Em re­la­tó­rio di­vul­ga­do na úl­ti­ma se­ma­na de ju­nho, a Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das pa­ra a Edu­ca­ção, a Ci­ên­cia e a Cul­tu­ra (Unes­co) in­for­mou que 40% de um gru­po de mais de 200 paí­ses não têm co­mo ofe­re­cer apoio a es­tu­dan­tes no en­si­no a dis­tân­cia, du­ran­te a pan­de­mia. Na des­cri­ção so­bre o Bra­sil, fo­ram fei­tas ob­ser­va­ções quan­to a es­co­las que apro­vam es­tu­dan­tes que não as­si­mi­la­ram de fa­to os con­teú­dos e a bar­rei­ras en­fren­ta­das pe­la par­ce­la ne­gra, de­fi­ni­das co­mo “le­ga­do de opor­tu­ni­da­des li­mi­ta­das de edu­ca­ção”.

Divulgação/​MCTIC

Em abril, o Fun­do das Na­ções Uni­das pa­ra a In­fân­cia (Uni­cef) e o Pro­gra­ma Mun­di­al de Ali­men­ta­ção (PMA) es­ti­ma­ram que cer­ca de 370 mi­lhões de cri­an­ças po­de­ri­am fi­car sem me­ren­da, co­mo re­sul­ta­do do fe­cha­men­to das es­co­las ao lon­go da cri­se sa­ni­tá­ria. Os nú­me­ros mos­tram co­mo alu­nos so­ci­al­men­te vul­ne­rá­veis aca­bam en­fren­tan­do mais obs­tá­cu­los no con­tex­to atu­al. Ago­ra, a ex­clu­são es­co­lar se am­plia com a fal­ta de aces­so à in­ter­net. Ape­sar de ser ado­ta­da pe­las re­des pú­bli­cas de en­si­no, co­mo for­ma de ga­ran­tir que os es­tu­dan­tes pos­sam dar con­ti­nui­da­de aos es­tu­dos, a fer­ra­men­ta não es­tá ao al­can­ce de to­dos, que pre­ci­sam utilizá-​la pa­ra com­ple­men­tar ma­te­ri­ais im­pres­sos, as­sis­tir a au­las on­li­ne, re­sol­ver exer­cí­ci­os ou man­ter con­ta­to com os pro­fes­so­res.

Em al­gu­mas uni­da­des fe­de­ra­ti­vas, co­mo o Dis­tri­to Fe­de­ral, a vol­ta às au­las já foi anun­ci­a­da.

O go­ver­no es­ta­du­al de São Pau­lo pro­gra­mou o re­tor­no das au­las pre­sen­ci­ais pa­ra 8 de se­tem­bro Na pri­mei­ra eta­pa, a ocu­pa­ção das sa­las de au­la de­ve ser de, no má­xi­mo, 35%. Até que to­dos os alu­nos pos­sam vol­tar, a ori­en­ta­ção é de que acom­pa­nhem as au­las re­mo­tas, a par­tir da pla­ta­for­ma vir­tu­al Cen­tro de Mí­di­as SP, e se ca­das­trem pa­ra ter aces­so gra­tui­to à in­ter­net, pos­sí­vel por meio de apli­ca­ti­vo.

Percepção dos estudantes

Pa­ra a mé­di­ca Ta­li­ta Ama­ro, que co­or­de­na o cur­si­nho pré-​vestibular po­pu­lar Ma­fal­da, vin­cu­la­do à As­so­ci­a­ção Be­ne­fi­cen­te Me­ra­ki, o que as se­cre­ta­ri­as mu­ni­ci­pais e es­ta­du­ais de Edu­ca­ção es­tão ofe­re­cen­do aos es­tu­dan­tes não po­de ser clas­si­fi­ca­do co­mo en­si­no a dis­tân­cia, por­que ele pres­su­põe a exis­tên­cia de uma “cons­tru­ção do co­nhe­ci­men­to em fa­ses”. Em um le­van­ta­men­to do qual par­ti­ci­pa­ram 192 alu­nos ma­tri­cu­la­dos, a or­ga­ni­za­ção do cur­si­nho apu­rou que 48% têm au­las re­gu­la­res (en­si­no mé­dio ou téc­ni­co) e exer­cí­ci­os on­li­ne, 16% ape­nas al­gu­mas dis­ci­pli­nas ou exer­cí­ci­os on­li­ne e 3% não têm nem au­las, nem exer­cí­ci­os dis­po­ni­bi­li­za­dos pe­la es­co­la. Ou­tro da­do im­por­tan­te é que 67% de­cla­ra­ram que não têm apren­di­do tan­to em am­bi­en­te vir­tu­al quan­to pre­sen­ci­al­men­te.

As mai­o­res di­fi­cul­da­des ci­ta­das fo­ram con­cen­tra­ção e dis­ci­pli­na (74%), pri­va­ci­da­de (51%), cum­prir a car­ga ho­rá­ria (44%) e can­sa­ço com a ro­ti­na de au­las pe­la in­ter­net (43%). A de­pen­dên­cia dos re­cur­sos tec­no­ló­gi­cos e o dis­tan­ci­a­men­to dos edu­ca­do­res fo­ram fa­to­res in­di­ca­dos co­mo ne­ga­ti­vos pe­la mai­o­ria dos en­tre­vis­ta­dos - 75% e 96%, res­pec­ti­va­men­te.

“O en­si­no a dis­tân­cia tem es­tru­tu­ra pe­da­gó­gi­ca es­pe­cí­fi­ca. Vo­cê não che­ga sim­ples­men­te, dá uma au­la pa­ra o alu­no e acha que aqui­lo subs­ti­tui qual­quer ou­tra ati­vi­da­de. É um en­si­no pro­gres­si­vo. To­da vez que vo­cê se ma­tri­cu­la em um cur­so on­li­ne, ele tem uma es­tru­tu­ra pre­con­ce­bi­da, que foi pen­sa­da no seu de­sen­vol­vi­men­to. En­tão, vo­cê ini­cia com texto-​base, faz al­gu­mas ati­vi­da­des ava­li­a­ti­vas, as­sis­te a au­la, mas tem, cons­tan­te­men­te, um fe­ed­back”, afir­ma.

Kayu­me da Sil­va, de 26 anos, con­cluiu o en­si­no mé­dio em 2013, com su­ple­ti­vo. Sua avó ma­ter­na não te­ve a opor­tu­ni­da­de de es­tu­dar e sua mãe com­ple­tou ape­nas a 4ª sé­rie do en­si­no fun­da­men­tal. Atu­al­men­te, a jo­vem, que é mãe de três fi­lhos, diz que é di­fí­cil con­ci­li­ar cui­da­dos do­més­ti­cos com a ma­ter­ni­da­de e uma ro­ti­na de es­tu­dos.

Seu pla­no é ter o di­plo­ma de um cur­so téc­ni­co em ges­tão pú­bli­ca que, pa­ra ela, po­de ser um ata­lho pa­ra in­gres­sar no mer­ca­do de tra­ba­lho. Atu­al­men­te, ela é uma das alu­nas ma­tri­cu­la­das no cur­si­nho pré-​vestibular da Re­de Eman­ci­pa, mo­vi­men­to so­ci­al de edu­ca­ção po­pu­lar com uni­da­des em to­do o Bra­sil.

“Gos­to de es­tu­dar na par­te da tar­de, mas on­tem, por exem­plo, vi que ti­nha de la­var rou­pa, fa­zer al­mo­ço. Quan­do vi, es­tu­dei mui­to pou­co. Te­nho uma fi­lha de 4 anos e is­so me atra­pa­lha mui­to. Não con­si­go es­tu­dar três, qua­tro, cin­co ho­ras, fo­car”, con­ta Kayu­me.

Pa­ra a uni­ver­si­tá­ria He­loi­sa Ra­mos, que cur­sa quí­mi­ca in­dus­tri­al e dá au­las no cur­si­nho da Re­de Eman­ci­pa des­de 2018, é bas­tan­te per­cep­tí­vel a quan­ti­da­de de de­sis­tên­cia de alu­nos. As tur­mas, se­gun­do ela, reu­ni­am cer­ca de 400 pes­so­as ma­tri­cu­la­das, nú­me­ro que já che­gou a cair pa­ra 15 com a pan­de­mia. Du­ran­te os in­ter­va­los das au­las, que du­ra­vam 50 mi­nu­tos e eram da­das quin­ze­nal­men­te, aos sá­ba­dos, ela ti­ra­va dú­vi­das das tur­mas. Ho­je, as au­las ocor­rem uma vez por se­ma­na. Na sexta-​feira, He­loi­sa abre um es­pa­ço pa­ra que os alu­nos ti­rem dú­vi­das so­bre a ma­té­ria da­da.

“Se an­tes da pan­de­mia já exis­tia eva­são, com ela é uma coi­sa ab­sur­da. A gen­te per­gun­tou a eles: o que es­tá acon­te­cen­do? É por cau­sa da pla­ta­for­ma? É a for­ma? É por fal­ta de aces­so à in­ter­net? As res­pos­tas fo­ram va­ri­a­das. Mui­tos tra­ba­lham no ho­rá­rio das au­las, ou­tros têm um pa­co­te de da­dos que não per­mi­te que pos­sam par­ti­ci­par de tan­tas li­ves [trans­mis­sões ao vi­vo], além de di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras, por­que mui­ta gen­te per­deu o em­pre­go e não ti­nha co­mo pa­gar pe­la in­ter­net, ti­nha fa­mi­li­a­res do­en­tes. Não há so­men­te a ques­tão fi­nan­cei­ra, mas tam­bém a psi­co­ló­gi­ca e, pa­ra os alu­nos pe­ri­fé­ri­cos, is­so se agra­va mui­to mais”, acres­cen­ta.

“No cur­si­nho tem mui­to alu­no do en­si­no mé­dio, mas tam­bém gen­te que já saiu da es­co­la há mui­tos anos ou que veio da EJA, Edu­ca­ção de Jo­vens e Adul­tos. São alu­nos que têm mui­tas di­fi­cul­da­des. En­tão, às ve­zes, a gen­te es­tá fa­lan­do de um as­sun­to que o alu­no nun­ca viu na vi­da, ele fi­ca de­ses­pe­ra­do, aca­ba de­sa­ni­man­do e de­sis­te”, afir­ma.

Distribuição de materiais

Mi­nas Ge­rais foi um dos pon­tos do país on­de a ex­clu­são es­co­lar pe­la fal­ta de in­ter­net fi­cou mais pa­ten­te. Nas re­des so­ci­ais, uma pro­fes­so­ra de es­co­la pú­bli­ca do es­ta­do co­men­tou que as apos­ti­las do Pla­no de Es­tu­do Tu­to­ra­do (PET), fei­tas no âm­bi­to do Re­gi­me de Es­tu­do Não Pre­sen­ci­al, pa­re­cem ter si­do pre­pa­ra­das às pres­sas e sem es­me­ro. Em uma das pos­ta­gens, que te­ve mi­lha­res de vi­su­a­li­za­ções, a do­cen­te ques­ti­o­na, en­tre ou­tros as­pec­tos, co­mo os alu­nos te­rão con­di­ções de fa­zer os exer­cí­ci­os, se mui­tos de­les de­pen­dem de links que di­re­ci­o­nam a pá­gi­nas da web.

A Se­cre­ta­ria Es­ta­du­al de Edu­ca­ção de Mi­nas Ge­rais ga­ran­tiu que dis­tri­bui­ria uma ver­são im­pres­sa das apos­ti­las aos alu­nos que não ti­ves­sem co­ne­xão de in­ter­net em ca­sa. A pas­ta lem­brou que as apos­ti­las são uti­li­za­das co­mo “guia pa­ra nor­te­ar as ati­vi­da­des”, e não co­mo são li­vros di­dá­ti­cos”. A pro­fes­so­ra, por sua vez, cri­ti­cou a qua­li­da­de do ma­te­ri­al e res­sal­tou que so­men­te se sen­tiu se­gu­ra de dar as au­las com al­go pro­du­zi­do por ela mes­ma.

Pro­cu­ra­da pe­la re­por­ta­gem, a se­cre­ta­ria res­sal­tou que tam­bém es­tá trans­mi­tin­do te­le­au­las no pro­gra­ma “Se Li­ga na Edu­ca­ção”, que vai ao ar pe­la Re­de Mi­nas e pe­la TV As­sem­bleia, e que dis­po­ni­bi­li­zou o apli­ca­ti­vo Co­ne­xão Es­co­la, que in­clui um chat pa­ra in­te­ra­ção aluno-​professor. “Mais de 97% dos es­tu­dan­tes da re­de es­ta­du­al de en­si­no ti­ve­ram aces­so, se­ja vir­tu­al­men­te ou de for­ma im­pres­sa, aos pla­nos de Es­tu­dos Tu­to­ra­dos. O apli­ca­ti­vo Co­ne­xão Es­co­la já con­ta­bi­li­za mais de 1,2 mi­lhão de down­lo­ads na lo­ja vir­tu­al. Já o pro­gra­ma Se Li­ga na Edu­ca­ção che­ga a cer­ca de 1,4 mi­lhão de alu­nos por TV aber­ta. A mé­dia diá­ria de vi­su­a­li­za­ções no You­tu­be da Re­de Mi­nas, que tam­bém trans­mi­te o con­teú­do do pro­gra­ma, che­ga a 700 mil vi­su­a­li­za­ções por dia”, in­for­mou a se­cre­ta­ria em no­ta.

Fon­te: Agên­cia Bra­sil

,