A Ad­vo­ca­cia Ge­ral da União (AGU) re­cor­reu na noi­te des­ta quarta-​feira (23) da de­ci­são da Jus­ti­ça Fe­de­ral que sus­pen­deu o re­tor­no de mé­di­cos pe­ri­tos às agên­ci­as vis­to­ri­a­das do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal do Se­gu­ro So­ci­al (INSS). “A de­ci­são agra­va­da, além de não aten­der ao re­qui­si­to da pro­ba­bi­li­da­de do di­rei­to, cau­sa ir­re­pa­rá­vel pre­juí­zo à União, ao INSS e a cen­te­nas de mi­lha­res de be­ne­fi­ciá­ri­os da Pre­vi­dên­cia So­ci­al, par­ce­la vul­ne­rá­vel da so­ci­e­da­de”, diz a AGU no re­cur­so.

Mar­ce­lo Camargo/​Agência Bra­sil

O juiz Már­cio de Fran­ça, da 8ª Va­ra do Dis­tri­to Fe­de­ral, aten­deu a um pe­di­do de li­mi­nar fei­to pe­la As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal dos Pe­ri­tos Mé­di­cos Fe­de­rais (ANMP) em que a en­ti­da­de ar­gu­men­ta que um ofí­cio pu­bli­ca­do an­tes do re­tor­no ao tra­ba­lho co­lo­cou em ris­co a saú­de dos pe­ri­tos ao fle­xi­bi­li­zar me­di­das sa­ni­tá­ri­as de pre­ven­ção à covid-​19 nas agên­ci­as da Pre­vi­dên­cia.

Na de­ci­são, o ma­gis­tra­do afir­ma que “di­an­te do ris­co de da­no ao meio am­bi­en­te do tra­ba­lho e à saú­de do tra­ba­lha­dor, ca­be in­vo­car o prin­cí­pio da pre­ven­ção pa­ra sus­pen­der os atos ad­mi­nis­tra­ti­vos que su­pri­mi­ram ou re­la­ti­vi­za­ram os itens bá­si­cos de pro­te­ção, restabelecendo-​se as exi­gên­ci­as sa­ni­tá­ri­as mí­ni­mas da nor­ma ori­gi­nal, bem co­mo im­pe­dir o re­tor­no dos as­so­ci­a­dos da au­to­ra ao ser­vi­ço pre­sen­ci­al até a emis­são de no­vos re­la­tó­ri­os con­clu­si­vos de ade­qua­ção das APS aos itens de se­gu­ran­ça con­tra a con­ta­mi­na­ção do co­ro­na­ví­rus”.

Na se­ma­na pas­sa­da, a ANMP dis­se que não re­tor­na­ria ao tra­ba­lho en­quan­to não se res­pei­tas­sem pro­to­co­los sa­ni­tá­ri­os. O gru­po ele­vou o tom con­tra o go­ver­no em uma no­ta on­de cri­ti­cou o pre­si­den­te do INSS, Le­o­nar­do Ro­lim; o se­cre­tá­rio de Pre­vi­dên­cia, Nar­lon Gu­ti­er­rez e o Se­cre­tá­rio Es­pe­ci­al de Pre­vi­dên­cia e Tra­ba­lho do Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia, Bru­no Bi­an­co.

Fo­ram re­a­li­za­das vis­to­ri­as em agên­ci­as do Dis­tri­to Fe­de­ral pa­ra ve­ri­fi­car as pos­si­bi­li­da­des de re­to­ma­da das ati­vi­da­des cum­prin­do pro­to­co­los sa­ni­tá­ri­os. Na oca­sião, Le­o­nar­do Ro­lim dis­se que as agên­ci­as re­to­ma­ri­am nor­mal­men­te os tra­ba­lhos na quinta-​feira (17).

A no­ta da ANMP apon­ta­va que os mem­bros do go­ver­no des­fi­la­ram “fei­to três pa­te­tas em uma agên­cia ain­da não inau­gu­ra­da em Bra­sí­lia, com pran­che­tas na mão que si­mu­la­vam uma fis­ca­li­za­ção téc­ni­ca”.

No re­cur­so im­pe­tra­do ho­je, a AGU diz ha­ver do­cu­men­tos que “com­pro­vam o ri­go­ro­so cui­da­do que pre­ce­de a re­a­ber­tu­ra de ca­da agên­cia do INSS”.

Na sexta-​feira (18) o go­ver­no pu­bli­cou um edi­tal de con­vo­ca­ção pa­ra que ser­vi­do­res re­to­mas­sem os aten­di­men­tos de for­ma ime­di­a­ta nas uni­da­des vis­to­ri­a­das. O re­tor­no das pe­rí­ci­as mé­di­cas es­ta­va pre­vis­to pa­ra o dia 14 de se­tem­bro.

Na segunda-​feira (21), a de­pu­ta­da Per­pé­tua Al­mei­da (PCdoB-​AC) apre­sen­tou uma re­pre­sen­ta­ção ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Acre pa­ra que o aten­di­men­to nas agên­ci­as do INSS se­ja ga­ran­ti­do em to­do o país. O pe­di­do da de­pu­ta­da foi en­ca­mi­nha­do ao pro­cu­ra­dor da Re­pú­bli­ca no es­ta­do, Ri­car­do Ale­xan­dre Sou­za La­gos.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,