Pes­qui­sa do Ins­ti­tu­to Da­ta­Se­na­do di­vul­ga­da nes­ta quarta-​feira (12) apon­ta que, na per­cep­ção de 63% dos pais ou res­pon­sá­veis ou­vi­dos, a qua­li­da­de do en­si­no en­tre os alu­nos que ti­ve­ram au­las re­mo­tas, di­mi­nuiu. Pa­ra 22%, a qua­li­da­de das au­las per­ma­ne­ceu igual e ape­nas 8% in­di­cam que hou­ve me­lho­ra no en­si­no com a mu­dan­ça de for­ma­to. Pe­lo le­van­ta­men­to, 75% dos pais que ti­ve­ram fi­lhos em au­las re­mo­tas nos úl­ti­mos 30 di­as pre­fe­rem que as au­las vol­tem a ser pre­sen­ci­ais quan­do a pan­de­mia acabar.

Divulgação/​MCTIC

O le­van­ta­men­to, apre­sen­ta­do ho­je pa­ra es­pe­ci­a­lis­tas em edu­ca­ção de vá­ri­as en­ti­da­des, re­a­li­za­do por te­le­fo­ne en­tre os di­as 24 e 28 de ju­lho com 2,4 mil bra­si­lei­ros, re­ve­la ain­da que en­tre os pais com fi­lhos ma­tri­cu­la­dos em ins­ti­tui­ções pú­bli­cas, 40% dis­se­ram que as au­las fo­ram ma­jo­ri­ta­ri­a­men­te sus­pen­sas nos úl­ti­mos 30 di­as. No ca­so de ma­tri­cu­la­dos em ins­ti­tui­ções pri­va­das, o mes­mo ocor­reu com 18% dos ouvidos.

Acesso à Internet

A di­fe­ren­ça de aces­so à In­ter­net en­tre re­de pú­bli­ca e pri­va­da é ou­tro da­do da pes­qui­sa. Nos la­res com es­tu­dan­tes em au­las re­mo­tas na re­de pú­bli­ca, 26% não pos­su­em in­ter­net. Na re­de pri­va­da, o per­cen­tu­al cai pa­ra 4%.Também se­gun­do os re­sul­ta­dos, o ce­lu­lar (64%) é meio mais uti­li­za­do pa­ra aces­sar au­las e ma­te­ri­al de es­tu­do. O com­pu­ta­dor vem na se­gun­da po­si­ção, uti­li­za­do por 24% dos alu­nos ouvidos.

“A tec­no­lo­gia é al­go fun­da­men­tal no no­vo nor­mal da edu­ca­ção e os que não a pos­su­em são pre­ju­di­ca­dos, o que nos le­va a in­fe­rir da ne­ces­si­da­de ur­gen­te de po­lí­ti­cas pú­bli­cas que mi­ni­mi­zem a de­si­gual­da­de so­ci­al que as­so­la o Bra­sil e atin­ge ho­ri­zon­tal­men­te o en­si­no”, res­sal­tou o se­na­dor Flá­vio Arns (Rede-​PR), que é o re­la­tor do No­vo Fun­deb [Fun­do de Ma­nu­ten­ção e De­sen­vol­vi­men­to da Edu­ca­ção Bá­si­ca e de Va­lo­ri­za­ção dos Pro­fis­si­o­nais da Edu­ca­ção] no Senado.

Pa­ra a pro­fes­so­ra Iza­bel Pes­soa, que nos pró­xi­mos di­as as­su­mi­rá a Se­cre­ta­ria de Edu­ca­ção Bá­si­ca do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção, o en­si­no hí­bri­do pre­ci­sa ser le­va­do mais a sé­rio no Bra­sil. “Não se tra­ta de es­co­lher mo­da­li­da­de pre­sen­ci­al ou à dis­tân­cia. A edu­ca­ção hí­bri­da é uma re­a­li­da­de e não pres­cin­de da edu­ca­ção pre­sen­ci­al”, ob­ser­vou. Ela lem­brou que o im­pac­to com a sus­pen­são das au­las é um de­sa­fio mun­di­al. “ Is­so vai aju­dar a gen­te a se abrir. Há um pre­con­cei­to com Edu­ca­ção à dis­tân­cia. Te­mos que com­pre­en­der co­mo a edu­ca­ção me­di­a­da pe­las tec­no­lo­gi­as po­de aju­dar a edu­ca­ção no Bra­sil. Va­mos ter que en­con­trar as res­pos­ta jun­tos”, avaliou.

Um ou­tro da­do que a pes­qui­sa traz é em re­la­ção aos alu­nos do en­si­no in­fan­til, fun­da­men­tal e mé­dio que ti­ve­ram au­las re­mo­tas nos úl­ti­mos 30 di­as, se­te em ca­da dez pais re­la­ta­ram que o fi­lho re­ce­beu as ati­vi­da­des da es­co­la por meio on­li­ne e ou­tros 20% bus­ca­ram o ma­te­ri­al na es­co­la, o que com­pro­va o abis­mo edu­ca­ci­o­nal da­que­les que não pos­su­em aces­so à internet.

Fundeb

No dia 20 de agos­to, o Se­na­do vo­ta­rá a Pro­pos­ta de Emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC 26/​2020), que tor­na per­ma­nen­te o Fun­deb e am­plia gra­da­ti­va­men­te a par­ti­ci­pa­ção da União pa­ra 23%. Pa­ra en­trar em vi­gor, a PEC pre­ci­sa ser apro­va­da em dois tur­nos de vo­ta­ção e al­can­çar, em ca­da um de­les, pe­lo me­nos, 49 vo­tos fa­vo­rá­veis. O re­la­tó­rio do se­na­dor Flá­vio Arns man­tém o mes­mo tex­to já apro­va­do pe­los de­pu­ta­dos no mês passado.

Du­ran­te a apre­sen­ta­ção da pes­qui­sa, Arns des­ta­cou a im­por­tân­cia do Fun­deb pa­ra a va­lo­ri­za­ção dos pro­fes­so­res e pa­ra es­ti­mu­lar que no­vos edu­ca­do­res in­gres­sa­rem na car­rei­ra, já que mais da me­ta­de dos re­cur­sos vão pa­ra pa­ga­men­to des­ses pro­fis­si­o­nais. O par­la­men­tar exem­pli­fi­cou co­mo uma das al­ter­na­ti­vas pa­ra me­lho­rar a co­nec­ti­vi­da­de dos alu­nos, a apro­va­ção da pro­pos­ta do se­na­dor Con­fú­cio Mou­ra (MDB-​RO) que tra­ta da apli­ca­ção dos re­cur­sos do Fun­do de Uni­ver­sa­li­za­ção dos Ser­vi­ços de Te­le­co­mu­ni­ca­ções (Fust) pa­ra en­si­no a dis­tân­cia. De acor­do com o pro­je­to (PL 2.599/2020), que aguar­da aná­li­se do ple­ná­rio do Se­na­do, o di­nhei­ro se­rá des­ti­na­do pa­ra a edu­ca­ção bá­si­ca pú­bli­ca du­ran­te a emer­gên­cia de saú­de pro­vo­ca­da pe­la covid-​19 e po­de­rá ser usa­do na aqui­si­ção de com­pu­ta­do­res e ser­vi­ços de aces­so à in­ter­net, en­tre ou­tras finalidades.

Na ava­li­a­ção da re­pre­sen­tan­te do Mo­vi­men­to To­dos pe­la Edu­ca­ção, Pris­ci­la Cruz, por cau­sa das no­vas ne­ces­si­da­des im­pos­tas pe­la pan­de­mia e do agra­va­men­to da cri­se na edu­ca­ção pe­la que­da no or­ça­men­to de es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os, o Fun­deb é im­por­tan­te, mas não su­pre to­das as ne­ces­si­da­des da es­co­la. Pa­ra Pris­ci­la Cruz, além de do Fun­do, Exe­cu­ti­vo e Le­gis­la­ti­vo de­vem se de­di­car à apro­va­ção de um fun­do emer­gen­ci­al es­pe­cí­fi­co pa­ra Edu­ca­ção pa­ra so­cor­rer go­ver­na­do­res e prefeitos.

Fon­te: Agên­cia Brasil