Arquivos de Economia

Preço da carne subiu 32,4% em 2019 e inflação bateu 4,31%

segunda-feira, 13 de janeiro de 2020 10:16 Notícias

A in­fla­ção em 2019 ba­teu 4,31% e um dos pro­du­tos que mais im­pac­ta­ram nis­so foi a car­ne. O ali­men­to te­ve al­ta de 32,40% no ano pas­sa­do, re­pre­sen­tan­do 0,86 pon­tos per­cen­tu­ais no in­di­ca­dor ge­ral. O gru­po ao qual ele per­ten­ce, de “ali­men­ta­ção e be­bi­das”, apre­sen­tou al­ta de 6,37% no ano, o que ge­rou im­pac­to de 1,57 pon­to per­cen­tu­al no to­tal. O se­tor de “trans­por­tes” tam­bém te­ve uma al­ta sig­ni­fi­ca­ti­va, che­gan­do a 3,57%. Aci­ma es­te­ve a “saú­de e cui­da­dos pes­so­ais” com 4,41%.

Pi­xa­bay

“Que­ro dei­xar bem cla­ro que es­se ne­gó­cio da car­ne é a lei da ofer­ta e da pro­cu­ra. Não pos­so ta­be­lar, in­ven­tar. Is­so não vai dar cer­to”, dis­se Bol­so­na­ro em no­vem­bro. O pre­si­den­te tam­bém ha­via afir­ma­do que o pre­ço iria bai­xar. Na épo­ca o au­men­to ain­da es­ta­va em 22,9%. No fi­nal de de­zem­bro, Bol­so­na­ro de­fen­deu que a pro­du­ção pe­cuá­ria de­ve­ria ser per­mi­ti­da em ter­ras in­dí­ge­nas pa­ra di­mi­nuir o va­lor da car­ne. “O pre­ço da car­ne su­biu. Nós te­mos de cri­ar mais bois aqui, pa­ra di­mi­nuir o pre­ço da car­ne e eles po­dem cri­ar boi”.
Leia mais

De­zem­bro de 2019 foi o mês em que as fa­mí­li­as bra­si­lei­ras mais se en­di­vi­da­ram nos úl­ti­mos no­ve anos. A in­fla­ção em 2019 ba­teu 4,31%, o se­tor mais que mais con­tri­buiu pa­ra es­te nú­me­ro foi o de “ali­men­ta­ção e be­bi­das”, que so­zi­nho apre­sen­tou al­ta de 6,37% no ano, o que ge­rou im­pac­to de 1,57 pon­to per­cen­tu­al no to­tal.

USP Ima­gens

Se­gun­do a Pes­qui­sa de En­di­vi­da­men­to e Ina­dim­plên­cia do Con­su­mi­dor (Peic), re­a­li­za­da pe­la Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal do Co­mér­cio de Bens, Ser­vi­ços e Tu­ris­mo (CNC), o ín­di­ce de en­di­vi­da­men­to em 2019 al­can­çou 65,6%, sen­do es­te o mai­or per­cen­tu­al da sé­rie his­tó­ri­ca des­de ja­nei­ro de 2010. Em no­vem­bro o ín­di­ce já es­ta­va em 65,1%.
Leia mais

Ape­sar da di­mi­nui­ção das ten­sões no mer­ca­do fi­nan­cei­ro in­ter­na­ci­o­nal, o dó­lar te­ve a mai­or al­ta diá­ria em dois me­ses e a bol­sa de va­lo­res vol­tou a cair no Bra­sil. O dó­lar co­mer­ci­al en­cer­rou es­ta quinta-​feira (9) ven­di­do a R$ 4,086, com va­lo­ri­za­ção de 0,85% (R$ 0,035). Em va­lo­res per­cen­tu­ais, es­sa foi a mai­or su­bi­da pa­ra um dia des­de 8 de no­vem­bro, quan­do a di­vi­sa se va­lo­ri­zou 1,83%.

Reprodução/​Congresso em Fo­co

No mer­ca­do de ações, o ín­di­ce Ibo­ves­pa, da B3 (an­ti­ga Bol­sa de Va­lo­res de São Pau­lo), fe­chou aos 115.946 pon­tos, com re­cuo de 0,26%. Em que­da pe­la quar­ta ses­são con­se­cu­ti­va, o in­di­ca­dor en­cer­rou abai­xo dos 116 mil pon­tos pe­la pri­mei­ra vez no ano.
Leia mais

O per­cen­tu­al de fa­mí­li­as en­di­vi­da­das no Bra­sil che­gou a 65,5% em de­zem­bro de 2019. É o mai­or pa­ta­mar des­de 2010, se­gun­do a Pes­qui­sa de En­di­vi­da­men­to e Ina­dim­plên­cia do Con­su­mi­dor (Peic) da Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal do Co­mér­cio de Bens, Ser­vi­ços e Tu­ris­mo (CNC). O car­tão de cré­di­to tem si­do a prin­ci­pal cau­sa de en­di­vi­da­men­to das fa­mí­li­as bra­si­lei­ras.

Reprodução/​Congresso em Fo­co

Ao lon­go do ano pas­sa­do, au­men­tou tam­bém o per­cen­tu­al de fa­mí­li­as ina­dim­plen­tes que afir­mam não ter con­di­ções de pa­gar su­as dí­vi­das. Em ja­nei­ro de 2019 es­se per­cen­tu­al era de 9,1%. Mas, no fi­nal do ano, es­se va­lor su­biu pa­ra 10%, se­gun­do a CNC. A pes­qui­sa mos­tra que em re­la­ção a 2018 es­te nú­me­ro tam­bém es­tá mais al­to e que o tem­po mé­dio de atra­so no acer­to de con­tas já che­ga a 63,5 di­as.
Leia mais

O Con­gres­so Na­ci­o­nal co­me­çou es­ta quinta-​feira (19) com a ex­pec­ta­ti­va de co­nhe­cer os de­pu­ta­dos e se­na­do­res que vão for­mar a co­mis­são es­pe­ci­al mis­ta da re­for­ma tri­bu­tá­ria - co­mis­são que de­ve cons­truir um tex­to úni­co em tor­no das pro­pos­tas da Câ­ma­ra, do Se­na­do e do go­ver­no pa­ra a re­for­ma do sis­te­ma tri­bu­tá­rio bra­si­lei­ro. Es­ses no­mes se­ri­am pu­bli­ca­dos no Diá­rio Ofi­ci­al, mas ain­da não fo­ram re­ve­la­dos. Lí­de­res ou­vi­dos pe­lo Con­gres­so em Fo­co ex­pli­cam que ain­da nem to­das as in­di­ca­ções fo­ram fei­tas, o que po­de atra­sar um pou­co mais a ins­ta­la­ção des­sa co­mis­são.

Fa­bio Ro­dri­gues Pozzebom/​Agência Bra­sil


Membros que vão conduzir o debate sobre a reforma tributária devem trabalhar o texto mesmo durante o recesso

A ins­ta­la­ção de uma co­mis­são es­pe­ci­al que ten­te cri­ar um con­sen­so so­bre a pro­pos­ta de re­for­ma tri­bu­tá­ria que se­rá vo­ta­da pe­lo Con­gres­so é de­fen­di­da há al­gum tem­po pe­lo pre­si­den­te do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-​AP), e foi con­fir­ma­da nes­sa quarta-​feira (18). O acor­do em tor­no da cri­a­ção da co­mis­são foi anun­ci­a­do por Al­co­lum­bre e pe­lo pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), após uma reu­nião com o mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gue­des, e os par­la­men­ta­res que vi­nham li­de­ran­do es­sa dis­cus­são no Con­gres­so - os de­pu­ta­dos Agui­nal­do Ri­bei­ro (PP-​PB) e Hil­do Ro­cha (MDB-​MA) e o se­na­dor Ro­ber­to Ro­cha (PSDB-​MSA).
Leia mais

O go­ver­no fe­de­ral de­ve en­vi­ar ao Con­gres­so Na­ci­o­nal o va­lor de R$ 1031 co­mo de­fi­ni­ção pa­ra o sa­lá­rio mí­ni­mo de 2020. Ain­da as­sim, a quan­tia pre­ci­sa ser re­gu­la­men­ta­da por lei. O Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia con­fir­mou ao Con­gres­so em Fo­co que is­so se­rá fei­to até o fim de 2019 por me­di­da pro­vi­só­ria.

Agên­cia Bra­sil


Ministro da Economia, Paulo Guedes

Uma MP tem va­li­da­de má­xi­ma de qua­tro me­ses e pre­ci­sa ser con­fir­ma­da pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal. O mais pro­vá­vel é que o go­ver­no con­si­de­re ape­nas a in­fla­ção co­mo ba­se do re­a­jus­te dos sa­lá­ri­os. Ao si­te , o se­na­dor Pau­lo Paim (PT-​RS) dis­se que apos­ta na aná­li­se da MP pe­lo Po­der Le­gis­la­ti­vo pa­ra a opo­si­ção modificá-​la e au­men­tar o va­lor com a in­clu­são de mais pa­râ­me­tros pa­ra o re­a­jus­te, co­mo o cres­ci­men­to do Pro­du­to In­ter­no Bru­to.
Leia mais

A Co­mis­são Mis­ta de Or­ça­men­to (CMO) apro­vou o re­la­tó­rio da Lei de Di­re­tri­zes Or­ça­men­tá­ri­as (LDO) pa­ra 2020 com a pre­vi­são de sa­lá­rio mí­ni­mo de R$ 1.040, sem o cha­ma­do au­men­to re­al, po­lí­ti­ca de re­a­jus­te ba­se­a­da na in­fla­ção do ano an­te­ri­or mais um au­men­to com ba­se na va­ri­a­ção do Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB) de dois anos an­tes.

Re­pro­du­ção


"Manter a continuidade da política de valorização do salário mínimo para os próximos quatro anos será um grande desafio", vislumbra sociólogo

No en­tan­to, o cres­ci­men­to do mí­ni­mo ape­nas pe­la in­fla­ção é al­go co­mum em pe­río­dos de cri­se e re­ces­são. Em 2017 e 2018, foi con­ce­di­do o re­a­jus­te so­men­te com ba­se na in­fla­ção por­que a eco­no­mia de dois anos an­tes (2015 e 2016) te­ve re­tra­ção. Es­sa me­to­do­lo­gia é usa­da des­de o go­ver­no da ex-​presidente Dil­ma Rous­seff (2011).

Le­van­ta­men­to do Di­e­e­se mos­tra que, de 2004 a 2019, o au­men­to re­al acu­mu­la­do do sa­lá­rio mí­ni­mo, ou se­ja, aci­ma da in­fla­ção do pe­río­do, foi de 74,33%. O pro­je­to de lei se­rá apre­ci­a­do pe­lo ple­ná­rio do Con­gres­so Na­ci­o­nal. Se apro­va­do pe­lo Le­gis­la­ti­vo, o mí­ni­mo co­me­ça a va­ler no ano que vem, com pa­ga­men­to a par­tir de fe­ve­rei­ro.
Leia mais

O Ín­di­ce Ge­ral de Pre­ços – Mer­ca­do (IGP-​M), usa­do no re­a­jus­te dos con­tra­tos de alu­guel, re­gis­trou in­fla­ção de 0,92% em abril, per­cen­tu­al in­fe­ri­or ao ob­ser­va­do em mar­ço (1,26%). Se­gun­do in­for­mou ho­je (29), no Rio de Ja­nei­ro, a Fun­da­ção Ge­tu­lio Var­gas (FGV), o IGP-​M acu­mu­la in­fla­ção de 3,1% no ano e de 8,64% nos úl­ti­mos 12 me­ses.

Wil­son Dias/​Agência Bra­sil


Inflação do aluguel caiu de 1,26% em março para 0,92% em abril. Acumulado em 12 meses é de 8,64%

A que­da da ta­xa de mar­ço pa­ra abril foi pro­vo­ca­da pe­los pre­ços no ata­ca­do. A in­fla­ção do Ín­di­ce de Pre­ços ao Pro­du­tor Am­plo, que me­de o ata­ca­do, re­cu­ou de 1,67% em mar­ço pa­ra 1,07% em abril.
Leia mais

O pre­si­den­te da Pe­tro­bras, Ro­ber­to Cas­tel­lo Bran­co, anun­ci­ou au­men­to de R$ 0,10 por li­tro de di­e­sel nas re­fi­na­ri­as. Se­gun­do ele, a po­lí­ti­ca de pre­ços da es­ta­tal acom­pa­nha­rá a va­ri­a­ção do com­bus­tí­vel no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal, mas a pe­ri­o­di­ci­da­de dos re­a­jus­tes não se­rá ime­di­a­ta.

Fer­nan­do Fra­zão­A­gên­cia Bra­sil


O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, fala à imprensa na sede da companhia, no Rio de Janeiro

O va­lor do di­e­sel su­bi­rá dos atu­ais R$ 2,14 pa­ra R$ 2,24, em mé­dia, nos 35 pon­tos de dis­tri­bui­ção no país. Cas­tel­lo Bran­co anun­ci­ou o re­a­jus­te em en­tre­vis­ta à im­pren­sa às 18h50 des­ta quarta-​feira (17), na se­de da com­pa­nhia, no cen­tro do Rio. Ele afir­mou que nem o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro sa­bia com an­te­ce­dên­cia do re­a­jus­te.
Leia mais

Pu­xa­do pe­la cri­se po­lí­ti­ca, o dó­lar co­mer­ci­al su­biu e che­gou a ba­ter, nes­ta ma­nhã, pe­la pri­mei­ra vez des­de 1º de ou­tu­bro de 2018, na ca­sa dos R$ 4,00. Na aber­tu­ra da ses­são, a co­ta­ção che­gou a R$ 4,0156. Às 9h45, es­ta­va em R$ 3,9648, al­ta de 0,25%. A mo­e­da norte-​americana fe­chou on­tem em R$ 3,9548, o mai­or va­lor tam­bém des­de 1º de ou­tu­bro, quan­do atin­giu R$ 4,0174. Na épo­ca, vivia-​se a in­cer­te­za do ce­ná­rio elei­to­ral.

Arquivo/​EBC

O au­men­to na co­ta­ção es­tá as­so­ci­a­do à que­da de bra­ço en­tre os pre­si­den­tes da Re­pú­bli­ca, Jair Bol­so­na­ro, e da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), e às di­fi­cul­da­des ca­da vez mai­o­res en­fren­ta­das pe­lo go­ver­no pa­ra apro­var a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia no Con­gres­so. Prin­ci­pal apos­ta do mer­ca­do pa­ra a apro­va­ção da re­for­ma, o mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gue­des, ad­mi­tiu on­tem que po­de dei­xar o car­go se os par­la­men­ta­res não qui­se­rem vo­tar a pro­pos­ta. “Se nin­guém qui­ser o ser­vi­ço, vai ser um pra­zer ter ten­ta­do, mas não te­nho ape­go ao car­go, de­se­jo de fi­car a qual­quer cus­to”, afir­mou.
Leia mais