O Bra­sil têm, de acor­do com da­dos do Mi­nis­té­rio da Saú­de, qua­se 1 mi­lhão de re­cu­pe­ra­dos da covid-​19, do­en­ça cau­sa­da pe­lo no­vo co­ro­na­ví­rus. Pa­ra al­guns, o fa­to de já ter ti­do a do­en­ça é mo­ti­vo pa­ra re­la­xar e não se­guir à ris­ca as re­co­men­da­ções pa­ra evi­tar o con­tá­gio. Pa­ra ou­tros, a ro­ti­na de cui­da­dos não mu­dou e in­clu­si­ve fi­cou mai­or.

Ues­lei Marcelino/​Reuters

Se­gun­do es­pe­ci­a­lis­tas, não há evi­dên­ci­as ci­en­tí­fi­cas de que quem con­traiu a covid-​19 não vá se con­ta­mi­nar de no­vo. Além dis­so, por ser uma do­en­ça no­va, os efei­tos do ví­rus a mé­dio e lon­go pra­zo não são to­tal­men­te co­nhe­ci­dos. Quem te­ve a in­fec­ção po­de ain­da apre­sen­tar even­tu­ais com­pli­ca­ções.

“Eu es­tou bem mais me­dro­so, mais re­ce­o­so. Se eu la­va­va mi­nha mão an­tes, ago­ra la­vo du­as ve­zes mais. Hi­gi­e­ni­zo as coi­sas que tra­go da rua. O cui­da­do au­men­tou de­pois que pas­sei pe­la do­en­ça e sei co­mo é”, con­ta o far­ma­cêu­ti­co Mar­cus Tú­lio Ba­tis­ta, 27 anos. Ele co­me­çou a sen­tir os sin­to­mas no dia 14 de ju­nho. Te­ve dor de gar­gan­ta, per­da de ol­fa­to e pa­la­dar, in­dis­po­si­ção e do­res no cor­po.

“Quan­do vo­cê pe­ga, vê que a do­en­ça vai além do fí­si­co. Eu acho que tal­vez o emo­ci­o­nal se­ja até mui­to mais aba­la­do”, diz e com­ple­men­ta: “Eu mo­ro so­zi­nho em Bra­sí­lia. Mi­nha fa­mí­lia é de ou­tro es­ta­do. Is­so me cau­sou bas­tan­te im­pac­to por­que além do iso­la­men­to, vo­cê tem me­do de co­mo vai evo­luir, não sa­be co­mo o seu cor­po vai li­dar com is­so. Eu fi­quei bas­tan­te an­si­o­so”, con­ta.

Na ca­sa da ar­tis­ta plás­ti­ca e pro­du­to­ra cul­tu­ral Le­ti­cia Tan­de­ta, 59 anos, no Rio de Ja­nei­ro, qua­se to­dos fo­ram in­fec­ta­dos em me­a­dos de maio. Ela, o ma­ri­do, o fi­lho e o ir­mão. “Fi­ca­mos pra­ti­ca­men­te to­dos do­en­tes ao mes­mo tem­po. A sor­te foi que to­dos ti­ve­mos sin­to­mas bran­dos, nin­guém te­ve fal­ta de ar ou uma fe­bre ab­sur­da­men­te al­ta”, diz. A úni­ca que não ado­e­ceu foi a mãe de Le­ti­cia, que tem 93 anos. A fa­mí­lia to­mou o cui­da­do de isolá-​la e de se­pa­rar tu­do que era usa­do por ela.

“Ho­je é es­tra­nho por­que não sa­be­mos se es­ta­mos imu­ni­za­dos ou não”, diz Le­ti­cia. “Os mé­di­cos di­zem que pro­va­vel­men­te te­mos al­gum ti­po de imu­ni­za­ção, tal­vez de um mês, dois me­ses, três”. Por cau­sa das in­cer­te­zas, ela diz que a fa­mí­lia con­ti­nua to­man­do cui­da­dos co­mo sair de ca­sa o mí­ni­mo pos­sí­vel, ape­nas quan­do ne­ces­sá­rio, usan­do sem­pre más­ca­ra. Já ter con­traí­do a do­en­ça, no en­tan­to, traz um cer­to ti­po de re­la­xa­men­to: “Não é que a gen­te re­la­xe nos cui­da­dos, mas há um cer­to re­la­xa­men­to in­ter­no sim”.

De acor­do com o in­fec­to­lo­gis­ta Le­o­nar­do Weis­s­mann, con­sul­tor da So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de In­fec­to­lo­gia, mes­mo quem já te­ve a do­en­ça de­ve con­ti­nu­ar to­man­do cui­da­do. “Não te­mos cer­te­za, por en­quan­to, de que quem te­ve covid-​19 uma vez não te­rá no­va­men­te. É im­por­tan­te que quem já te­ve a do­en­ça con­ti­nue se pre­ve­nin­do. Con­ti­nue com as me­di­das pre­ven­ti­vas, usan­do más­ca­ras, hi­gi­e­ni­zan­do as mãos e evi­tan­do aglo­me­ra­ção”.

As pes­so­as que já fo­ram in­fec­ta­das, de acor­do com Weis­s­mann, as­sim co­mo as de­mais, po­dem aju­dar a pro­pa­gar o ví­rus ca­so não to­mem os de­vi­dos cui­da­dos. “Mes­mo a pes­soa que não es­ti­ver in­fec­ta­da, se ela pu­ser a mão em um lu­gar con­ta­mi­na­do, ela po­de car­re­gar o ví­rus. Por is­so é im­por­tan­te es­tar sem­pre hi­gi­e­ni­zan­do as mãos, la­van­do com água e sa­bão ou com ál­co­ol 70%”, ori­en­ta.

Síndrome da Fadiga Crônica

Em mar­ço, a psi­có­lo­ga Jo­an­na Fran­co, 37 anos, te­ve do­res no cor­po, tos­se se­ca, dor de ca­be­ça, fe­bre al­ta, di­fi­cul­da­de de res­pi­rar, per­da de ol­fa­to e pa­la­dar, di­ar­reia e vô­mi­to. Na épo­ca que re­ce­beu o di­ag­nós­ti­co clí­ni­co de covid-​19, o Bra­sil co­me­ça­va a ado­tar me­di­das de iso­la­men­to so­ci­al. Mo­ran­do so­zi­nha em Ni­te­rói, ela cum­priu to­das as re­gras de qua­ren­te­na e de iso­la­men­to so­ci­al. Os sin­to­mas pas­sa­ram. Pa­ra ga­ran­tir que não trans­mi­ti­ria o ví­rus pa­ra nin­guém, ela ain­da per­ma­ne­ceu em iso­la­men­to por cer­ca de 40 di­as. Foi en­tão que per­ce­beu que não es­ta­va to­tal­men­te re­cu­pe­ra­da, es­ta­va mui­to can­sa­da. “Vi­nha um can­sa­ço, pa­re­cen­do que eu ti­nha su­bi­do la­dei­ras, uma sen­sa­ção de que is­so nun­ca ia aca­bar, que não ia sair de mim. Fi­quei bem pros­tra­da”.

Qua­se três me­ses de­pois, ela diz que se sen­te me­lhor, que es­tá con­se­guin­do re­to­mar uma ro­ti­na de exer­cí­ci­os fí­si­cos, que an­tes eram im­pos­sí­veis. De­pois de pas­sar pe­lo que pas­sou, ela re­do­brou to­dos os cui­da­dos que já vi­nha ten­do. “De­pois de ter pas­sa­do, não que­ro vi­ven­ci­ar is­so de no­vo e não que­ro que ou­tras pes­so­as vi­ven­ci­em”, diz.

O can­sa­ço que Jo­an­na sen­tiu após se re­cu­pe­rar da do­en­ça po­de ter si­do a cha­ma­da Sín­dro­me da Fa­di­ga Crô­ni­ca, que tem si­do re­la­ta­da por pes­so­as que fo­ram con­ta­mi­na­das pe­la covid-​19, se­gun­do o neu­ro­lo­gis­ta, pes­qui­sa­dor do Ins­ti­tu­to D’Or de Pes­qui­sa e En­si­no (IDOR) e da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral Flu­mi­nen­se (UFF), Ga­bri­el de Frei­tas. O prin­ci­pal sin­to­ma é o can­sa­ço, mas po­de ha­ver al­te­ra­ção na pres­são, na frequên­cia car­día­ca e insô­nia. “O que pre­do­mi­na é a fa­di­ga, o can­sa­ço. A pes­soa não con­se­gue tra­ba­lhar, não con­se­gue vol­tar à ati­vi­da­de”, afir­ma.

A sín­dro­me não é ex­clu­si­va do no­vo co­ro­na­ví­rus, mas ocor­re tam­bém por cau­sa de ou­tros ví­rus. Ela po­de du­rar até cer­ca de um ano, é mais fre­quen­te em mu­lhe­res en­tre 40 e 50 anos e que ti­ve­ram covid-​19 pe­lo me­nos de for­ma mo­de­ra­da. Mas, de acor­do com Frei­tas, ain­da há mui­tas dú­vi­das pe­lo fa­to de ser uma do­en­ça re­cen­te. Pa­ra o tra­ta­men­to, ge­ral­men­te é re­co­men­da­da psi­co­te­ra­pia, ati­vi­da­des fí­si­cas, an­ti­vi­rais e an­ti­de­pres­si­vos.

“Es­sa sín­dro­me traz uma an­gús­tia mui­to gran­de pa­ra as pes­so­as por­que fa­di­ga não é um sin­to­ma men­su­rá­vel. Não se con­se­gue men­su­rar por exa­me. Mui­tas ve­zes é mal com­pre­en­di­do”.

Ga­bri­el diz que a pan­de­mia po­de ser mais com­ple­xa do que se pen­sa e de­fen­de que to­dos os cui­da­dos pos­sí­veis se­jam ado­ta­dos. “Pa­re­ce que não é es­tar re­cu­pe­ra­do e pon­to fi­nal. Tal­vez es­sas pes­so­as te­nham mais sin­to­mas. A Sín­dro­me da Fa­di­ga Crô­ni­ca po­de ser ape­nas um de­les. Acho que a gen­te não tem es­sa in­for­ma­ção. É pos­sí­vel que exis­tam com­pli­ca­ções a mé­dio e a lon­go pra­zo. O que al­guns au­to­res co­lo­cam é que as me­di­das de iso­la­men­to so­ci­al são im­por­tan­tes não só pa­ra evi­tar a mor­te. A gen­te tem que le­var em con­si­de­ra­ção e co­lo­car nes­sa equa­ção as com­pli­ca­ções a mé­dio e lon­go pra­zos”.

Medo e ansiedade

Além de li­dar com os sin­to­mas da covid-​19 e com as con­sequên­ci­as da do­en­ça, mui­tas pes­so­as es­tão li­dan­do com sin­to­mas de an­si­e­da­de, de acor­do com a psi­có­lo­ga da equi­pe de co­or­de­na­ção de saú­de do tra­ba­lha­dor da Fun­da­ção Oswal­do Cruz (Fi­o­cruz), Mar­ta Mon­te­ne­gro. “A covid-​19 é uma do­en­ça mui­to no­va, re­cen­te, um ví­rus cu­jas in­for­ma­ções fo­ram se cons­truin­do nes­se pro­ces­so de pan­de­mia. Os pró­pri­os pro­fis­si­o­nais de saú­de es­ta­vam ten­tan­do en­ten­der as for­mas de cui­da­do e is­so dei­xa as pes­so­as mui­to in­se­gu­ras. O ser hu­ma­no se sen­te mais se­gu­ro se ti­ver pre­vi­si­bi­li­da­de do que vai acon­te­cer. Es­sa in­cer­te­za so­bre for­mas de con­ta­mi­na­ção, se po­de ou não se con­ta­mi­nar de no­vo, dei­xa as pes­so­as vul­ne­rá­veis”, ex­pli­ca.

De acor­do com a psi­có­lo­ga, bus­car in­for­ma­ções con­fiá­veis aju­da a li­dar me­lhor com a pan­de­mia. “Bus­car in­for­ma­ção vá­li­da, de fon­tes con­fiá­veis. Is­so ali­via sin­to­mas emo­ci­o­nais. Às ve­zes, as pes­so­as es­tão em ca­sa re­ce­ben­do in­for­ma­ções que nem sem­pre são as me­lho­res e aca­bam fi­can­do mui­to con­fu­sas. De­pois de três me­ses, acham que só es­tão pro­te­gi­das des­sa for­ma. Is­so aca­ba ge­ran­do um me­do de sair de ca­sa. No ou­tro ex­tre­mo, há pes­so­as sain­do co­mo se não ti­ves­sem o ví­rus, em um pro­ces­so de ne­ga­ção por di­fi­cul­da­de de li­dar com a si­tu­a­ção. São dois ex­tre­mos. Exis­te o ví­rus. É ne­ces­sá­rio man­ter me­di­das de bi­os­se­gu­ran­ça, mas is­so não po­de pa­ra­li­sar as pes­so­as”, acres­cen­ta.

Fon­te: Agên­cia Bra­sil

,