Du­ran­te uma con­fe­rên­cia on­li­ne re­a­li­za­da na ma­nhã des­ta terça-​feira (7), o epi­de­mi­o­lo­gis­ta da Or­ga­ni­za­ção Pan-​Americana da Saú­de (OPAS), Jar­bas Bar­bo­sa da Sil­va, co­men­tou so­bre a pan­de­mia da covid-​19, e as ações que de­vem ser de­sem­pe­nha­das pe­los go­ver­nos dos paí­ses.

Tâ­nia Rêgo/​Agência Bra­sil


Espaço público para exercícios é interditado pela Defesa Civil no RJ

Jar­bas Bar­bo­sa é sub­di­re­tor da OPAS, que é o bra­ço da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS) nas Amé­ri­cas. Ele ava­lia que o iso­la­men­to so­ci­al e a sus­pen­são das ati­vi­da­des são im­por­tan­tes pa­ra de­sa­fo­gar o sis­te­ma de saú­de. “Quan­do a gen­te ‘pa­ra’ as ati­vi­da­des de um país, man­ten­do ape­nas as es­sen­ci­ais, a gen­te es­tá com­pran­do tem­po pa­ra que as UTIs e res­pi­ra­do­res não fi­quem so­bre­car­re­ga­dos e que as pes­so­as não mor­ram por cau­sa dis­so”, diz. Sem o dis­tan­ci­a­men­to so­ci­al, o ris­co é de que mui­tas pes­so­as fi­quem do­en­tes ao mes­mo tem­po e que o nú­me­ro de hos­pi­tais não con­si­gam aten­der à de­man­da.
Leia mais

De­pois de três se­ma­nas se re­cu­pe­ran­do da covid-​19, o pre­si­den­te do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-​AP), pre­si­diu nes­ta terça-​feira (7) a pri­mei­ra ses­são vir­tu­al da Ca­sa de­pois de ser aco­me­ti­do pe­lo no­vo co­ro­na­ví­rus. Al­co­lum­bre foi di­ag­nos­ti­ca­do em 17 de mar­ço.

Wal­de­mir Barreto/​Agência Se­na­do


O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), presidindo a primeira sessão após ter contraído o novo coronavírus

“Não po­de­mos re­le­var, não po­de­mos des­con­si­de­rar. Te­nho con­vic­ção de que a de­ci­são do iso­la­men­to so­ci­al é acer­ta­da”, dis­se ele. Mais tar­de, em en­tre­vis­ta a jor­na­lis­tas, o se­na­dor fri­sou con­fi­an­ça nas ori­en­ta­ções da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS) e do Mi­nis­té­rio da Saú­de.
Leia mais

O juiz Ita­gi­ba Cat­ta Pre­ta Ne­to, da 4ª Va­ra Cí­vel do Dis­tri­to Fe­de­ral, blo­que­ou os re­cur­sos dos fun­dos Elei­to­ral e Par­ti­dá­rio e de­ter­mi­nou que o di­nhei­ro de­ve ser usa­do no com­ba­te à pan­de­mia de covid-​19. A de­ci­são foi to­ma­da no âm­bi­to de uma ação po­pu­lar e foi di­vul­ga­da pe­la as­ses­so­ria de im­pren­sa da Jus­ti­ça Fe­de­ral.

Wil­son Dias/​Agência Bra­sil

De acor­do com o juiz,“dos sa­cri­fí­ci­os que se exi­gem de to­da a na­ção não po­dem ser pou­pa­dos ape­nas al­guns, jus­ta­men­te os mais po­de­ro­sos, que con­tro­lam, in­clu­si­ve, o or­ça­men­to da União”.
Leia mais

O Mi­nis­té­rio da Saú­de de­fen­de a re­du­ção par­ci­al do iso­la­men­to em ci­da­des e es­ta­dos com pe­lo me­nos 50% dos lei­tos e es­tru­tu­ra de saú­de va­gos. Se­gun­do bo­le­tim di­vul­ga­do on­tem pe­la pas­ta, a par­tir da pró­xi­ma segunda-​feira (13), ci­da­de com me­ta­de da ca­pa­ci­da­de de aten­di­men­to mé­di­co dis­po­ní­vel po­de­rá pas­sar do dis­tan­ci­a­men­to so­ci­al am­pli­a­do (DSA) pa­ra uma tran­si­ção ao dis­tan­ci­a­men­to so­ci­al se­le­ti­vo (DSS).

An­der­son Riedel/​MS

Pe­lo dis­tan­ci­a­men­to am­pli­a­do, não há li­mi­ta­ções ape­nas pa­ra gru­pos es­pe­cí­fi­cos. To­dos os se­to­res da so­ci­e­da­de de­vem per­ma­ne­cer em iso­la­men­to. Já pe­lo dis­tan­ci­a­men­to se­le­ti­vo, al­guns gru­pos fi­cam iso­la­dos. En­tre eles, pes­so­as com mais de 60 anos e com do­en­ças pre­e­xis­ten­tes. As de­mais po­dem cir­cu­lar li­vre­men­te.
Leia mais

“Nós va­mos con­ti­nu­ar, por­que con­ti­nu­an­do a gen­te vai en­fren­tar o nos­so ini­mi­go. O nos­so ini­mi­go tem no­me e so­bre­no­me: é o covid-​19. Nós te­mos uma so­ci­e­da­de pa­ra ten­tar lu­tar, pa­ra ten­tar pro­te­ger. Mé­di­co não aban­do­na pa­ci­en­te. Eu não vou aban­do­nar”, dis­se o mi­nis­tro da Saú­de, Luiz Hen­ri­que Man­det­ta, em co­le­ti­va à im­pren­sa na noi­te des­ta segunda-​feira (6).

Re­pro­du­ção

“In­fe­liz­men­te co­me­ça­mos com mais um so­la­van­co a se­ma­na de tra­ba­lho. Es­pe­ra­mos que nós pos­sa­mos ter paz pa­ra pros­se­guir”. Nes­ta se­gun­da, sur­gi­ram no­tí­ci­as dan­do con­ta de uma pos­sí­vel de­mis­são de Man­det­ta pe­lo pre­si­den­te Bol­so­na­ro, que tem fei­to rei­te­ra­das crí­ti­cas ao mi­nis­tro.
Leia mais

A se­ma­na co­me­çou ten­sa em Bra­sí­lia com mais uma su­ces­são de epi­só­di­os que re­fle­tem um pre­si­den­te ca­da vez mais iso­la­do e dis­pos­to a ten­si­o­nar os li­mi­tes da de­mo­cra­cia e da go­ver­na­bi­li­da­de. O pon­to co­mum dos em­ba­tes foi a atu­a­ção do mi­nis­tro da Saú­de, Luiz Hen­ri­que Man­det­ta - que vi­rou al­vo de bol­so­na­ris­tas nas re­des so­ci­ais após o pre­si­den­te dar o si­nal, di­zen­do que seu su­bor­di­na­do ha­via “exa­ge­ra­do” e que pre­ci­sa­va ser “mais hu­mil­de”.

Mar­cel­lo Ca­sal Jr/​Agência Bra­sil


Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta

Ten­tan­do res­ta­be­le­cer a or­dem na­tu­ral de um go­ver­no, em que o pre­si­den­te é fi­gu­ra pú­bli­ca com mais pres­tí­gio que seus mi­nis­tros, ali­a­dos de Bol­so­na­ro ata­ca­ram Man­det­ta por di­ver­sos flan­cos. Com o vo­ca­bu­lá­rio ha­bi­tu­al, Ola­vo de Car­va­lho pe­diu sua saí­da do Mi­nis­té­rio: “Fo­ra, mi­nis­tro Pu­nhet­ta!”. Ao mes­mo tem­po, um dos bra­ços da co­mu­ni­ca­ção da re­de bol­so­na­ris­ta acu­sou o mi­nis­tro de ob­ter o apoio da im­pren­sa por meio de con­tra­tos de pu­bli­ci­da­de fir­ma­dos pe­la pas­ta.
Leia mais

O Mi­nis­té­rio da Saú­de apre­sen­tou nes­ta se­ma­na no­vas re­co­men­da­ções pa­ra o uso de más­ca­ras uti­li­za­das co­mo pro­te­ção con­tra o no­vo co­ro­na­ví­rus. Ago­ra, as más­ca­ras ci­rúr­gi­cas e as do mo­de­lo N95/​PFF2 - que são es­pe­ci­a­li­za­das e, por is­so, pos­su­em um cus­to maior- de­vem ser uti­li­za­das ex­clu­si­va­men­te por pro­fis­si­o­nais dos ser­vi­ços de saú­de, que es­tão na li­nha de fren­te no com­ba­te à pan­de­mia. Pa­ra os de­mais, pas­sa a ser re­co­men­da­da a uti­li­za­ção de más­ca­ras que po­dem ser fei­tas em ca­sa, sem a ne­ces­si­da­de de mui­ta ela­bo­ra­ção - as cha­ma­das de “ca­sei­ras”.

Pi­xa­bay


Ministério da Saúde recomenda a produção e uso de máscaras caseiras

O uso da más­ca­ra co­mo uma pro­te­ção fí­si­ca ao ví­rus não ex­clui a ne­ces­si­da­de de cum­prir as ou­tras re­co­men­da­ções do Mi­nis­té­rio, co­mo por exem­plo, o dis­tan­ci­a­men­to so­ci­al, evi­tar aglo­me­ra­ções e fa­zer o uso do ál­co­ol em gel . “O uso das más­ca­ras ca­sei­ras é mais uma in­ter­ven­ção a ser im­ple­men­ta­da jun­to com as de­mais me­di­das re­co­men­da­das pe­lo Mi­nis­té­rio da Saú­de co­mo o dis­tan­ci­a­men­to so­ci­al, a eti­que­ta res­pi­ra­tó­ria e hi­gi­e­ni­za­ção das mãos vi­san­do in­ter­rom­per o ci­clo da covid-​19”, aler­ta o ór­gão em no­ta téc­ni­ca.
Leia mais

Di­plo­ma­tas es­tran­gei­ros ba­se­a­dos em Bra­sí­lia re­a­gi­ram com mui­ta pre­o­cu­pa­ção à no­tí­cia, di­vul­ga­da sá­ba­do (4) pe­lo Mi­nis­té­rio da Saú­de, de que em ape­nas 24 ho­ras au­men­tou em 20% o to­tal de mor­tes por covid-​19 ofi­ci­al­men­te re­gis­tra­das no Bra­sil. Até on­tem eram 10.278 ca­sos con­fir­ma­dos e 432 óbi­tos.

BBC

Is­so sig­ni­fi­ca mais do que o do­bro do nú­me­ro de ví­ti­mas fa­tais do aci­den­te da TAM ocor­ri­do em São Pau­lo, em ju­lho de 2007. Foi um dos mai­o­res de­sas­tres da his­tó­ria da avi­a­ção bra­si­lei­ra e ne­le mor­re­ram 199 pes­so­as. Nes­te do­min­go (5), os nú­me­ros atu­a­li­za­dos in­di­cam 11.130 ca­sos con­fir­ma­dos e 486 mor­tes no país.
Leia mais

O pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), dis­se nes­ta quinta-​feira (2) que o go­ver­no do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro de­mo­rou a re­a­gir à cri­se do co­ro­na­ví­rus. “O go­ver­no de­mo­rou, não fez de for­ma sis­tê­mi­ca um pa­co­te or­ga­ni­za­do”, afir­mou du­ran­te te­le­con­fe­rên­cia pro­mo­vi­da pe­lo ban­co San­tan­der.

Pa­blo Valadares/​Câmara dos De­pu­ta­dos


Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara

Se­gun­do ele, Bol­so­na­ro não tem a ini­ci­a­ti­va de en­ca­mi­nhar as ini­ci­a­ti­vas de com­ba­te à cri­se ao Con­gres­so. “Pre­ci­sa sem­pre do pas­so de al­guém pa­ra es­ti­mu­lar o go­ver­no a dar ou­tro pas­so. A gen­te vai fi­can­do a re­bo­que de de­ci­sões de ou­tros paí­ses ou de pres­sões se­to­ri­ais”.
Leia mais

O mi­nis­tro da Saú­de, Luiz Hen­ri­que Man­det­ta, pu­bli­cou ho­je uma por­ta­ria cri­an­do o pro­gra­ma “O Bra­sil Con­ta Co­mi­go - Pro­fis­si­o­nais da Saú­de”. O do­cu­men­to de­ter­mi­na o ca­das­tro e a ca­pa­ci­ta­ção de to­dos os pro­fis­si­o­nais da área de saú­de nos pro­to­co­los ofi­ci­ais de com­ba­te ao co­ro­na­ví­rus. A pu­bli­ca­ção do do­cu­men­to foi fei­ta nes­ta quin­ta (2), quan­do o país re­gis­tra, ofi­ci­al­men­te, 6.836 ca­sos con­fir­ma­dos de covid-​19 e 241 mor­tes.

Reprodução/​Congresso em Fo­co


Profissionais de saúde farão curso sobre protocolos contra o covid-19

Pe­lo do­cu­men­to fi­cam con­vo­ca­dos pa­ra o ca­das­tro e obri­ga­dos a fa­zer o cur­so os pro­fis­si­o­nais das se­guin­tes áre­as:

- ser­vi­ço so­ci­al;
- bi­o­lo­gia;
- bi­o­me­di­ci­na;
- edu­ca­ção fí­si­ca;
- en­fer­ma­gem;
- far­má­cia;
- fi­si­o­te­ra­pia e te­ra­pia ocu­pa­ci­o­nal;
- fo­no­au­di­o­lo­gia;
- me­di­ci­na;
- me­di­ci­na ve­te­ri­ná­ria;
- nu­tri­ção;
- odon­to­lo­gia;
- psi­co­lo­gia; e
- téc­ni­cos em ra­di­o­lo­gia.
Leia mais