As mor­tes em fun­ção da covid-​19 su­bi­ram 4% na úl­ti­ma se­ma­na epi­de­mi­o­ló­gi­ca em com­pa­ra­ção com a an­te­ri­or. Já os ca­sos con­fir­ma­dos re­la­ci­o­na­dos ao no­vo co­ro­na­ví­rus caí­ram 13% tam­bém em re­la­ção à úl­ti­ma. Os da­dos fo­ram apre­sen­ta­dos on­tem (26) pe­la equi­pe do Mi­nis­té­rio da Saú­de em en­tre­vis­ta on­li­ne so­bre o no­vo Bo­le­tim Epi­de­mi­o­ló­gi­co da covid-​19, em Bra­sí­lia.

Mar­cel­lo Ca­sal Jr/​Agência Bra­sil

A se­ma­na epi­de­mi­o­ló­gi­ca é uma me­di­da uti­li­za­da por au­to­ri­da­des de saú­de pa­ra ava­li­ar a evo­lu­ção de epi­de­mi­as, co­mo é o ca­so da re­la­ci­o­na­da ao no­vo co­ro­na­ví­rus. A 34ª se­ma­na foi con­si­de­ra­da en­tre os di­as 16 e 22 de agos­to. As mor­tes por covid-​19 to­ta­li­za­ram 7.018 na 34ª se­ma­na epi­de­mi­o­ló­gi­ca. Na 33ª, o bo­le­tim do Mi­nis­té­rio da Saú­de re­gis­tra­va 6.755 óbi­tos. A mé­dia diá­ria vol­tou a ul­tra­pas­sar os 1.000 óbi­tos, de­pois de bai­xar des­te pa­ta­mar nas se­ma­nas an­te­ri­o­res. A su­bi­da in­ver­teu a ten­dên­cia de que­da ini­ci­a­da no fim do mês de ju­lho, após uma es­ta­bi­li­za­ção du­ran­te dois me­ses.

No re­cor­te por re­giões, o cres­ci­men­to se deu, so­bre­tu­do, no Su­des­te, que pos­sui mé­dia diá­ria de 457 mor­tes, e no Centro-​Oeste, com mé­dia de 149 fa­le­ci­men­tos. Já o Nor­des­te con­ti­nu­ou o mo­vi­men­to de que­da, cain­do pa­ra 207 óbi­tos por dia. O Nor­te tam­bém caiu, com 54 mor­tes por dia.

Casos

Em re­la­ção ao nú­me­ro de ca­sos, en­quan­to na 33ª se­ma­na o to­tal de pes­so­as in­fec­ta­das re­gis­tra­das foi de 304,6 mil, nes­ta úl­ti­ma (34ª) a so­ma fi­cou em 265,2 mil. A cur­va de ca­sos co­me­çou a cres­cer em abril, dis­pa­rou em maio e ju­nho, co­me­çou a es­ta­bi­li­zar en­tre ju­nho e ju­lho, os­ci­lou e co­me­çou a cair no meio de ju­lho, até ex­pe­ri­men­tar a que­da de 13% ago­ra.

“A que­da é ob­ser­va­da quan­do a gen­te com­pa­ra as se­ma­nas an­te­ri­o­res. Na 34ª, hou­ve di­mi­nui­ção bas­tan­te im­por­tan­te, com mé­dia diá­ria de 37.895, quan­do nas an­te­ri­o­res es­ta­va na ca­sa dos 43 mil. Quan­do com­pa­ra­mos por re­gião ve­mos que es­ta re­du­ção foi dis­tri­buí­da em qua­se to­das as re­giões”, ana­li­sou o di­re­tor do De­par­ta­men­to de Aná­li­se em Saú­de e Vi­gi­lân­cia de Do­en­ças Não Trans­mis­sí­veis, Edu­ar­do Ma­cá­rio.

Fon­te: Agên­cia Bra­sil

,