O mi­nis­tro Gil­mar Men­des, do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), vo­tou on­tem (26) pa­ra afas­tar a apli­ca­ção da Ta­xa Re­fe­ren­ci­al (TR) na cor­re­ção mo­ne­tá­ria de dí­vi­das tra­ba­lhis­tas. Pe­lo en­ten­di­men­to do mi­nis­tro, a ta­xa, de­fi­ni­da na re­for­ma tra­ba­lhis­ta de 2017 co­mo ín­di­ce de cor­re­ção de va­lo­res de­vi­dos aos tra­ba­lha­do­res, é in­cons­ti­tu­ci­o­nal.

Car­los Mendes/​SCO/​STF

De acor­do com Men­des, o Ín­di­ce de Pre­ços ao Con­su­mi­dor Am­plo Es­pe­ci­al (IPCA-​E) de­ve ser apli­ca­do na fa­se pré-​judicial e a ta­xa Se­lic, ta­xa bá­si­ca da eco­no­mia, de­ve ser usa­da após a fa­se de ci­ta­ção. Os dois ín­di­ces ren­dem mais que a TR e são mais fa­vo­rá­veis ao tra­ba­lha­dor.

Após o vo­to do mi­nis­tro, que é re­la­tor do ca­so, a ses­são foi sus­pen­sa e se­rá re­to­ma­da ho­je (27) pa­ra con­ti­nui­da­de da vo­ta­ção. Mais dez mi­nis­tros de­vem vo­tar.

O jul­ga­men­to foi mo­ti­va­do por ações pro­to­co­la­das por di­ver­sas en­ti­da­des pa­ra que a TR não se­ja uti­li­za­da na cor­re­ção de cré­di­tos tra­ba­lhis­tas. Pa­ra as en­ti­da­des, o IPCA-​E de­ve­ria ser uti­li­za­do.

A TR é um ín­di­ce cal­cu­la­do pe­lo Ban­co Cen­tral que cos­tu­ma fi­car abai­xo da in­fla­ção anu­al. Em 2019, a TR foi de 0%. A Se­lic es­tá em 2% ao ano.

Em seu vo­to, Men­des en­ten­deu que a TR é ina­de­qua­da pa­ra atu­a­li­za­ção de dé­bi­tos tra­ba­lhis­tas. Des­sa for­ma, o IPCA-​E e a Se­lic de­vem ser uti­li­za­das pe­la Jus­ti­ça do Tra­ba­lho pa­ra re­a­li­zar as cor­re­ções dos cré­di­tos do tra­ba­lha­dor.

“Es­tou jul­gan­do par­ci­al­men­te pro­ce­den­te as ações pa­ra con­fe­rir in­ter­pre­ta­ção con­for­me à Cons­ti­tui­ção, no sen­ti­do de con­si­de­rar que na atu­a­li­za­ção dos cré­di­tos de­cor­ren­tes de con­de­na­ção ju­di­ci­al e a cor­re­ção de de­pó­si­tos re­cur­sais em con­tas ju­di­ci­ais na Jus­ti­ça do Tra­ba­lho de­ve­rão ser apli­ca­dos, até que so­bre­ve­nha so­lu­ção le­gis­la­ti­va, os mes­mos ín­di­ces de cor­re­ção mo­ne­tá­ria e de ju­ros vi­gen­tes pa­ra as con­de­na­ções cí­veis em ge­ral, quais se­jam, a in­ci­dên­cia do IPCA-​E na fa­se pré-​judicial e a par­tir da ci­ta­ção, a in­ci­dên­cia da ta­xa Se­lic”, vo­tou o mi­nis­tro.

No dia 27 de ju­nho, Gil­mar Men­des sus­pen­deu to­das as ações so­bre a ques­tão em tra­mi­ta­ção na Jus­ti­ça do Tra­ba­lho pa­ra aguar­dar a de­ci­são da Cor­te. A de­ci­são foi as­si­na­da pou­co an­tes de o Tri­bu­nal Su­pe­ri­or do Tra­ba­lho (TST) re­to­mar o jul­ga­men­to so­bre o as­sun­to. No mes­mo mês, o te­ma che­gou a en­trar na pau­ta do ple­ná­rio da cor­te tra­ba­lhis­ta, on­de 17 dos 27 mi­nis­tros já vo­ta­ram pe­la ado­ção do IPCA.

Fon­te: Agên­cia Bra­sil

,