O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro pror­ro­gou por 60 di­as o pro­gra­ma que au­to­ri­za em­pre­sas a re­du­zi­rem pro­por­ci­o­nal­men­te, ou sus­pen­de­rem, a jor­na­da e o sa­lá­rio dos fun­ci­o­ná­ri­os. O de­cre­to va­le até 31 de de­zem­bro, da­ta pre­vis­ta pa­ra aca­bar o es­ta­do de ca­la­mi­da­de pú­bli­ca em ra­zão da pan­de­mia.

Ro­ve­na Rosa/​Agência Bra­sil


Comércio de São Paulo durante a pandemia de covid-19

“Di­an­te do ce­ná­rio atu­al de cri­se so­ci­al e econô­mi­ca, e com a per­ma­nên­cia de me­di­das res­tri­ti­vas de iso­la­men­to so­ci­al, faz-​se ne­ces­sá­ria a pror­ro­ga­ção, mais uma vez, do pra­zo má­xi­mo de va­li­da­de dos acor­dos. Es­sa ação irá per­mi­tir que em­pre­sas que es­tão em si­tu­a­ção de vul­ne­ra­bi­li­da­de pos­sam con­ti­nu­ar so­bre­vi­ven­do a es­te pe­río­do e, des­ta for­ma, pre­ser­var pos­tos de tra­ba­lho e pro­je­tar uma me­lhor re­cu­pe­ra­ção econô­mi­ca”, diz no­ta di­vul­ga­da pe­lo Pa­lá­cio do Pla­nal­to a res­pei­to da de­ci­são do go­ver­no.

O Be­ne­fí­cio Emer­gen­ci­al de Pre­ser­va­ção do Em­pre­go e da Ren­da (BEM) foi cri­a­do por me­di­da pro­vi­só­ria em abril e já ha­via si­do pror­ro­ga­do du­as ve­zes. De acor­do com a lei ori­gi­ná­ria da MP, o va­lor da com­pen­sa­ção equi­va­le a um per­cen­tu­al do que o fun­ci­o­ná­rio re­ce­be­ria de seguro-​desemprego. O pro­gra­ma aten­de a tra­ba­lha­do­res que ti­ve­ram re­du­ção de sa­lá­rio e da jor­na­da de tra­ba­lho ou a sus­pen­são do con­tra­to.

Nes­ses ca­sos, o em­pre­ga­dor é obri­ga­do a ga­ran­tir o em­pre­go do fun­ci­o­ná­rio por pe­río­do igual ao da re­du­ção sa­la­ri­al ou sus­pen­são do con­tra­to. Se fo­rem cin­co me­ses de sus­pen­são de con­tra­to ou re­du­ção da jor­na­da, por exem­plo, o tra­ba­lha­dor não po­de­rá ser de­mi­ti­do pe­los cin­co me­ses se­guin­tes. Ca­so a re­gra não se­ja res­pei­ta­da, o em­pre­ga­dor te­rá de in­de­ni­zar o fun­ci­o­ná­rio.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,