Pes­qui­sa­do­res da Co­a­li­zão Covid-​19 Bra­sil fi­ze­ra uma pes­qui­sa com o uso de hi­dro­xi­clo­ro­qui­na em 667 pa­ci­en­tes com qua­dros le­ves e mo­de­ra­dos da covid-​19, pa­ra tes­tar a efi­cá­cia do me­di­ca­men­to no com­ba­te ao co­ro­na­ví­rus. A pes­qui­sa apon­tou pa­ra a ine­fi­cá­cia do me­di­ca­men­to no tra­ta­men­to da covid-​19.

Re­pro­du­ção


O presidente Jair Bolsonaro defende o uso da hidroxicloroquina mesmo com inúmeros estudos em todo mundo apontando sua ineficáfia no tratamento da covid-19

Os pes­qui­sa­do­res são mé­di­cos dos hos­pi­tais Is­ra­e­li­ta Al­bert Eins­tein, Hco, Sírio-​Libanês, Moi­nhos de Ven­to, Ale­mão Oswal­do Cruz, BP - A Be­ne­fi­cên­cia Por­tu­gue­sa de São Pau­lo, Bra­zi­li­an Cli­ni­cal Re­se­ar­ch Ins­ti­tu­te (BCRI) e Re­de Bra­si­lei­ra de Pes­qui­sa em Te­ra­bia In­ten­si­va (BRIC­Net).

Por meio de sor­teio, 217 pa­ci­en­tes re­ce­be­ram hi­dro­xi­clo­ro­qui­na, azi­tro­mi­ci­na e su­por­te clí­ni­co pa­drão; 221 re­ce­be­ram hi­dro­xi­clo­ro­qui­na mais su­por­te clí­ni­co e 277 re­ce­be­ram ape­nas su­por­te clí­ni­co pa­drão.

O uso da hi­dro­xi­clo­ro­qui­na acon­te­ceu du­ran­te se­te di­as com do­ses de 400 mg a ca­da 12 ho­ras, en­quan­to a azi­tro­mi­ci­na foi apli­ca­da com do­ses de 500 mg a ca­da 24 ho­ras, por se­te di­as.

O re­sul­ta­do foi com­pu­ta­do 15 di­as após a con­clu­são do tra­ta­men­to. O re­sul­ta­do foi que 69% dos pa­ci­en­tes que re­ce­be­ram hi­dro­xi­clo­ro­qui­na, azi­tro­mi­ci­na e ti­ve­ram aces­so ao su­por­te clí­ni­co pa­drão, fo­ram pa­ra ca­sa sem li­mi­ta­ções res­pi­ra­tó­ri­as. 64% dos pa­ci­en­tes que in­ge­ri­ram ape­nas hi­dro­xi­clo­ro­qui­na e ti­ve­ram su­por­te mé­di­co, es­ta­vam em ca­sa sem li­mi­ta­ções e 68% dos pa­ci­en­tes que não re­ce­be­ram ne­nhum me­di­ca­men­to, fo­ram pa­ra ca­sa após 15 di­as sem pro­ble­mas pa­ra res­pi­rar.

A con­clu­são dos es­tu­dos, por­tan­to, é que a hi­dro­xi­clo­ro­qui­na não pro­mo­ve me­lho­ra na evo­lu­ção clí­ni­ca dos pa­ci­en­tes.

Em­bo­ra o me­di­ca­men­to não te­nha au­men­ta­do o nú­me­ro de óbi­tos, fi­cou com­pro­va­do que ele au­men­ta o ris­co de ar­rit­mi­as, apre­sen­tan­do al­te­ra­ções em exa­mes de ele­tro­car­di­o­gra­ma. O me­di­ca­men­to tam­bém au­men­ta a quan­ti­da­de de en­zi­mas no san­gue.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,