Arquivos de Direitos Trabalhistas

O mi­nis­tro Gil­mar Men­des, do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), vo­tou on­tem (26) pa­ra afas­tar a apli­ca­ção da Ta­xa Re­fe­ren­ci­al (TR) na cor­re­ção mo­ne­tá­ria de dí­vi­das tra­ba­lhis­tas. Pe­lo en­ten­di­men­to do mi­nis­tro, a ta­xa, de­fi­ni­da na re­for­ma tra­ba­lhis­ta de 2017 co­mo ín­di­ce de cor­re­ção de va­lo­res de­vi­dos aos tra­ba­lha­do­res, é in­cons­ti­tu­ci­o­nal.

Car­los Mendes/​SCO/​STF

De acor­do com Men­des, o Ín­di­ce de Pre­ços ao Con­su­mi­dor Am­plo Es­pe­ci­al (IPCA-​E) de­ve ser apli­ca­do na fa­se pré-​judicial e a ta­xa Se­lic, ta­xa bá­si­ca da eco­no­mia, de­ve ser usa­da após a fa­se de ci­ta­ção. Os dois ín­di­ces ren­dem mais que a TR e são mais fa­vo­rá­veis ao tra­ba­lha­dor.
Leia mais

Jair Bol­so­na­ro re­vo­gou, en­tre ou­tras me­di­das, um de­cre­to de 2004 que ins­ti­tuiu no âm­bi­to do Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho e Em­pre­go, uma co­mis­são tri­par­ti­te com o ob­je­ti­vo de pro­mo­ver po­lí­ti­cas pú­bli­cas de igual­da­de de opor­tu­ni­da­des, de tra­ta­men­to e de com­ba­te a for­mas de dis­cri­mi­na­ção de gê­ne­ro e de ra­ça no mer­ca­do de tra­ba­lho. A de­ci­são saiu no Diá­rio Ofi­ci­al da União des­ta terça-​feira (25).

Mar­cel­lo Ca­sal Jr/​Agência Bra­sil

A co­mis­são era com­pos­ta por mem­bros do en­tão Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho; do Mi­nis­té­rio do Pla­ne­ja­men­to, Or­ça­men­to e Ges­tão; da Se­cre­ta­ria Es­pe­ci­al de Po­lí­ti­cas de Pro­mo­ção da Igual­da­de Ra­ci­al da Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca; da Se­cre­ta­ria Es­pe­ci­al de Po­lí­ti­cas pa­ra as Mu­lhe­res, da Se­cre­ta­ria Es­pe­ci­al dos Di­rei­tos Hu­ma­nos da Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, além de en­ti­da­des de tra­ba­lha­do­res e em­pre­ga­do­res, co­mo Cen­tral Úni­ca dos Tra­ba­lha­do­res (CUT), For­ça Sin­di­cal e Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal das Ins­ti­tui­ções Fi­nan­cei­ras.
Leia mais

Foi pu­bli­ca­da ho­je (24) no Diá­rio Ofi­ci­al da União a por­ta­ria do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal do Se­gu­ro So­ci­al (INSS) e da Se­cre­ta­ria Es­pe­ci­al de Pre­vi­dên­cia e Tra­ba­lho do Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia que pror­ro­ga o aten­di­men­to aos se­gu­ra­dos e be­ne­fi­ciá­ri­os, ex­clu­si­va­men­te por ca­nais re­mo­tos, até o dia 11 de se­tem­bro. A re­to­ma­da do aten­di­men­to pre­sen­ci­al nas agên­ci­as da Pre­vi­dên­cia es­tá pre­vis­ta pa­ra ocor­rer em 14 de se­tem­bro.

Mar­ce­lo Camargo/​Agência Bra­sil

A de­ci­são pe­la pror­ro­ga­ção foi anun­ci­a­da na sexta-​feira (21) pas­sa­da. A sus­pen­são do aten­di­men­to nas uni­da­des ocor­reu em mar­ço em ra­zão da pan­de­mia da covid-​19 e, des­de en­tão, o INSS e o Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia vem pror­ro­gan­do o aten­di­men­to re­mo­to. De acor­do com a úl­ti­ma por­ta­ria, pu­bli­ca­da em ju­lho, a re­a­ber­tu­ra es­ta­va pre­vis­ta pa­ra ho­je (24).
Leia mais

Os se­na­do­res de­ci­di­ram não vo­tar nes­ta sexta-​feira (17) a me­di­da pro­vi­só­ria que cria a cha­ma­da car­tei­ra de tra­ba­lho ver­de e ama­re­lo (MP 905/​2019). A MP ven­ce na pró­xi­ma segunda-​feira (20) e, se não for apro­va­da no dia, per­de­rá a va­li­da­de, ex­tin­guin­do o pro­gra­ma cri­a­do pe­lo go­ver­no fe­de­ral pa­ra es­ti­mu­lar a con­tra­ta­ção de tra­ba­lha­do­res en­tre 15 e 29 anos.

Con­traf

Lí­de­res go­ver­nis­tas no Se­na­do bus­cam acor­do com a Câ­ma­ra na ten­ta­ti­va de sal­var a MP, mas a mai­o­ria (MDB, Re­de, PDT, PSD, PSDB, Po­de­mos, Pros e Ci­da­da­nia) de­fen­de dei­xar o tex­to ca­du­car.
Leia mais

A co­mis­são es­pe­ci­al que ana­li­sa a me­di­da pro­vi­só­ria do con­tra­to de tra­ba­lho ver­de ama­re­lo apro­vou nes­ta terça-​feira (11) o pa­re­cer fa­vo­rá­vel do de­pu­ta­do Ch­ris­ti­no Áu­reo (PP-​RJ).

Por­tal Bra­sil

En­tre as mo­di­fi­ca­ções fei­tas pe­lo re­la­tor em re­la­ção ao tex­to do go­ver­no es­tão a in­clu­são de tra­ba­lha­do­res com mais de 55 anos e re­ti­ra­da da obri­ga­to­ri­e­da­de da ta­xa­ção do seguro-​desemprego.

Hou­ve um acor­do pa­ra que os pon­tos que cau­sam mais in­sa­tis­fa­ção fos­sem vo­ta­dos em se­pa­ra­do. A co­mis­são ana­li­sou pos­te­ri­or­men­te pon­tos que fo­ram des­ta­ca­dos. Uma emen­da que ga­ran­te o vale-​transporte dos em­pre­ga­dos foi apro­va­da e o re­la­tó­rio mo­di­fi­ca­do.
Leia mais

O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro pro­me­teu eli­mi­nar mais de três mil ti­pos de mul­tas que ho­je são co­bra­das aos em­pre­sá­ri­os bra­si­lei­ros. Se­gun­do o man­da­tá­rio, a re­du­ção das pu­ni­ções se­rá fei­ta nes­te ano atra­vés da re­vi­são das Nor­mas Re­gu­la­men­ta­do­ras (NRs) - nor­mas que di­zem res­pei­to à se­gu­ran­ça e à me­di­ci­na do tra­ba­lho.

Reprodução/​Congresso em Fo­co

“Te­mos 37 NRs que in­fer­ni­zam a vi­da dos em­pre­sá­ri­os, co­mer­ci­an­tes, em­pre­en­de­do­res, etc. […] Es­ta­mos re­vi­san­do as de­mais NRs e, até de­zem­bro des­se ano, eli­mi­na­re­mos mais de 3.000 ti­pos de mul­tas”, afir­mou Bol­so­na­ro no Twit­ter na noi­te des­sa segunda-​feira (6).

O pre­si­den­te ain­da lem­brou que es­sa re­vi­são já co­me­çou em 2019, com mu­dan­ças na nor­ma que tra­ta da hi­gi­e­ne e do con­for­to nos lo­cais de tra­ba­lho. “Nu­ma de­las, já al­te­ra­da por nós, exis­ti­am 41 itens pa­ra apli­car mul­tas so­men­te em ba­nhei­ros das em­pre­sas (ho­je são 4 ape­nas)”, dis­se Bol­so­na­ro nes­sa segunda-​feira.
Leia mais

O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Tra­ba­lho (MPT) re­a­li­za nes­te mês a cam­pa­nha do Maio Li­lás, pa­ra res­sal­tar a im­por­ta­ção da atu­a­ção dos sin­di­ca­tos pa­ra o tra­ba­lha­dor. O slo­gan é “Co­nhe­ça quem te re­pre­sen­ta”. De acor­do com o MPT, de 2012 a 2017 fo­ram ce­le­bra­das mais de 53 mil con­ven­ções co­le­ti­vas, as­se­gu­ran­do di­rei­tos.

A es­co­lha da cor deve-​se à ver­são de que era o li­lás o te­ci­do con­fec­ci­o­na­do pe­las mu­lhe­res que tra­ba­lha­vam em uma fá­bri­ca de No­va York em 8 de mar­ço de 1857, quan­do um in­cên­dio cri­mi­no­so ma­tou 129 de­las, que fa­zi­am gre­ve por me­lho­res sa­lá­ri­os e con­di­ções de tra­ba­lho. O epi­só­dio deu ori­gem ao Dia In­ter­na­ci­o­nal da Mu­lher.
Leia mais

O mi­nis­tro Ale­xan­dre de Mo­ra­es, do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), sus­pen­deu por meio de li­mi­nar (de­ci­são pro­vi­só­ria) o tre­cho da re­for­ma tra­ba­lhis­ta que abria a pos­si­bi­li­da­de de ges­tan­tes tra­ba­lha­rem em ati­vi­da­des in­sa­lu­bres.

Mar­ce­lo Camargo/​Agência Bra­sil


O ministro do STF Alexandre de Moraes suspendeu com liminar trecho da reforma trabalhista que abria a possibilidade de gestantes trabalharem em atividades insalubres

Pe­lo ar­ti­go 379-​A da Con­so­li­da­ção das Leis do Tra­ba­lho (CLT), cu­ja re­da­ção foi da­da pe­la re­for­ma apro­va­da em 2017, as ges­tan­tes de­ve­ri­am ser afas­ta­das de ati­vi­da­des in­sa­lu­bres so­men­te “quan­do apre­sen­tar ates­ta­do de saú­de, emi­ti­do por mé­di­co de con­fi­an­ça da mu­lher, que re­co­men­de o afas­ta­men­to du­ran­te a ges­ta­ção”.
Leia mais

O Ple­ná­rio do Se­na­do apro­vou nes­sa quarta-​feira (13) a apli­ca­ção de mul­ta pa­ra o em­pre­ga­dor que não pa­gar o mes­mo sa­lá­rio pa­ra ho­mens e mu­lhe­res que exer­cem a mes­ma fun­ção. A pro­pos­ta, que al­te­ra a Con­so­li­da­ção das Leis do Tra­ba­lho (CLT), se­gue pa­ra a Câ­ma­ra. Ca­so se­ja apro­va­da pe­los de­pu­ta­dos, se­rá en­vi­a­da ao Pla­nal­to pa­ra san­ção pre­si­den­ci­al.

Shut­ters­tock


Em médias e grandes empresas, distorção salarial entre homens e mulheres que exercem as mesmas funções passa dos 40%

De acor­do com o pro­je­to (PLS 88/​2015), do se­na­dor Fer­nan­do Be­zer­ra (MDB-​PE), a em­pre­sa que des­cum­prir a re­gra se­rá mul­ta­da em va­lor cor­res­pon­den­te ao do­bro da di­fe­ren­ça sa­la­ri­al cons­ta­ta­da, mul­ti­pli­ca­da pe­lo nú­me­ro de me­ses em que per­du­rou a dis­tor­ção. Ca­da ca­so, po­rém, pre­ci­sa­rá ser apu­ra­do em ação na Jus­ti­ça. O va­lor ar­re­ca­da­do com a mul­ta se­rá re­ver­ti­do à ví­ti­ma da dis­cri­mi­na­ção.
Leia mais

A Câ­ma­ra apro­vou, na noi­te des­ta terça-​feira (12), pro­pos­ta que tor­na cri­me o as­sé­dio mo­ral no am­bi­en­te de tra­ba­lho. Se­gun­do o tex­to apro­va­do, o cri­me se­rá ca­rac­te­ri­za­do quan­do al­guém ofen­der rei­te­ra­da­men­te a dig­ni­da­de de ou­tro, causando-​lhe da­no ou so­fri­men­to fí­si­co ou men­tal no exer­cí­cio de em­pre­go, car­go ou fun­ção.

Luis Macedo/​Agência Câ­ma­ra


Proposta aprovada será enviada ao Senado

A pe­na es­ti­pu­la­da se­rá de de­ten­ção de um a dois anos e mul­ta, au­men­ta­da de um ter­ço se a ví­ti­ma for me­nor de 18 anos. A cau­sa so­men­te te­rá iní­cio se a ví­ti­ma re­pre­sen­tar con­tra o ofen­sor. O pro­je­to tra­mi­ta­va na Câ­ma­ra há 18 anos e, ago­ra, se­rá en­vi­a­do ao Se­na­do. Ca­so se­ja apro­va­do pe­los se­na­do­res, se­gui­rá pa­ra san­ção pre­si­den­ci­al, úl­ti­ma eta­pa an­tes de vi­rar lei.

A vo­ta­ção cau­sou po­lê­mi­ca no ple­ná­rio. O MDB ten­tou adi­ar a aná­li­se da pro­pos­ta, mas o pe­di­do foi re­jei­ta­do pe­la mai­o­ria dos par­la­men­ta­res. A re­la­to­ra, de­pu­ta­da Mar­ga­re­te Co­e­lho (PP-​PI), in­cor­po­rou al­te­ra­ções su­ge­ri­das por co­le­gas à ver­são apro­va­da em 2002 pe­la Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ).
Leia mais