A pro­pa­ga­ção da covid-​19 não tem apre­sen­ta­do “si­nais de de­sa­ce­le­ra­ção” nas Amé­ri­cas, dis­se ho­je (21) a di­re­to­ra da Or­ga­ni­za­ção Pan-​Americana da Saú­de (Opas), Ca­ris­sa Eti­en­ne, ao co­men­tar que Bra­sil, Es­ta­dos Uni­dos e Mé­xi­co são os paí­ses on­de mais mor­tes têm ocor­ri­do em fun­ção da do­en­ça.

Mau­rí­cio Vieira/​Secom-​SC

Se­gun­do Cla­ris­sa, só na se­ma­na pas­sa­da, fo­ram re­gis­tra­dos mais 900 mil ca­sos e 22 mil mor­tes no con­ti­nen­te. “Até on­tem [20] fo­ram 311 mil mor­tes nas Amé­ri­cas”, dis­se a di­re­to­ra da Opas, em en­tre­vis­ta co­le­ti­va. “A pan­de­mia não vem mos­tran­do si­nais de uma de­sa­ce­le­ra­ção nes­sa re­gião.”

De acor­do com o ge­ren­te de In­ci­den­tes pa­ra Covid-​19 da Opas, Syl­vain Al­dighi­e­ri, a en­ti­da­de tem pre­o­cu­pa­ção es­pe­ci­al com as po­pu­la­ções in­dí­ge­nas da Amazô­nia, tan­to no Bra­sil quan­to no Pe­ru, pa­ra as quais, se­gun­do ele, tem de ser de­sen­vol­vi­das “es­tra­té­gi­as es­pe­cí­fi­cas” pa­ra evi­tar a pi­o­ra da si­tu­a­ção.

“A covid-​19 co­lo­cou em ris­co boa par­te da po­pu­la­ção in­dí­ge­na que vi­ve tan­to em al­dei­as quan­to em ci­da­des”, dis­se Al­dighi­e­ri, ao de­fen­der mai­or apro­xi­ma­ção de lí­de­res in­dí­ge­nas das au­to­ri­da­des pú­bli­cas, além da ado­ção de me­di­das de iso­la­men­to e qua­ren­te­na pa­ra aque­les que apre­sen­ta­rem sin­to­mas da do­en­ça.

Al­dighi­e­ri res­sal­tou que, pa­ra tal apro­xi­ma­ção ser de fa­to efi­ci­en­te, é ne­ces­sá­rio um bom tra­ba­lho de co­mu­ni­ca­ção “não no sen­ti­do de tra­du­zir a in­for­ma­ção, mas de adap­tar a men­sa­gem, le­van­do em con­si­de­ra­ção prá­ti­cas lo­cais e sím­bo­los” que se­jam fa­cil­men­te com­pre­en­di­do por es­sas po­pu­la­ções.

“Des­ta­co que a im­por­tân­cia de in­cluir es­sas li­de­ran­ças lo­cais é tam­bém re­le­van­te no sen­ti­do de ajudá-​las na in­ter­pre­ta­ção de ru­mo­res [de for­ma a evi­tar a dis­se­mi­na­ção de no­tí­ci­as fal­sas]. As au­to­ri­da­des lo­cais pre­ci­sam ter co­nhe­ci­men­to das prá­ti­cas tra­di­ci­o­nais des­sas po­pu­la­ções [co­mo es­tra­té­gia pa­ra uma co­mu­ni­ca­ção mais efi­ci­en­te]”, acres­cen­tou.

Hidroxicloroquina

Al­dighi­e­ri re­for­çou a po­si­ção da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS), con­tra o uso de hi­dro­xi­clo­ro­qui­na no tra­ta­men­to do no­vo co­ro­na­ví­rus. “Não re­co­men­da­mos o uso des­se me­di­ca­men­to. Os es­tu­dos fo­ram pa­ra­dos, e vá­ri­os ar­ti­gos pu­bli­ca­dos em re­vis­tas in­ter­na­ci­o­nais de al­to ní­vel têm de­mons­tra­do a ine­fi­ci­ên­cia da clo­ro­qui­na pa­ra o tra­ta­men­to da co­vid. Es­tes são as­pec­tos im­por­tan­tes a se­rem des­ta­ca­dos”, res­sal­tou o ge­ren­te da Opas.

Pa­ra o di­re­tor do De­par­ta­men­to de Do­en­ças Trans­mis­sí­veis da Opas, Mar­cos Es­pi­nal, há li­de­ran­ças po­lí­ti­cas que pre­ci­sam ser con­ven­ci­das de que a covid-​19 é uma “ques­tão sé­ria” so­bre “um pro­ble­ma que ain­da não tem so­lu­ção”. “A vi­da é o mais im­por­tan­te. Te­mos de con­ven­cer al­guns lí­de­res so­bre is­so”, afir­mou Es­pi­nal.

Vacinas

De acor­do com o vice-​diretor da Opas, Jar­bas Bar­bo­sa, há atu­al­men­te mais de 150 pro­je­tos de va­ci­nas em an­da­men­to. Cin­co pro­je­tos es­tão na fa­se 3, que é a fi­nal, após o tes­te em hu­ma­nos – me­di­da que é ne­ces­sá­ria pa­ra pro­var que a va­ci­na é se­gu­ra e efi­caz. Se­gun­do Bar­bo­sa, a ex­pec­ta­ti­va é que a va­ci­na fi­que pron­ta em um pra­zo en­tre seis me­ses e um ano.

“É im­por­tan­te que as va­ci­nas che­guem ao fi­nal des­se pro­ces­so e con­fir­mem que po­dem pre­ve­nir a do­en­ça. Va­ci­nas de­sen­vol­vi­das em pla­ta­for­mas du­vi­do­sas e ino­va­do­ras po­dem en­con­trar di­fi­cul­da­de pa­ra ace­le­rar es­ses pra­zos. Daí a ne­ces­si­da­de de os paí­ses tra­ba­lha­rem de for­ma co­or­de­na­da”, afir­mou Bar­bo­sa.

Ele lem­brou que já exis­tem 300 mi­lhões de do­ses fa­bri­ca­das da va­ci­na em es­tá­gio mais avan­ça­do. “O ob­je­ti­vo é che­gar a 2 bi­lhões de do­ses, que se­rão su­fi­ci­en­tes pa­ra a me­ta da pri­mei­ra eta­pa, de cer­ca de 20% da po­pu­la­ção de to­dos os paí­ses, en­tre ido­sos, pro­fis­si­o­nais de saú­de e adul­tos com al­gum ti­po de en­fer­mi­da­de.”

Fon­te: Agên­cia Bra­sil

,