-​graduação. A Por­ta­ria nº 559/​2020 , que tor­na sem efei­to o ato da se­ma­na pas­sa­da, foi pu­bli­ca­da ho­je (23) no Diá­rio Ofi­ci­al da União.

Mar­cel­lo Ca­sal Jr/​Agência Bra­sil

A por­ta­ria de 2016 es­ta­be­le­cia, que, em um pra­zo de 90 di­as, as ins­ti­tui­ções fe­de­rais de en­si­no su­pe­ri­or de­ve­ri­am apre­sen­tar pro­pos­tas so­bre in­clu­são de ne­gros, in­dí­ge­nas e pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia em seus pro­gra­mas de pós-​graduação (mes­tra­do, mes­tra­do pro­fis­si­o­nal e dou­to­ra­do), co­mo po­lí­ti­cas de ações afir­ma­ti­vas.

A Pro­cu­ra­do­ria Re­gi­o­nal dos Di­rei­tos do Ci­da­dão do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral (MPF), no Rio de Ja­nei­ro, es­ta­va apu­ran­do a le­ga­li­da­de da re­vo­ga­ção da me­di­da. Com o ato de ho­je, a por­ta­ria vol­ta a vi­go­rar.

Ques­ti­o­na­do, o Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção in­for­mou que a Por­ta­ria nº 13/​2016 “foi re­vo­ga­da com ba­se no Ar­ti­go 8º, do De­cre­to nº 10.139/2019”, que obri­ga a anu­la­ção de nor­mas “cu­jos efei­tos te­nham se exau­ri­do no tem­po”. Em no­ta, a pas­ta acres­cen­tou que a Lei nº 12.711/2012, em vi­gor, pre­vê a con­ces­são de co­tas e ações afir­ma­ti­vas ex­clu­si­va­men­te pa­ra cur­sos de gra­du­a­ção.

Fon­te: Agên­cia Brasil/​EBC

,