Um ba­lan­ço apre­sen­ta­do ho­je (7) pe­lo se­cre­tá­rio de De­sen­vol­vi­men­to Re­gi­o­nal de São Pau­lo, Mar­co Vi­nho­li, de­mons­trou que o in­te­ri­or pau­lis­ta já é res­pon­sá­vel por 70,87% dos no­vos ca­sos de covid-​19, do­en­ça cau­sa­da pe­lo no­vo co­ro­na­ví­rus, re­gis­tra­dos no es­ta­do.

Agus­tin Marcarian/​Reuters

Dos ca­sos re­gis­tra­dos on­tem em São Pau­lo, 12,47% fo­ram na ca­pi­tal e 16,66% pe­los mu­ni­cí­pi­os da Gran­de São Pau­lo, de­mons­tran­do o cres­ci­men­to pe­lo in­te­ri­or. “Hou­ve uma que­da agu­da na ca­pi­tal e que­da um pou­co mais le­ve na Gran­de São Pau­lo, e uma ace­le­ra­ção no in­te­ri­or do es­ta­do”, pon­tu­ou o se­cre­tá­rio.

“O que a gen­te via, no iní­cio da pan­de­mia até pou­co tem­po atrás, era uma cur­va que co­lo­ca­va ma­jo­ri­ta­ri­a­men­te os ca­sos e óbi­tos [pe­lo no­vo co­ro­na­ví­rus] na ca­pi­tal, se­gui­do pe­la Gran­de São Pau­lo, com o in­te­ri­or em ter­cei­ro [lu­gar]. Quan­do ve­ri­fi­ca­mos os da­dos de on­tem, por exem­plo, e que tem si­do uma cons­tan­te, po­de­mos ve­ri­fi­car uma in­ver­são des­sa ló­gi­ca, de­ter­mi­nan­do in­te­ri­o­ri­za­ção da pan­de­mia de for­ma mais con­tun­den­te”, dis­se Vi­nho­li.

Além dis­so, mais da me­ta­de [58,92%] dos óbi­tos re­gis­tra­dos on­tem no es­ta­do por covid-​19 ocor­re­ram em ci­da­des do in­te­ri­or. A ca­pi­tal foi res­pon­sá­vel por 17,85% das mor­tes, en­quan­to os mu­ni­cí­pi­os da Gran­de São Pau­lo res­pon­de­ram por 23,21% dos óbi­tos por co­ro­na­ví­rus con­ta­bi­li­za­dos on­tem. “Es­sa cur­va vai se apro­xi­man­do ca­da vez mais da ló­gi­ca da po­pu­la­ção do es­ta­do, com cres­ci­men­to dos ca­sos e óbi­tos no in­te­ri­or e a re­du­ção na ca­pi­tal e tam­bém na Gran­de São Pau­lo”, de­ta­lhou Vi­nho­li.

Nas 24 ho­ras en­tre a di­vul­ga­ção do bo­le­tim des­ta segunda-​feira e o de ho­je, o es­ta­do con­ta­bi­li­zou 9.638 no­vos ca­sos, so­man­do 332.708 ca­sos con­fir­ma­dos do no­vo co­ro­na­ví­rus. O es­ta­do tam­bém re­gis­trou 341 no­vos óbi­tos, che­gan­do ago­ra à so­ma de 16.475 mor­tes pe­lo co­ro­na­ví­rus.

Isolamento

Se­gun­do Vi­nho­li, o es­ta­do de São Pau­lo vem apre­sen­tan­do uma cer­ta es­ta­bi­li­da­de em sua ta­xa de iso­la­men­to so­ci­al nas úl­ti­mas três se­ma­nas, en­tre 46% e 47%, ape­sar do iní­cio gra­du­al do pro­ces­so de re­to­ma­da econô­mi­ca de­pois do fe­cha­men­to das ati­vi­da­des co­mer­ci­ais pa­ra evi­tar a pro­pa­ga­ção do ví­rus. Ape­sar dis­so, o go­ver­no pau­lis­ta sem­pre de­fen­deu que uma ta­xa de iso­la­men­to con­si­de­ra­da sa­tis­fa­tó­ria se­ria aci­ma de 55%, o que aju­da­ria a di­mi­nuir a pro­pa­ga­ção do ví­rus e evi­tar um co­lap­so no sis­te­ma de saú­de.

“Po­de­mos ve­ri­fi­car, de for­ma mui­to cla­ra, a es­ta­bi­li­da­de no iso­la­men­to em São Pau­lo pós es­ta­be­le­ci­men­to do Pla­no São Pau­lo [de re­to­ma­da econô­mi­ca]. O iso­la­men­to so­ci­al, nes­sas úl­ti­mas três se­ma­nas, te­ve uma es­ta­bi­li­da­de nas ta­xas de iso­la­men­to em al­go pró­xi­mo a 47%”, fa­lou Vi­nho­li.

Fon­te: Agên­cia Bra­sil

,